Dona de um sorriso acolhedor e uma blogueira de sucesso, Sonia conta um pouco da sua luta contra o Linfoma de Hodgkin, tipo esclerose nodular, estágio IV e como ele mudou a sua vida.

Aventureira das artes. Adora rabiscar alguns desenhos e vive fotografando tudo pela frente. Assim é Sonia Niara, uma jovem que esbanja alegria e amor por onde passa. Aos 21 anos foi diagnosticada com Linfoma de Hodgkin e viu sua vida mudar da noite para o dia. Vamos conhecer um pouco a história dessa guerreira, que mesmo com todos os obstáculos, tirou lições positivas da doença e hoje é inspiração para milhares de pessoas.

Aos 18 anos Sonia deu um grande passo em sua vida, foi em busca de seu sonho: faculdade de medicina veterinária em uma universidade pública. Mesmo distante da família e dos amigos, ela colocou o medo e as incertezas dentro da mala e foi mesmo assim. Mal sabia que esse era apenas o primeiro desafio que iria enfrentar.

Alguns anos depois, já acostumada e feliz com a nova vida, Sonia sentiu alguns caroços no pescoço e resolveu procurar um médico.

Para descartar a pior hipótese o primeiro médico que procurei foi um oncologista. Fiz uma punção aspirativa e deu negativo para células anormais. Comecei a passar por muitos outros médicos, para entender o por quê dos gânglios, da coceira pelo corpo e da tosse seca. Na semana em que eu tinha uma consulta com um médico de cabeça e pescoço acordei com uma febre muito alta, suando, com o pescoço extremamente inchado e dolorido. Então, fiz a biópsia cirúrgica e dias depois, no  dia 8 de outubro de 2012, no auge da juventude, aos 21 anos, tive o diagnóstico de Linfoma de Hodgkin, tipo esclerose nodular, estágio IV. Foi o começo de uma grande batalha! ”.

Receber o diagnóstico de um câncer não é fácil, aliás deve ser uma das piores notícias que uma pessoa pode ter. O sentimento é de medo, angústia e perda. Imagine para uma garota de 21 anos? Sonia estava no começo de sua vida, com planos e certezas e não esperava por uma provação tão forte como essa.

Com toda a sinceridade, foi um tanto quanto inexplicável para mim. Em partes eu sabia que poderia ser algo grave, mas quando a suspeita se confirmou, em meio às lágrimas e consolada pelo abraço da minha mãe, eu fui tomada de uma certeza tão grande de que tudo daria certo, independentemente do tempo que eu tivesse que permanecer nesse trajeto. E, claro, depois desse momento, vieram muitas dúvidas em relação ao tratamento e efeitos colaterais. Mas, prezo em viver um dia de cada vez”.

E foi rodeada de muito amor que ela ergueu a cabeça e decidiu encarar o Linfoma.

Fiz 8 meses de quimioterapia e tive a remissão total. Com tamanha felicidade, ganhei uma viagem internacional e quando voltei, fiz o primeiro exame de controle. Nele, encontramos uma massa no pulmão. Fiz uma cirurgia para biópsia, retirei o ápice do pulmão esquerdo. Foi então que descobri: o Linfoma de Hodgkin estava ali novamente”.

A primeira batalha já estava vencida,  e como ela mesma diz, precisou mais uma vez mostrar para a vida que quem manda é DEUS, e que não ia deixar o câncer estacionar novamente.

Fiz 4 meses de uma nova quimioterapia. O Linfoma de Hodgkin resistiu. Entrei com o pedido de uma ‘Medida de Salvação’, com um medicamento importado e de última geração. Fiz 3 aplicações e não teve um resultado esperado. Em Junho de 2015 fiz 20 sessões de radioterapia, pois é um tratamento essencial para destruir o Linfoma. Foi quando a boa notícia veio: houve remissão quase que total do Linfoma. Decidimos seguir por um protocolo de quimioterapia mais forte, o qual foram 4 internações de 20 dias cada”.

Atualmente, Sonia está se preparando para um novo tratamento chamado Interleucina e futuramente um PET SCAN (sigla em inglês para a tomografia por emissão de pósitrons – Positron Emission Tomography).

De todo o tratamento: qual foi a fase mais difícil para você e sua família?
Creio que para a minha família o que gerou sofrimento em alguns momentos foi a expectativa, pelos longos 3 anos de tratamento. Mas, para mim, o momento mais difícil foi quando peguei o resultado do PET Scan após o Transplante de Medula Óssea Autólogo. O tumor estava maior do que antes. Isso foi um grande susto, embalado por muitas perguntas, mas principalmente a dor de ter passado 30 dias internada com fortes efeitos colaterais e isso não ter feito nem ‘cócegas’ no Linfoma.

Conte um pouco da sua família e de como ela está sendo essencial para vocês nesse momento:
Minha família basicamente se resume aos meus pais e meus 4 irmãos, com suas esposas e meus 5 sobrinhos. Família é essencial, não importa o tamanho! E, tê-los por perto foi fundamental em todo o processo. Eles foram as primeiras pessoas a verem cada etapa, o que me ajudou também na fase de ACEITAÇÃO da perda dos cabelos. Ver que o processo de transformação não atingiu somente a mim, mas a eles também, me faz ver mais ainda que tudo tem um propósito, bem como pensar no sofrimento deles me deu muita força para lutar em determinados momentos!

Como era a Sonia antes do diagnóstico, e como é a Sonia agora?
Sinceramente, eu vivia em um momento bem egoísta da minha vida, somente pensando em meus sonhos, meus planos, meus projetos. Ao mesmo tempo, meu coração estava DESTRUÍDO, resultado de eu mesma tê-lo guiado pelas minhas vontades. Eu mal sabia quem eu era, mal sabia expressar minhas emoções e razões de forma saudável. Era totalmente influenciada pelos outros e pelo meu enganoso coração. Feria as pessoas sem arrependimento algum. Eu não estava vivendo, na verdade eu estava morrendo.

Hoje, percebi que estou vivendo verdadeiramente. O que não significa me achar perfeita, mas significa me ACEITAR como sou, mas também não me conformar como estou. Aprendi que sempre posso recomeçar. Me sinto em constante crescimento, mesmo já sendo adulta. Aprendendo a deixar minhas vontades egoístas morrerem e me expressar com liberdade, mas sem irresponsabilidade. Aprendi que sempre posso recomeçar.

Você precisou ser forte desde o começo. De onde você tirou e ainda tira tanta força e esperança?
Eu entendo essa pergunta não como ‘de onde’, mas ‘de quem’ tirei forças. E não há outra resposta se não a perfeita força de Deus, que nos é dada na medida certa. Sem Jesus, tenho plena convicção de que eu não chegaria até aqui. Pois em muitos momentos de sofrimento e dúvida, somente a presença Dele me resgatou. E crer em seus propósitos para minha vida, foi a grande força que me impulsionou e continua a me motivar nessa luta.

Para finalizar, deixe uma mensagem para todas as pessoas que passam pela mesma situação que você:
De todas as coisas que posso dizer, a primeira delas é: tenha paciência! Paciência com as pessoas, paciência consigo mesmo e, principalmente, a paciência de esperar o agir de Deus, pois Ele age em tempo e forma perfeitas. E, segundo: não desista! Eu recebi muitas notícias de que realmente parecia ser o fim.

Não desistir da vida e do tratamento é fundamental, pois não sabemos o que o futuro nos reserva, e nesse futuro, tudo pode mudar! 

O meu maior desafio é expor em palavras o que tenho vivido e de alguma forma ajudar as pessoas que lutam pela mesma causa que eu: o combate ao câncer, ” finaliza.

 

Inspire-se com essa jovem blogueira e descubra um pouco mais como essa guerreira enfrenta o Linfoma!

Entre no site https://sonianiara.com/

Facebook:  https://www.facebook.com/sonianiara/

 

Entenda o Linfoma:

Linfoma é um tipo de câncer que se inicia nas células que fazem parte do sistema imunológico do nosso corpo – o Sistema linfático. O linfoma é um câncer do sangue e é a patologia que tem maiores chances de CURA. É importante saber qual o tipo de linfoma você tem, pois cada tipo tem uma forma de tratamento e prognóstico. Existem dois tipos principais de linfoma: o  e o LINFOMA NÃO-HODGKIN (LNH). Pergunte ao médico o seu tipo de linfoma e fique atento ao tratamento ideal!

Conheça os tipos de linfoma e seus sintomas e opções de tratamento. Caso tenha alguma dúvida, entre em contato conosco pelo 0800 773 3241 ou pelo e-mail contato@espacodevida.org.br

  • Pode me chamar de Ju. Jornalista, paulistana nata e balzaquiana. Apaixonada pelo comportamento humano e não dispenso um abraço demorado. Acho que toda história (boa ou não) merece ser contada. Amorosa, sonhadora e chorona. Quer me ganhar? Basta falar sobre o amor.

Veja também: