O câncer de próstata é o câncer mais comum entre os homens (depois do câncer de pele), mas muitas vezes pode ser tratado com sucesso. Se você tem câncer de próstata ou está perto de alguém que tem, saber o que esperar pode ajudá-lo a lidar com isso. Aqui você pode descobrir tudo sobre o câncer de próstata, incluindo fatores de risco, sintomas, como é encontrado e como é tratado.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Idade
A incidência aumenta a partir dos 50 anos, e a maioria dos diagnósticos é feito em pessoas com mais de 65 anos. É rara em pacientes com menos de 40 anos.

Histórico familiar
Ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata aumenta duas vezes a probabilidade de desenvolver a doença. Se houver mais de um caso na família ou se um irmão ou pai teve o diagnóstico, o risco e maior.

Raça
Homens negros correm mais risco e tendem a desenvolver tumores mais agressivos.

Dieta
Alguns estudos sugerem que dietas ricas em gorduras e pobres em fibras, frutas e vegetais aumentam o risco. Esse ainda é um tema que gera controvérsia.

Obesidade
É possível que homens obesos corram mais risco.

A maioria dos cânceres de próstata são encontrados precocemente por exames de rotina. O câncer de próstata quando no início não causa sintomas. Os cânceres de próstata mais avançados às vezes podem causar sintomas, como:

• Problemas para urinar, incluindo um fluxo urinário lento ou fraco ou a necessidade de urinar com mais frequência, especialmente à noite,
• Sangue na urina ou sêmen,
• Problemas para obter uma ereção (disfunção erétil ou DE),
• Dor nos quadris, costas (coluna), peito (costelas) ou outras áreas de câncer que se espalhou para os ossos,
• Fraqueza ou dormência nas pernas ou pés, ou até mesmo perda do controle da bexiga ou do intestino devido ao câncer pressionando a medula espinhal.

A maioria desses problemas é mais provável de ser causada por algo diferente do câncer de próstata. Por exemplo, problemas para urinar são muito mais frequentemente causados ​​por hiperplasia prostática benigna (HPB), um crescimento não canceroso da próstata. Ainda assim, é importante informar ao seu médico se você tiver algum desses sintomas para que a causa possa ser encontrada e tratada, se necessário. Alguns homens podem precisar de mais testes para verificar se há câncer de próstata.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

O câncer de próstata pode ser detectado precocemente?

O câncer de próstata geralmente pode ser encontrado precocemente por meio de testes de níveis de antígeno específico da próstata (PSA) no sangue de um homem. Outra maneira de encontrar o câncer de próstata é o exame de toque retal. Nesse exame, o médico coloca um dedo lubrificado e lubrificado no reto para sentir a próstata.

Se os resultados de qualquer um desses testes estiverem alterados, testes adicionais (como uma biópsia da próstata) geralmente são feitos.

Testes de rastreamento para o câncer de próstata
– Exame de sangue do antígeno prostático específico (PSA)

O antígeno prostático específico (PSA) é uma proteína produzida pelas células da próstata (células normais e células cancerígenas). O PSA é encontrado principalmente no sêmen, mas uma pequena quantidade também é encontrada no sangue.

O nível de PSA no sangue é medido em unidades chamadas nanogramas por mililitro (ng/mL). A chance de ter câncer de próstata aumenta à medida que o nível de PSA aumenta, mas não há um ponto de corte definido que possa dizer com certeza se um homem tem ou não câncer de próstata. Muitos médicos usam um ponto de corte de PSA de 4 ng/mL ou mais ao decidir se um homem pode precisar de mais testes, enquanto outros podem recomendá-lo a partir de um nível mais baixo, como 2,5 ou 3.

A maioria dos homens sem câncer de próstata tem níveis de PSA abaixo de 4 ng/mL de sangue. Quando o câncer de próstata se desenvolve, o nível de PSA geralmente fica acima de 4. Ainda assim, um nível abaixo de 4 não é garantia de que um homem não tenha câncer. Cerca de 15% dos homens com PSA abaixo de 4 terão câncer de próstata se uma biópsia for feita.

Homens com um nível de PSA entre 4 e 10 (geralmente chamado de “intervalo limítrofe”) têm cerca de 1 em 4 chances de ter câncer de próstata.

Se o PSA for superior a 10, a chance de ter câncer de próstata é superior a 50%.

Fatores que podem afetar os níveis de PSA

Uma razão pela qual é difícil usar um ponto de corte definido com o teste de PSA ao procurar câncer de próstata é que vários outros fatores além do câncer também podem afetar os níveis de PSA. Fatores que podem aumentar os níveis de PSA incluem:

  • Próstata aumentada: Condições como hiperplasia prostática benigna (HPB), um aumento não canceroso da próstata que afeta muitos homens à medida que envelhecem, podem aumentar os níveis de PSA.
  • Idade avançada: os níveis de PSA normalmente aumentam lentamente à medida que você envelhece, mesmo que você não tenha anormalidades na próstata.
  • Prostatite: Esta é uma infecção ou inflamação da próstata, que pode aumentar os níveis de PSA.
  • Ejaculação: Isso pode fazer o PSA subir por um curto período de tempo. É por isso que alguns médicos sugerem que os homens se abstenham de ejacular por um ou dois dias antes do teste.
  • Andar de bicicleta: Alguns estudos sugeriram que andar de bicicleta pode aumentar os níveis de PSA por um curto período de tempo (possivelmente porque o assento exerce pressão sobre a próstata), embora nem todos os estudos tenham encontrado isso.
  • Certos procedimentos urológicos: Alguns procedimentos realizados em consultórios médicos que afetam a próstata, como biópsia de próstata ou cistoscopia, podem aumentar os níveis de PSA por um curto período de tempo. Alguns estudos sugeriram que um exame de toque retal (DRE) pode aumentar ligeiramente os níveis de PSA, embora outros estudos não tenham encontrado isso. Ainda assim, se um teste de PSA e um DRE estiverem sendo feitos durante uma consulta médica, alguns médicos aconselham que o sangue seja coletado para o PSA antes de fazer o exame de toque retal, apenas por precaução.
  • Certos medicamentos: Tomar hormônios masculinos como a testosterona (ou outros medicamentos que aumentam os níveis de testosterona) pode causar um aumento no PSA.

Algumas coisas podem diminuir os níveis de PSA (mesmo que um homem tenha câncer de próstata):

  • Inibidores da 5-alfa redutase: Certos medicamentos usados ​​para tratar HBP ou sintomas urinários, como finasterida (Proscar ou Propecia) ou dutasterida (Avodart), podem diminuir os níveis de PSA. Esses medicamentos também podem afetar o risco de câncer de próstata (discutido em Can Prostate Cancer Be Prevented?). Informe o seu médico se estiver a tomar um destes medicamentos. Como eles podem diminuir os níveis de PSA, o médico pode precisar se ajustar a isso.
  • Misturas de ervas: Algumas misturas que são vendidas como suplementos dietéticos podem mascarar um alto nível de PSA. É por isso que é importante informar ao seu médico se você estiver tomando algum tipo de suplemento, mesmo aqueles que não são necessariamente destinados à saúde da próstata. Saw palmetto (uma erva usada por alguns homens para tratar a HBP) ​​não parece afetar o PSA.
  • Alguns outros medicamentos: Algumas pesquisas sugeriram que o uso prolongado de certos medicamentos, como aspirina, estatinas (medicamentos para baixar o colesterol) e diuréticos tiazídicos (como hidroclorotiazida) podem diminuir os níveis de PSA. Mais pesquisas são necessárias para confirmar esses achados. Se você toma algum dos medicamentos regularmente, converse com seu médico antes de parar de tomá-lo por qualquer motivo.

Para os homens que podem ser rastreados para câncer de próstata, nem sempre está claro se a redução do PSA é útil. Em alguns casos, o fator que reduz o PSA também pode diminuir o risco de câncer de próstata em um homem. Mas em outros casos, pode diminuir o nível de PSA sem afetar o risco de câncer de um homem. Isso pode realmente ser prejudicial, se reduzir o PSA de um nível anormal para um normal, pois pode resultar na não detecção de um câncer. É por isso que é importante conversar com seu médico sobre qualquer coisa que possa afetar seu nível de PSA.

Biópsia de próstata
A biópsia de próstata deve ser realizada com o paciente anestesiado. Não se pode aceitar que seja feita de outra forma. Ela é o exame mais importante para o diagnóstico do câncer de próstata.

Uma  agulha fina é inserida no reto, guiada por ultrassom acoplado a uma sonda introduzida no reto. Fragmentos  da próstata são retirados de várias partes dos lobos direito e esquerdo da próstata. O procedimento em si não é demorado, cerca de 30 minutos em média. O material recolhido é enviado então para realizaçao de exame anatomopatológico. Caso haja células malignas, as mesmas serão classificadas pelo Escore de Gleason ou pelo Escore de ISUP (International Society of Urulogical Pathology).

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Antes de qualquer coisa: se você foi diagnosticado com câncer de próstata, converse com seu médico sobre suas opções de tratamento. É importante discutir todas as suas opções de tratamento, incluindo seus objetivos e possíveis efeitos colaterais, para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapta às suas necessidades.
Algumas coisas importantes a serem consideradas incluem:
• O estágio e o grau do seu câncer;
• Sua idade e expectativa de vida;
• Quaisquer outras condições graves de saúde que você tenha;
• Seus sentimentos (e a opinião do seu médico) sobre a necessidade de tratar o câncer imediatamente;
• A probabilidade de que o tratamento cure seu câncer (ou ajude de alguma outra forma);
• Seus sentimentos sobre os possíveis efeitos colaterais de cada tratamento.

Você pode sentir que deve tomar uma decisão rapidamente, mas é importante dar a si mesmo tempo para absorver as informações que acabou de aprender. Faça perguntas se houver algo que você não tenha certeza.

Se o tempo permitir, muitas vezes, é uma boa ideia procurar uma segunda opinião. Ela pode fornecer mais informações e ajudá-lo a se sentir mais confiante sobre o plano de tratamento escolhido.

Como o câncer de próstata é tratado?
O câncer de próstata é tratado de várias maneiras. O paciente, junto com o seu médico, define qual o mais adequado e viável para ele neste momento. É muito importante os pacientes e familiares entenderem sobre a doença, buscando informações precisas e confiáveis. Assim ele estará preparado para discutir sobre seu tratamento com o médico.

Abaixo as opções de tratamento:
Dependendo de cada caso, as opções de tratamento para homens com câncer de próstata podem incluir:
• Observação ou Vigilância Ativa;
• Cirurgia;
• Radioterapia;
• Crioterapia;
• Terapia Hormonal;
• Quimioterapia;
• Imunoterapia;
• Terapia Alvo;
• Tratamentos para a disseminação do câncer de próstata para os ossos.

Como o câncer de próstata geralmente cresce muito lentamente, alguns homens (especialmente aqueles que são mais idosos ou têm outros problemas de saúde graves) podem nunca precisar de tratamento. Em vez disso, seus médicos podem recomendar observação (às vezes chamada de espera vigilante) ou vigilância ativa.

Os termos vigilância ativa e observação têm definições diferentes:

• A vigilância ativa é, muitas vezes, usada para monitorar o câncer de perto. Geralmente, isso inclui uma consulta médica com um exame de sangue do antígeno específico da próstata (PSA) a cada seis meses e um exame de toque retal (DRE) pelo menos uma vez por ano. Biópsias de próstata e exames de imagem também podem ser feitos a cada um a três anos. Se os resultados do seu teste mudarem, seu médico conversará com você sobre as opções de tratamento para tentar curar o câncer.

• A observação (espera vigilante), às vezes, é usada para descrever um tipo de acompanhamento menos intensivo que pode significar menos testes e depender mais das mudanças nos sintomas de um homem para decidir se o tratamento é necessário. Este tratamento é destinado a controlar os sintomas do câncer, mas não a curá-lo. Não importa qual termo seu médico use, é muito importante que você entenda exatamente o que ele quer dizer quando se refere a ele.

Quando essas opções são usadas?

Uma dessas abordagens pode ser recomendada se o seu câncer:

• Não está causando nenhum sintoma;

• Espera-se que cresça lentamente (com base na pontuação de Gleason);

• É pequeno;

• Está apenas na próstata;

• Está associado ao baixo nível de PSA (<10ng/ml). A vigilância ativa não é uma boa opção se você tiver um câncer de crescimento rápido (por exemplo, uma pontuação de Gleason alta) ou se o câncer provavelmente se espalhar para fora da próstata (com base nos níveis de PSA). Homens jovens e saudáveis ​​são menos propensos a receber observação, por causa da preocupação de que o câncer possa se tornar um problema nos próximos anos. Observação ou vigilância ativa versus tratamento Alguns grandes estudos compararam observação (espera vigilante) (onde os homens foram tratados apenas se desenvolvessem sintomas de seu câncer) e cirurgia para câncer de próstata em estágio inicial, mas as evidências desses estudos foram mistas. Alguns descobriram que os homens que fazem cirurgia podem viver mais, enquanto outros não encontraram diferença na sobrevivência.

Prostatectomia radical aberta ou laparoscópica

Na abordagem mais tradicional da prostatectomia, chamada de prostatectomia aberta, o cirurgião opera por meio de uma única incisão longa na pele (corte) para remover a próstata e os tecidos próximos. Este tipo de cirurgia é feito com menos frequência do que no passado.

Em uma prostatectomia laparoscópica, o cirurgião faz várias incisões menores e usa ferramentas cirúrgicas longas e especiais para remover a próstata. O cirurgião segura as ferramentas diretamente ou usa um painel de controle para mover com precisão os braços robóticos que seguram as ferramentas. Esta abordagem à prostatectomia tornou-se mais comum nos últimos anos. Se realizada por cirurgiões experientes, a prostatectomia radical laparoscópica pode apresentar resultados semelhantes à abordagem aberta.

Prostatectomia aberta e Prostatectomia retropúbica radical

Para esta operação aberta, o cirurgião faz uma incisão (corte) na parte inferior do abdômen, desde o umbigo até o osso púbico, conforme mostra a figura abaixo. Você estará sob anestesia geral (dormindo), ou receberá anestesia raquidiana ou epidural (entorpecendo a metade inferior do corpo) juntamente com sedação durante a cirurgia.

Se houver uma chance razoável de o câncer ter se espalhado para os linfonodos próximos (com base no seu nível de PSA, resultados da biópsia da próstata e outros fatores), o cirurgião também pode remover alguns desses linfonodos neste momento (conhecido como linfonodo pélvico). Os materiais coletados são enviados para o laboratório para ver se eles têm células cancerosas. Se as células cancerosas forem encontradas em qualquer um dos gânglios, o cirurgião pode não continuar com a cirurgia. Isso ocorre porque é improvável que o câncer possa ser curado com cirurgia, e a remoção da próstata pode levar a sérios efeitos colaterais.

Após a remoção da próstata, enquanto você ainda está sob anestesia, um cateter (tubo fino e flexível) será colocado em seu pênis para ajudar a drenar a bexiga. O cateter geralmente permanecerá no local por 1 a 2 semanas enquanto você se recupera. Você poderá urinar por conta própria depois que o cateter for removido.

Prostatectomia radical perineal

Nesta operação aberta, o cirurgião faz o corte (incisão) na pele entre o ânus e o escroto (o períneo). Essa abordagem é usada com menos frequência porque é mais provável que leve a problemas de ereção e porque os gânglios linfáticos próximos não podem ser removidos. Mas geralmente é uma operação mais curta e pode ser uma opção se você não estiver preocupado com as ereções e não precisar remover os linfonodos. Também pode ser usado se você tiver outras condições médicas que dificultam a cirurgia retropúbica. Pode ser tão curativo quanto a abordagem retropúbica, se feito corretamente. A operação perineal pode resultar em menos dor e uma recuperação mais fácil do que a prostatectomia retropúbica.

Após a cirurgia, enquanto você ainda está anestesiado, um cateter será colocado em seu pênis para ajudar a drenar sua bexiga. O cateter geralmente permanece no lugar por 1 a 2 semanas enquanto você está se recuperando. Você poderá urinar por conta própria depois que o cateter for removido.

Prostatectomia laparoscópica

Se você está pensando no tratamento com cirurgia laparoscópica, é importante entender o que se sabe e o que ainda não se sabe sobre essa abordagem. Os fatores mais importantes provavelmente serão a habilidade e a experiência do seu cirurgião. Se você decidir que a cirurgia laparoscópica é o tratamento certo para você, certifique-se de encontrar um cirurgião com muita experiência.

Prostatectomia radical laparoscópica

Para uma prostatectomia radical laparoscópica (PRL), o cirurgião insere instrumentos longos especiais através de várias pequenas incisões na parede abdominal para remover a próstata. Um dos instrumentos possui uma pequena câmera de vídeo na ponta, que permite ao cirurgião ver o interior do corpo.

A prostatectomia laparoscópica tem algumas vantagens sobre a prostatectomia radical aberta, incluindo menos perda de sangue e dor, menor tempo de internação (geralmente não mais de um dia), tempos de recuperação mais rápidos e o cateter precisará permanecer na bexiga por menos tempo.

As taxas de efeitos colaterais importantes da PRL como problemas de ereção e dificuldade em segurar a urina (incontinência), parecem ser aproximadamente as mesmas das prostatectomias abertas. A recuperação do controle da bexiga pode ser um pouco demorada com esta abordagem.

Embora sejam necessários mais estudos de longo prazo para comparar os efeitos colaterais e as chances de recorrência entre a prostatectomia aberta e a PRL, o sucesso de qualquer procedimento parece ser determinado principalmente pela experiência e habilidade do cirurgião.

Prostatectomia radical laparoscópica assistida por robô

Nesta abordagem, também conhecida como prostatectomia robótica, a cirurgia laparoscópica é feita por meio de um sistema robótico. O cirurgião se senta em um painel de controle na sala de cirurgia e move braços robóticos para operar através de várias pequenas incisões no abdômen do paciente.

A prostatectomia robótica tem vantagens sobre a abordagem aberta em termos de menos dor, perda de sangue e tempo de recuperação. Mas em termos dos efeitos colaterais com os quais os homens estão mais preocupados, como problemas urinários ou de ereção, não parece haver diferença entre a prostatectomia robótica e outras abordagens.

Para o cirurgião, o sistema robótico pode fornecer mais manobrabilidade e precisão ao mover os instrumentos do que a PRL padrão. Ainda assim, o fator mais importante no sucesso de qualquer tipo de cirurgia laparoscópica é a experiência e habilidade do cirurgião.

Ressecção transuretral da próstata (RTPU)

Esta operação é mais usada para tratar homens com aumento não canceroso da próstata chamado hiperplasia prostática benigna (HBP). Mas às vezes também é usado em homens com câncer de próstata avançado para ajudar a aliviar os sintomas, como dificuldade para urinar (não é usado para tentar curar o câncer).

Durante esta operação, o cirurgião remove a parte interna da próstata que envolve a uretra (o tubo através do qual a urina sai da bexiga). A pele não é cortada com esta cirurgia. Um instrumento chamado ressectoscópio é passado através da ponta do pênis até a uretra até o nível da próstata. Uma vez que está no lugar, a eletricidade é passada através de um fio para aquecê-lo ou um laser é usado para cortar ou vaporizar o tecido. A anestesia espinhal (que adormece a metade inferior do corpo) ou anestesia geral (onde você está dormindo) é usada.

A operação geralmente leva cerca de uma hora. Após a cirurgia, um cateter (tubo fino e flexível) é inserido através do pênis e na bexiga. Ele permanece no local por cerca de um dia para ajudar a drenar a urina enquanto a próstata cura. Geralmente, você pode deixar o hospital após 1 a 2 dias e retornar às atividades normais em 1 a 2 semanas. Você provavelmente terá um pouco de sangue na urina após a cirurgia.

Riscos da cirurgia de próstata

Os riscos como qualquer tipo de prostatectomia radical são muito parecidos com os de qualquer cirurgia de grande porte. Os problemas durante ou logo após a operação podem incluir:

·      Reações à anestesia;

·      Sangramento da cirurgia;

·      Coágulos de sangue nas pernas ou pulmões;

·      Danos a órgãos próximos;

·      Infecções no local da cirurgia.

Raramente, parte do intestino pode ser lesada durante a cirurgia, o que pode levar a infecções no abdômen e pode exigir mais cirurgia para corrigir. Lesões intestinais são mais comuns com cirurgias laparoscópicas e robóticas do que com a abordagem aberta.

Se os linfonodos forem removidos, uma coleção de fluido linfático (chamada linfocele) pode se formar e pode precisar ser drenada.

Efeitos colaterais da cirurgia de próstata

Os principais efeitos colaterais possíveis da prostatectomia radical são incontinência urinária (incapaz de controlar a urina) e disfunção erétil (impotência; problemas para obter ou manter ereções). Esses efeitos colaterais também podem ocorrer com outras formas de tratamento do câncer de próstata.

Incontinência urinária: Você pode não conseguir controlar sua urina ou pode ter vazamento ou gotejamento. Ser incontinente pode afetá-lo não apenas fisicamente, mas também emocionalmente e socialmente. Estes são os principais tipos de incontinência:

·      Homens com incontinência de estresse podem vazar urina quando tossem, riem, espirram ou se exercitam. A incontinência de esforço é o tipo mais comum após a cirurgia de próstata. Geralmente é causado por problemas com a válvula que mantém a urina na bexiga (o esfíncter da bexiga). Os tratamentos de câncer de próstata podem danificar esta válvula ou os nervos que mantêm a válvula funcionando;

·      Homens com incontinência por transbordamento têm problemas para esvaziar a bexiga. Eles demoram muito para urinar e têm um fluxo pingando com pouca força. A incontinência por transbordamento geralmente é causada pelo bloqueio ou estreitamento da saída da bexiga por tecido cicatricial;

·      Homens com incontinência de urgência têm uma necessidade repentina de urinar. Isso acontece quando a bexiga se torna muito sensível ao alongamento à medida que se enche de urina.

Raramente após a cirurgia, os homens perdem toda a capacidade de controlar sua urina. Isso é chamado de incontinência contínua.

Após a cirurgia para câncer de próstata, o controle normal da bexiga geralmente retorna dentro de algumas semanas ou meses. Essa recuperação geralmente ocorre lentamente ao longo do tempo.

Grandes centros de câncer, onde a cirurgia de próstata é feita com frequência e os cirurgiões têm muita experiência, geralmente relatam menos problemas com incontinência.

A incontinência pode ser tratada. Mesmo que sua incontinência não possa ser corrigida.

Disfunção erétil (impotência): As ereções são controladas por 2 pequenos feixes de nervos que correm em ambos os lados da próstata. Se você pode ter ereções antes da cirurgia, o cirurgião tentará não ferir esses nervos durante a prostatectomia. Isso é conhecido como uma abordagem poupadora de nervos. Mas se o câncer estiver crescendo nos nervos ou muito perto deles, o cirurgião precisará removê-los.

Se ambos os nervos forem removidos, você não poderá ter ereções espontâneas, mas ainda poderá ter ereções usando algumas das ajudas descritas abaixo. Se os nervos de apenas um lado forem removidos, você ainda poderá ter ereções, mas a chance é menor do que se nenhum deles fosse removido. Se nenhum feixe nervoso for removido, você poderá ter ereções normais em algum momento após a cirurgia.

Sua capacidade de ter uma ereção após a cirurgia depende de sua idade, sua capacidade de obter uma ereção antes da operação e se os nervos foram cortados. Todos os homens podem esperar alguma diminuição na capacidade de ter uma ereção, mas quanto mais jovem você for, maior a probabilidade de manter essa capacidade.

Os cirurgiões que fazem muitas prostatectomias radicais tendem a relatar taxas mais baixas de impotência do que os médicos que fazem a cirurgia com menos frequência. Uma ampla gama de taxas de impotência foi relatada na literatura médica, mas a situação de cada homem é diferente, então a melhor maneira de ter uma ideia de suas chances de recuperar as ereções é perguntar ao seu médico sobre suas taxas de sucesso e qual o resultado. É provável que seja no seu caso.

Se sua capacidade de ter ereções retornar após a cirurgia, geralmente retorna lentamente. Na verdade, pode levar de alguns meses até 2 anos. Durante os primeiros meses, você provavelmente não conseguirá ter uma ereção espontânea, então você pode precisar usar medicamentos ou outros tratamentos.

A maioria dos médicos sente que a recuperação da potência é ajudada ao tentar obter uma ereção o mais rápido possível, uma vez que o corpo tenha a chance de se curar (geralmente várias semanas após a operação). Alguns médicos chamam isso de reabilitação peniana. Medicamentos podem ser úteis neste momento. Certifique-se de conversar com seu médico sobre sua situação.

Existem várias opções para tratar a disfunção erétil:

Inibidores da fosfodiesterase-5 (PDE5) como sildenafil (Viagra), vardenafil (Levitra), tadalafil (Cialis) e avanafil (Stendra) são pílulas que podem ajudar nas ereções. Esses medicamentos não funcionarão se os dois nervos que controlam as ereções forem danificados ou removidos. Os efeitos colaterais comuns desses medicamentos são dor de cabeça, rubor (a pele fica vermelha e quente), dor de estômago, sensibilidade à luz e nariz escorrendo ou entupido. Raramente, esses medicamentos podem causar problemas de visão, possivelmente até cegueira. Alguns outros medicamentos como nitratos, que são medicamentos usados para tratar doenças cardíacas, podem causar problemas se você estiver tomando um inibidor de PDE5, portanto, certifique-se de que seu médico saiba quais medicamentos você toma.

Alprostadil é uma versão artificial da prostaglandina E1, uma substância produzida naturalmente no corpo que pode produzir ereções. Pode ser injetado quase sem dor na base do pênis 5 a 10 minutos antes da relação sexual ou colocado na ponta do pênis como um supositório. Você pode até aumentar a dosagem para prolongar a ereção. Você pode ter efeitos colaterais, como dor, tontura e ereção prolongada, mas geralmente não são graves.

Os implantes penianos podem restaurar sua capacidade de ter ereções se outros métodos não ajudarem. É necessária uma operação para colocá-los dentro do pênis. Existem vários tipos de implantes penianos, incluindo aqueles que usam hastes de silicone ou dispositivos infláveis.

Alterações no orgasmo: Após a cirurgia, a sensação de orgasmo ainda deve ser prazerosa, mas não há ejaculação de sêmen – o orgasmo é “seco”. Isso porque as glândulas que produziam a maior parte do fluido para o sêmen (as vesículas seminais e a próstata) foram removidas durante a prostatectomia, e as vias utilizadas pelos espermatozoides (os vasos deferentes) foram cortadas. Em alguns homens, o orgasmo torna-se menos intenso ou desaparece completamente. Com menos frequência, os homens relatam dor com o orgasmo.

Perda de fertilidade: a prostatectomia radical corta os vasos deferentes, que são os caminhos entre os testículos (onde os espermatozoides são produzidos) e a uretra (através da qual os espermatozoides saem do corpo). Seus testículos ainda produzirão esperma, mas não podem deixar o corpo como parte da ejaculação. Isso significa que um homem não pode mais gerar um filho da maneira natural. Muitas vezes, isso não é um problema, pois os homens com câncer de próstata tendem a ser mais idosos. Mas se é uma preocupação para você, pergunte ao seu médico sobre o “banco” do seu esperma antes da operação.

Linfedema: Esta é uma complicação rara, mas possível, da remoção de muitos dos gânglios linfáticos ao redor da próstata. Os gânglios linfáticos normalmente fornecem uma maneira de o fluido retornar ao coração de todas as áreas do corpo. Quando os nódulos são removidos, o fluido pode se acumular nas pernas ou na região genital ao longo do tempo, causando inchaço e dor. O linfedema geralmente pode ser tratado com fisioterapia, embora possa não desaparecer completamente.

Mudança no comprimento do pênis: Um possível efeito da cirurgia é uma pequena diminuição no comprimento do pênis. Isso provavelmente se deve a um encurtamento da uretra quando uma parte dela é removida junto com a próstata.

Hérnia inguinal: Uma prostatectomia aumenta as chances de um homem desenvolver uma hérnia inguinal (virilha) no futuro.

A radioterapia usa raios ou partículas de alta energia para matar as células cancerígenas. Dependendo do estágio do câncer de próstata e outros fatores, a radioterapia pode ser usada:

· Como o primeiro tratamento para o câncer que ainda está apenas na próstata e é de baixo grau. As taxas de cura para homens com esses tipos de câncer são aproximadamente as mesmas que para homens tratados com prostatectomia radical;

· Como parte do primeiro tratamento (junto com a terapia hormonal) para cânceres que cresceram fora da próstata e nos tecidos próximos;

· Se o câncer não for removido completamente ou voltar (recorrer) na área da próstata após a cirurgia;

· Se o câncer estiver avançado, para ajudar a manter o câncer sob controle pelo maior tempo possível, e para ajudar a prevenir ou aliviar os sintomas.

Tipos de radioterapia

Os principais tipos de radioterapia utilizados para o câncer de próstata são:

· Radiação de feixe externo;

· Braquiterapia (radiação interna). Outro tipo de radioterapia, na qual um medicamento contendo radiação é injetado no corpo;

· Radioterapia com Feixe Externo (EBRT). Na EBRT, os feixes de radiação são focados na próstata de uma máquina fora do corpo. Esse tipo de radiação pode ser usado para tentar curar cânceres em estágio inicial ou para ajudar a aliviar sintomas como dor óssea se o câncer se espalhar para uma área específica do osso. Você geralmente fará tratamento 5 dias por semana em um centro ambulatorial por pelo menos várias semanas, dependendo do motivo pelo qual a radiação está sendo administrada. Cada tratamento é como obter um raio-x. A radiação é mais forte do que a usada para um raio-x, mas o procedimento geralmente é indolor. Cada tratamento dura apenas alguns minutos, embora o tempo de preparação – colocando você no lugar para o tratamento – demore mais. As técnicas mais recentes de EBRT concentram a radiação com mais precisão no tumor. Isso permite que os médicos administrem doses mais altas de radiação ao tumor, reduzindo a exposição à radiação nos tecidos saudáveis ​​​​próximos;

· Terapia de radiação conformada tridimensional (3D-CRT) – O 3D-CRT usa computadores especiais para mapear com precisão a localização de sua próstata. Os feixes de radiação são então moldados e direcionados para a próstata de várias direções, o que torna menos provável que danifique os tecidos e órgãos normais circundantes;

· Radioterapia de intensidade modulada (IMRT) - IMRT, uma forma avançada de terapia 3D-CRT, é o tipo mais comum de radioterapia de feixe externo para câncer de próstata. Ele usa uma máquina acionada por computador que se move ao redor do paciente enquanto fornece radiação. Além de moldar os feixes e direcioná-los para a próstata de vários ângulos, a intensidade (força) dos feixes pode ser ajustada para limitar as doses de radiação que atingem os tecidos normais próximos. Isso permite que os médicos apliquem uma dose de radiação ainda maior ao câncer.

Algumas máquinas de radiação mais recentes têm scanners de imagem embutidos. Esse avanço, conhecido como terapia de radiação guiada por imagem (IGRT), permite que o médico tire fotos da próstata antes de aplicar a radiação para fazer pequenos ajustes na mira. Isso parece ajudar a fornecer a radiação de forma ainda mais precisa e resulta em menos efeitos colaterais.

Uma variação da IMRT é chamada de terapia de arco modulado volumétrico (VMAT). Ele usa uma máquina que fornece radiação rapidamente enquanto gira uma vez ao redor do corpo. Isso permite que cada tratamento seja administrado em apenas alguns minutos. Embora isso possa ser mais conveniente para o paciente, ainda não se mostrou mais eficaz do que a IMRT regular.

· Radioterapia estereotáxica corporal (SBRT) -Essa técnica usa técnicas avançadas guiadas por imagem para fornecer grandes doses de radiação a uma área precisa, como a próstata. Como há grandes doses de radiação em cada dose, todo o curso do tratamento é administrado em apenas alguns dias. SBRT é frequentemente conhecido pelos nomes das máquinas que fornecem a radiação, como Gamma Knife®, X-Knife®, CyberKnife® e Clinac®. A principal vantagem do SBRT sobre o IMRT é que o tratamento leva menos tempo (dias em vez de semanas). Os efeitos colaterais, porém, não são melhores. De fato, algumas pesquisas mostraram que alguns efeitos colaterais podem ser piores com o SBRT do que com o IMRT;

· Radioterapia com feixe de protons - A terapia com feixe de prótons concentra feixes de prótons em vez de raios-x no câncer. Ao contrário dos raios X, que liberam energia antes e depois de atingirem o alvo, os prótons causam poucos danos aos tecidos pelos quais passam e liberam sua energia somente depois de percorrer uma certa distância. Isso significa que a radiação do feixe de prótons pode, em teoria, fornecer mais radiação à próstata enquanto causa menos danos aos tecidos normais próximos. A radiação do feixe de prótons pode ser direcionada com técnicas semelhantes ao 3D-CRT e IMRT. Embora, em teoria, a terapia com feixe de prótons possa ser mais eficaz do que o uso de raios-x, até agora os estudos não mostraram se isso é verdade. No momento, a terapia com feixe de prótons não está amplamente disponível. As máquinas necessárias para fazer prótons são muito caras e não estão disponíveis em muitos centros nos Estados Unidos. A radiação do feixe de prótons pode não ser coberta por todas as companhias de seguros neste momento.

Possíveis efeitos colaterais:

Problemas intestinais: A radiação pode irritar o reto e causar uma condição chamada proctite por radiação. Isso pode levar a diarreia, às vezes com sangue nas fezes e vazamento retal. A maioria desses problemas desaparece com o tempo, mas em casos raros a função intestinal normal não retorna. Para ajudar a diminuir os problemas intestinais, você pode ser instruído a seguir uma dieta especial durante a radioterapia para ajudar a limitar o movimento intestinal durante o tratamento. Às vezes, um dispositivo tipo balão ou gel é colocado entre o reto e a próstata antes do tratamento para atuar como um espaçador e diminuir a quantidade de radiação que atinge o reto.

Problemas urinários: A radiação pode irritar a bexiga e levar a uma condição chamada cistite por radiação. Você pode precisar urinar com mais frequência, sentir uma sensação de queimação ao urinar e/ou encontrar sangue na urina. Os problemas urinários geralmente melhoram com o tempo, mas em alguns homens eles nunca desaparecem.

Alguns homens desenvolvem incontinência urinária após o tratamento, o que significa que não conseguem controlar a urina ou têm vazamento ou gotejamento. Conforme descrito na seção de cirurgia, existem diferentes níveis e tipos de incontinência. No geral, esse efeito colateral ocorre com menos frequência com a radioterapia do que após a cirurgia. O risco é baixo no início, mas aumenta a cada ano durante vários anos após o tratamento.

Raramente, o tubo que transporta a urina da bexiga para fora do corpo (a uretra) pode ficar muito estreito ou até mesmo fechado, o que é conhecido como estenose uretral. Isso pode exigir tratamento adicional para abri-lo novamente.

Problemas de ereção, incluindo impotência: Depois de alguns anos, a taxa de impotência após a radiação é aproximadamente a mesma após a cirurgia. Problemas com ereções geralmente não ocorrem logo após a radioterapia, mas se desenvolvem lentamente ao longo do tempo. Isso é diferente da cirurgia, onde a impotência ocorre imediatamente e pode melhorar com o tempo.

Assim como na cirurgia, quanto mais idoso você for, maior a probabilidade de ter problemas de ereção. Problemas de ereção muitas vezes podem ser ajudados por tratamentos como os listados na seção de cirurgia, incluindo medicamentos.

Sensação de cansaço: a radioterapia pode causar fadiga que pode não desaparecer até algumas semanas ou meses após a interrupção do tratamento.

Linfedema: os linfonodos normalmente fornecem uma maneira de o fluido retornar ao coração de todas as áreas do corpo. Se os gânglios linfáticos ao redor da próstata forem danificados pela radiação, o fluido pode se acumular nas pernas ou na região genital ao longo do tempo, causando inchaço e dor. O linfedema geralmente pode ser tratado com fisioterapia, embora possa não desaparecer completamente.

A crioterapia (também chamada de criocirurgia ou crioablação) é o uso de temperaturas muito frias para congelar e matar as células cancerígenas da próstata, bem como a maior parte da próstata. Mesmo que às vezes seja chamado de criocirurgia, na verdade não é um tipo de cirurgia.

Quando a crioterapia é usada?
A crioterapia, às vezes, é usada se o câncer voltou após a radioterapia. Pode ser uma opção para tratar homens com câncer de próstata em estágio inicial de baixo risco que não podem fazer cirurgia ou radioterapia. No entanto, a maioria dos médicos não usa a crioterapia como o primeiro tratamento para o câncer de próstata.

Como é feita a crioterapia?
Este tipo de procedimento requer anestesia peridural (a metade inferior do corpo está anestesiada) ou anestesia geral (você está dormindo).

O médico usa o ultrassom transretal (TRUS) para guiar várias sondas ocas (agulhas) através da pele entre o ânus e o escroto até a próstata. Gases muito frios são então passados ​​pelas agulhas para congelar e destruir a próstata. Para ter certeza de que a próstata é destruída sem muito dano aos tecidos próximos, o médico observa cuidadosamente o ultrassom durante o procedimento. Água salgada morna é passada através de um cateter na uretra durante o procedimento para evitar que ela congele. O cateter é deixado no lugar por várias semanas depois para permitir que a bexiga esvazie enquanto você se recupera.

Após o procedimento, você pode precisar ficar no hospital durante a noite, mas muitos homens vão para casa no mesmo dia.

A crioterapia é menos invasiva que a cirurgia, por isso geralmente há menos perda de sangue, menor tempo de internação, menor período de recuperação e menos dor. Mas em comparação com a cirurgia ou radioterapia, os médicos sabem muito menos sobre a eficácia a longo prazo da crioterapia. E como na braquiterapia, isso pode não ser uma boa opção para homens com próstatas grandes.

Possíveis efeitos colaterais da crioterapia:
Os efeitos colaterais da crioterapia tendem a ser piores se for feita em homens que já fizeram radioterapia, em comparação com homens que a fazem como primeira forma de tratamento.

A maioria dos homens tem sangue na urina por um ou dois dias após o procedimento, bem como dor na área onde as agulhas foram colocadas. Inchaço do pênis ou escroto também é comum. O congelamento também pode afetar a bexiga e o reto, o que pode causar dor, sensação de queimação e a necessidade de esvaziar a bexiga e os intestinos com frequência. A maioria dos homens recupera a função normal do intestino e da bexiga ao longo do tempo. O congelamento geralmente danifica os nervos próximos à próstata que controlam as ereções. A disfunção erétil é mais comum após a crioterapia do que após a prostatectomia radical. Para obter informações sobre como lidar com problemas de ereção e outros problemas de sexualidade, consulte Sexualidade para o homem com câncer. A incontinência urinária (com problemas para controlar a urina) é rara em homens que fazem crioterapia como seu primeiro tratamento para câncer de próstata, mas é mais comum em homens que já fizeram radioterapia.

A terapia hormonal também é chamada de terapia de supressão androgênica. O objetivo é reduzir os níveis de hormônios masculinos, chamados andrógenos, no corpo, ou impedi-los de alimentar as células cancerígenas da próstata.

Os andrógenos estimulam o crescimento das células cancerígenas da próstata. Os principais andrógenos no corpo são a testosterona e a didrotestosterona (DHT). A maioria dos andrógenos é produzida pelos testículos, mas as glândulas supra-renais (glândulas que ficam acima dos rins), bem como o próprio câncer de próstata, também podem produzir uma quantidade razoável.

Reduzir os níveis de andrógenos ou impedi-los de entrar nas células do câncer de próstata geralmente faz com que os cânceres de próstata encolham ou cresçam mais lentamente por um tempo. Mas a terapia hormonal sozinha não cura o câncer de próstata.

Quando a terapia hormonal é usada?

A terapia hormonal pode ser usada:

· Se o câncer se espalhou demais para ser curado por cirurgia ou radiação, ou se você não puder fazer esses tratamentos por algum outro motivo;

· Se o câncer permanecer ou voltar após o tratamento com cirurgia ou radioterapia

· Juntamente com a radioterapia como tratamento inicial, se você estiver em maior risco de o câncer voltar após o tratamento (com base em uma alta pontuação de Gleason, alto nível de PSA e/ou crescimento do câncer fora da próstata);

· Antes da radiação para tentar diminuir o câncer para tornar o tratamento mais eficaz.

Tipos de terapia hormonal
Vários tipos de terapia hormonal podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata. Tratamento para baixar os níveis de andrógenos testiculares. A terapia de privação de andrógenos, também chamada de ADT, usa cirurgia ou medicamentos para diminuir os níveis de andrógenos produzidos nos testículos.

Orquiectomia
Mesmo sendo um tipo de cirurgia, seu principal efeito é como forma de terapia hormonal. Nesta operação, o cirurgião remove os testículos, onde é feita a maioria dos andrógenos (como testosterona e DHT). Isso faz com que a maioria dos cânceres de próstata pare de crescer ou encolha por um tempo.

Isso é feito como um procedimento ambulatorial. É provavelmente a forma mais barata e simples de terapia hormonal. Mas, ao contrário de alguns outros tratamentos, é permanente e muitos homens têm dificuldade em aceitar a remoção de seus testículos. Por causa disso, eles podem escolher o tratamento com medicamentos que reduzem os níveis hormonais (como um agonista ou antagonista de LHRH).

Alguns homens que fazem esta cirurgia estão preocupados com a aparência depois. Se desejado, testículos artificiais que se parecem muito com os normais podem ser inseridos no escroto.

Agonistas de LHRH
Os agonistas do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH) (também chamados de análogos do LHRH ou agonistas do GnRH) são drogas que diminuem a quantidade de testosterona produzida pelos testículos. O tratamento com esses medicamentos às vezes é chamado de castração médica porque reduz os níveis de andrógenos tão bem quanto a orquiectomia.

Com esses medicamentos, os testículos permanecem no lugar, mas encolhem com o tempo e podem até ficar pequenos demais para serem sentidos.

Os agonistas de LHRH são injetados ou colocados como pequenos implantes sob a pele. Dependendo do medicamento usado, eles são administrados de uma vez por mês até uma vez a cada 6 meses. Os agonistas de LHRH disponíveis nos Estados Unidos incluem:
· Leuprolida (Lupron, Eligard);
· Goserelina (Zoladex);
· Triptorelina (Trelstar);
· Mesilato de leuprorrelina (Camcevi).

Quando os agonistas de LHRH são administrados pela primeira vez, os níveis de testosterona aumentam brevemente antes de cair para níveis muito baixos. Esse efeito, chamado tumor flare, resulta da maneira complexa como essas drogas funcionam. Homens cujo câncer se espalhou para os ossos podem ter dor óssea. Homens cuja próstata não foi removida podem ter problemas para urinar. Se o câncer se espalhou para a coluna, mesmo um aumento de curto prazo no crescimento do tumor como resultado do surto pode pressionar a medula espinhal e causar dor ou paralisia. Um surto pode ser evitado administrando medicamentos chamados antiandrogênios (discutidos abaixo) por algumas semanas ao iniciar o tratamento com agonistas de LHRH.

Antagonistas de LHRH
Antagonistas de LHRH podem ser usados ​​para tratar câncer de próstata avançado. Esses medicamentos funcionam de maneira ligeiramente diferente dos agonistas de LHRH, mas reduzem os níveis de testosterona mais rapidamente e não causam aumento do tumor como os agonistas de LHRH. O tratamento com esses medicamentos também pode ser considerado uma forma de castração médica.

Degarelix (Firmagon) é administrado como uma injeção mensal sob a pele. Alguns homens podem notar problemas no local da injeção (dor, vermelhidão e inchaço).

Relugolix (Orgovyx) é tomado como comprimidos, uma vez por dia, por isso pode permitir visitas ao consultório menos frequentes.

Possíveis efeitos colaterais
Orquiectomia e agonistas e antagonistas de LHRH podem causar efeitos colaterais semelhantes de níveis mais baixos de hormônios como a testosterona. Esses efeitos colaterais podem incluir:
· Desejo sexual reduzido ou ausente;
· Disfunção erétil (impotência);
· Encolhimento de testículos e pênis;
· Ondas de calor, que podem melhorar ou desaparecer com o tempo;
· Sensibilidade mamária e crescimento do tecido mamário (ginecomastia);
· Osteoporose (afinamento ósseo), que pode levar a ossos quebrados;
· Anemia (contagens baixas de glóbulos vermelhos);
· Diminuição da nitidez mental;
· Perda de massa muscular;
· Ganho de peso;
· Fadiga;
· Aumento dos níveis de cholesterol;
· Depressão.

Algumas pesquisas sugeriram que o risco de pressão alta, diabetes, derrames, ataques cardíacos e até morte por doença cardíaca é maior em homens tratados com terapia hormonal, embora nem todos os estudos tenham encontrado isso.

Muitos efeitos colaterais da terapia hormonal podem ser prevenidos ou tratados. Por exemplo:
· As ondas de calor geralmente podem ser aliviadas pelo tratamento com certos antidepressivos ou outros medicamentos.
· Tratamento breve de radiação nos seios pode ajudar a prevenir o aumento, mas isso não é eficaz depois que o aumento dos seios ocorre.
· Vários medicamentos podem ajudar a prevenir e tratar a osteoporose.
· A depressão pode ser tratada com antidepressivos e/ou aconselhamento.
· Exercício pode ajudar a reduzir muitos efeitos colaterais, incluindo fadiga, ganho de peso e perda de massa óssea e muscular.
· Há uma preocupação crescente de que a terapia hormonal para câncer de próstata possa levar a problemas de pensamento, concentração e/ou memória, mas isso não foi estudado completamente. Ainda assim, a terapia hormonal parece levar a problemas de memória em alguns homens. Esses problemas raramente são graves e, na maioria das vezes, afetam apenas alguns tipos de memória. Mais estudos estão sendo feitos para analisar essa questão.

Tratamento para baixar os níveis de andrógenos das glândulas supra-renais
Agonistas e antagonistas de LHRH podem impedir que os testículos produzam andrógenos, mas células em outras partes do corpo, como as glândulas supra-renais e as próprias células do câncer de próstata, ainda podem produzir hormônios masculinos, que podem alimentar o crescimento do câncer. Alguns medicamentos podem bloquear a formação de andrógenos produzidos por essas células.

A abiraterona (Zytiga) bloqueia uma enzima (proteína) chamada CYP17, que ajuda a impedir que essas células produzam andrógenos.A abiraterona pode ser usada em homens com câncer de próstata avançado que é:
· Alto risco (câncer com alto índice de Gleason, espalhado para vários pontos nos ossos ou espalhado para outros órgãos)
· Resistente à castração (câncer que ainda está crescendo apesar dos baixos níveis de testosterona de um agonista de LHRH, antagonista de LHRH ou orquiectomia)

Este medicamento é tomado como comprimidos todos os dias. Isso não impede que os testículos produzam testosterona, então os homens que não fizeram uma orquiectomia precisam continuar o tratamento com um agonista ou antagonista de LHRH. Como a abiraterona também reduz o nível de alguns outros hormônios no corpo, a prednisona (um medicamento corticosteróide) também precisa ser tomada durante o tratamento para evitar certos efeitos colaterais.

O cetoconazol (Nizoral), usado pela primeira vez no tratamento de infecções fúngicas, também bloqueia a produção de andrógenos produzidos nas glândulas supra-renais, assim como a abiraterona. É mais frequentemente usado para tratar homens recém-diagnosticados com câncer de próstata avançado que têm muito câncer no corpo, pois oferece uma maneira rápida de diminuir os níveis de testosterona. Também pode ser tentado se outras formas de terapia hormonal não estiverem mais funcionando. O cetoconazol também pode bloquear a produção de cortisol, um importante hormônio esteroide no corpo, de modo que os homens tratados com esse medicamento geralmente precisam tomar um corticosteroide (como prednisona ou hidrocortisona).

Possíveis efeitos colaterais: A abiraterona pode causar dores nas articulações ou nos músculos, pressão alta, acúmulo de líquido no corpo, ondas de calor, dor de estômago e diarreia. O cetoconazol pode causar exames de sangue do fígado elevados, náuseas, vômitos, ginecomastia (aumento do tecido mamário em homens) e erupção cutânea.

Drogas que impedem os andrógenos de funcionar

Anti-andrógenos
Para que a maioria das células do câncer de próstata cresça, os andrógenos precisam se ligar a uma proteína na célula do câncer de próstata chamada receptor de andrógeno. Os anti-andrógenos são drogas que também se conectam a esses receptores, impedindo que os andrógenos causem o crescimento do tumor. Os anti-andrógenos também são às vezes chamados de antagonistas do receptor de andrógeno. Eles são tomados diariamente na forma de pílulas.

Drogas deste tipo incluem:
· Flutamida (Eulexina);
· Bicalutamida (Casodex);
· Nilutamida (Nilandron).

Anti-andrógenos mais recentes
· Enzalutamida (Xtandi®);
· Apalutamida (Erleada®;
· Darolutamida (Nubeqa®).

Todos esses medicamentos podem ser úteis em homens com câncer que não se espalhou, mas não está mais respondendo a outras formas de terapia hormonal (conhecida como câncer de próstata não metastático resistente à castração - CRPC).

A enzalutamida também pode ser usada para câncer de próstata metastático (câncer que se espalhou), seja resistente à castração ou sensível à castração (ainda respondendo a outras formas de terapia hormonal).

Apalutamida também pode ser usada para câncer de próstata metastático sensível à castração.

Esses medicamentos são tomados como pílulas todos os dias.

Os efeitos colaterais podem incluir diarreia, fadiga, erupção cutânea e piora das ondas de calor. Esses medicamentos também podem causar alguns efeitos colaterais no sistema nervoso, incluindo tontura e, raramente, convulsões. Homens que tomam um desses medicamentos são mais propensos a cair, o que pode levar a lesões. Alguns homens também tiveram problemas cardíacos ao tomar esses novos tipos de anti-andrógenos.

Outros medicamentos supressores de andrógenos
Os estrogênios (hormônios femininos) já foram a principal alternativa para a remoção dos testículos (orquiectomia) para homens com câncer de próstata avançado. Devido aos seus possíveis efeitos colaterais (incluindo coágulos sanguíneos e aumento dos seios), os estrogênios foram substituídos por outros tipos de terapia hormonal. Ainda assim, os estrogênios podem ser tentados se outros tratamentos hormonais não estiverem mais funcionando.

A quimioterapia (quimioterapia) usa drogas anticâncer injetadas em uma veia ou administradas por via oral. Esses medicamentos viajam pela corrente sanguínea para atingir as células cancerígenas na maioria das partes do corpo.

Quando a quimioterapia é usada?
A quimioterapia às vezes é usada se o câncer de próstata se espalhou para fora da próstata e a terapia hormonal não está funcionando. Pesquisas recentes também mostraram que a quimioterapia pode ser útil se administrada junto com a terapia hormonal. A quimioterapia não é, no entanto, um tratamento padrão para o câncer de próstata em estágio inicial.

Medicamentos quimioterápicos usados ​​no tratamento do câncer de próstata

Para o câncer de próstata, os medicamentos quimioterápicos são normalmente usados ​​um de cada vez. Alguns dos medicamentos quimioterápicos incluem:
· Docetaxel (Taxotere®);
· Cabazitaxel (Jevtana®);
· Mitoxantrona (Novantrona®);
· Estramustina (Emcyt®).

Na maioria dos casos, o primeiro medicamento quimioterápico administrado é o docetaxel, combinado com o medicamento esteroide prednisona. Se isso não funcionar (ou parar de funcionar), o cabazitaxel geralmente é o próximo medicamento quimioterápico tentado (embora também possa haver outras opções de tratamento).

Demonstrou-se que o docetaxel e o cabazitaxel ajudam os homens a viver mais, em média, do que os medicamentos quimioterápicos mais antigos. Eles podem retardar o crescimento do câncer e também reduzir os sintomas, resultando em uma melhor qualidade de vida. Ainda assim, é muito improvável que a quimioterapia cure o câncer de próstata.

Outros medicamentos quimioterápicos em estudo para uso no câncer de próstata incluem carboplatina, oxaliplatina e cisplatina.

Como a quimioterapia é administrada?
Os medicamentos quimioterápicos para o câncer de próstata geralmente são administrados em uma veia (IV), seja como uma infusão durante um determinado período de tempo. Isso pode ser feito em um consultório médico, clínica de quimioterapia ou em um ambiente hospitalar. Alguns medicamentos, como a estramustina, são administrados em comprimidos.

Os médicos administram a quimioterapia em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso para que você tenha tempo de se recuperar dos efeitos das drogas. Os ciclos são mais frequentemente de 2 ou 3 semanas. A programação varia de acordo com os medicamentos utilizados. Por exemplo, com alguns medicamentos, a quimioterapia é administrada apenas no primeiro dia do ciclo. Com outros, é administrado por alguns dias seguidos ou uma vez por semana. Então, no final do ciclo, o cronograma de quimioterapia se repete para iniciar o próximo ciclo.

A duração do tratamento para o câncer de próstata avançado é baseada em quão bem ele está funcionando e quais efeitos colaterais você tem.

Possíveis efeitos colaterais da quimioterapia
Os quimioterápicos atacam as células que estão se dividindo rapidamente, e é por isso que funcionam contra as células cancerígenas. Mas outras células do corpo, como as da medula óssea (onde novas células sanguíneas são produzidas), o revestimento da boca e dos intestinos e os folículos pilosos, também se dividem rapidamente. Essas células também podem ser afetadas pela quimioterapia, o que pode levar a efeitos colaterais.

Os efeitos colaterais da quimioterapia dependem do tipo e da dose dos medicamentos administrados e por quanto tempo eles são tomados. Alguns efeitos colaterais comuns podem incluir:
· Perda de cabelo;
· Aftas;
· Perda de apetite;
· Nausea e vomito;
· Diarreia;
· Aumento da chance de infecções (por ter muito poucos glóbulos brancos);
· Fácil hematomas ou sangramento (por ter poucas plaquetas no sangue);
· Fadiga (por ter poucos glóbulos vermelhos).

Esses efeitos colaterais geralmente desaparecem após o término do tratamento. Muitas vezes, existem maneiras de diminuir esses efeitos colaterais. Por exemplo, medicamentos podem ser administrados para ajudar a prevenir ou reduzir náuseas e vômitos.

Juntamente com os riscos acima, alguns efeitos colaterais são vistos com mais frequência com certos medicamentos quimioterápicos. Por exemplo: O docetaxel e o cabazitaxel às vezes causam reações alérgicas graves. Medicamentos são administrados antes de cada tratamento para ajudar a prevenir isso. Esses medicamentos também podem danificar os nervos (conhecido como neuropatia periférica), o que pode causar dormência, formigamento ou sensação de queimação nas mãos ou nos pés. A mitoxantrona pode, muito raramente, causar leucemia vários anos depois. A estramustina acarreta um risco aumentado de coágulos sanguíneos.

Se você notar quaisquer efeitos colaterais durante a quimioterapia, informe-os à sua equipe de tratamento do câncer para que possam ser tratados imediatamente. Em alguns casos, as doses dos medicamentos quimioterápicos podem precisar ser reduzidas ou o tratamento pode precisar ser adiado ou interrompido para evitar que os efeitos piorem.

A imunoterapia é o uso de medicamentos para estimular o próprio sistema imunológico de uma pessoa a reconhecer e destruir as células cancerígenas de forma mais eficaz. Certos tipos de imunoterapia podem ser usados para tratar o câncer de próstata.

Inibidores de checkpoint imunológico
Uma parte importante do sistema imunológico é sua capacidade de evitar atacar as células normais do corpo. Para fazer isso, ele usa proteínas “checkpoint” nas células imunes, que agem como interruptores que precisam ser ligados (ou desligados) para iniciar uma resposta imune. As células cancerígenas às vezes usam esses pontos de verificação para impedir que o sistema imunológico as ataque. Mas os medicamentos que visam esses pontos de verificação são muito promissores como tratamentos contra o câncer.

Medicamentos chamados inibidores de checkpoint podem ser usados ​​para pessoas cujas células de câncer de próstata testaram positivo para alterações genéticas específicas, como um alto nível de instabilidade de microssatélites (MSI-H) ou alterações em um dos genes de reparo de incompatibilidade (MMR). Alterações nos genes MSI ou MMR (ou ambos) são frequentemente observadas em pessoas com síndrome de Lynch.

Os medicamentos são usados ​​para pessoas cujo câncer começa a crescer novamente após a quimioterapia. Eles também podem ser usados ​​para tratar pessoas cujo câncer não pode ser removido com cirurgia, voltou (recorreu) após o tratamento ou se espalhou para outras partes do corpo (metástase).

Inibidor de PD-1
Pembrolizumab (Keytruda) é um medicamento que tem como alvo o PD-1, uma proteína de checkpoint nas células do sistema imunológico chamadas células T, que normalmente ajuda a impedir que essas células ataquem as células normais do corpo. Ao bloquear o PD-1, este medicamento aumenta a resposta imune contra as células cancerígenas da próstata. Tem mostrado resultados promissores em alguns homens com câncer de próstata e continua a ser estudado. Este medicamento é administrado por infusão intravenosa (IV) a cada 2 ou 3 semanas.

Os efeitos colaterais podem incluir fadiga, tosse, náusea, coceira, erupção cutânea, diminuição do apetite, constipação, dor nas articulações e diarreia.

Outros efeitos colaterais mais graves ocorrem com menos frequência. Esta droga funciona basicamente removendo os freios do sistema imunológico do corpo. Às vezes, o sistema imunológico começa a atacar outras partes do corpo, o que pode causar problemas graves ou até mesmo fatais nos pulmões, intestinos, fígado, glândulas produtoras de hormônios, rins ou outros órgãos.

É muito importante relatar imediatamente quaisquer novos efeitos colaterais à sua equipe de saúde. Se ocorrerem efeitos colaterais graves, o tratamento pode precisar ser interrompido e você pode receber altas doses de corticosteróides para suprimir seu sistema imunológico.

A terapia alvo é um tipo de tratamento contra o câncer que usa drogas para identificar e atacar as células cancerígenas, causando pouco dano às células normais. Essas terapias atacam o funcionamento interno das células cancerígenas – a programação que as torna diferentes das células normais e saudáveis. Cada tipo de terapia alvo funciona de maneira diferente, mas todas mudam a maneira como uma célula cancerosa cresce, se divide, se repara ou interage com outras células.

Inibidores de PARP
Rucaparib (Rubraca®) e olaparib (Lynparza®) são medicamentos conhecidos como inibidores de PARP (poli(ADP)-ribose polimerase). As enzimas PARP estão normalmente envolvidas em uma via para ajudar a reparar o DNA danificado dentro das células. Os genes BRCA (BRCA1 e BRCA2) também estão normalmente envolvidos em uma via diferente de reparo do DNA, e mutações nesses genes podem bloquear essa via. Ao bloquear a via PARP, essas drogas tornam muito difícil para as células tumorais com um gene BRCA anormal reparar o DNA danificado, o que muitas vezes leva à morte dessas células. Se você não sabe se tem uma mutação BRCA, seu médico pode testar seu sangue ou saliva e seu tumor para ter certeza de que você tem a mutação de iniciar o tratamento com este medicamento.

Esses medicamentos são tomados duas vezes ao dia por via oral, como pílulas.

Rucaparib (Rubraca®) pode ser usado para tratar câncer de próstata avançado resistente à castração que cresceu após a tentativa de quimioterapia com taxano (como docetaxel ou cabazitaxel) ou antiandrógenos. Pode ser usado em homens com mutação em um dos genes BRCA. Este medicamento é administrado com um agonista de LHRH ou para homens que fizeram orquiectomia.

Olaparibe (Lynparza®) pode ser usado para tratar câncer de próstata avançado resistente à castração que cresceu após a tentativa de drogas de terapia hormonal, enzalutamida ou abiraterona. Pode ser usado em homens com mutação em um dos genes BRCA. Este medicamento é administrado com um agonista de LHRH ou para homens que fizeram orquiectomia.

Efeitos colaterais dos inibidores de PARP
Os efeitos colaterais desses medicamentos podem incluir náusea, vômito, diarreia, fadiga, perda de apetite, baixa contagem de glóbulos vermelhos (anemia), constipação, erupção cutânea, exames de sangue anormais no fígado, baixa contagem de plaquetas no sangue, tosse e falta de ar. Raramente, algumas pessoas tratadas com esses medicamentos desenvolveram câncer no sangue, como síndrome mielodisplásica ou leucemia mieloide aguda. Alguns homens que tomaram olaparibe tiveram problemas com coágulos sanguíneos nos pulmões ou nas pernas.

Se o câncer de próstata se espalhou para outras partes do corpo, quase sempre vai para os ossos primeiro. A metástase óssea pode ser dolorosa e causar outros problemas, como fraturas, compressão da medula espinhal (uma área de câncer está pressionando a medula espinhal) ou níveis elevados de cálcio no sangue, que podem ser perigosos ou até fatais.

Se o câncer cresceu fora da próstata, prevenir ou retardar a propagação do câncer para os ossos é um dos principais objetivos do tratamento. Se o câncer já atingiu os ossos, controlar ou aliviar a dor e outras complicações também é uma parte muito importante do tratamento.

Tratamentos como terapia hormonal, quimioterapia e vacinas podem ajudar com isso, mas outros tratamentos visam especificamente à metástase óssea e os problemas que podem causar.

Bisfosfonatos
Os bisfosfonatos são drogas que funcionam retardando as células ósseas chamadas osteoclastos. Essas células normalmente quebram a estrutura mineral dura dos ossos para ajudar a mantê-los saudáveis. Os osteoclastos geralmente se tornam hiperativos quando o câncer de próstata se espalha para os ossos, o que pode causar problemas. Os bisfosfonatos podem ser usados:
· Para ajudar a aliviar a dor e os altos níveis de cálcio causados ​​pelo câncer que se espalhou para os ossos;
· Para ajudar a retardar o crescimento do câncer que se espalhou para os ossos e ajudar a retardar ou prevenir fraturas;
· Para ajudar a fortalecer os ossos em homens que estão recebendo terapia hormonal.

O ácido zoledrônico (Zometa) é um bisfosfonato comumente usado para câncer de próstata. Este medicamento é administrado como uma injeção intravenosa (IV), geralmente uma vez a cada 3 ou 4 semanas, ou uma vez a cada 12 semanas. Os homens que recebem este medicamento são aconselhados a tomar um suplemento contendo cálcio e vitamina D para evitar problemas com baixos níveis de cálcio.

Às vezes, outros bisfosfonatos são usados ​​para tratar o câncer de próstata que se espalhou para os ossos.

Os bisfosfonatos podem ter efeitos colaterais, incluindo sintomas semelhantes aos da gripe e dores ósseas ou articulares. Eles também podem causar problemas renais, portanto, pacientes com função renal deficiente podem não ser tratados com esses medicamentos.

Um efeito colateral raro, mas muito grave, dessas drogas é a osteonecrose da mandíbula (ONJ). Com essa condição, parte do osso da mandíbula perde seu suprimento sanguíneo e morre. Isso pode levar à perda de dentes e infecções do osso da mandíbula que são difíceis de tratar. Algumas pessoas desenvolvem ONM quando o trabalho odontológico é feito durante o tratamento. Muitas vezes os homens são aconselhados a fazer um check-up odontológico e tratar qualquer problema dentário ou maxilar antes de começar a tomar um bisfosfonato. Manter uma boa higiene bucal usando fio dental e escovando, certificando-se de que as dentaduras se encaixam corretamente e fazer exames odontológicos regulares também podem ajudar a prevenir ONM.

Denosumabe
Denosumab (Xgeva®) é outro medicamento que pode ajudar quando o câncer de próstata se espalha para os ossos. Assim como os bisfosfonatos, o denosumabe também bloqueia os osteoclastos, mas o faz de maneira diferente. Este medicamento pode ser usado:
· Para ajudar a prevenir ou retardar problemas como fraturas em homens cujo câncer já se espalhou para os ossos. Pode ser útil mesmo se o ácido zoledrônico não estiver mais funcionando;
· Para ajudar a fortalecer os ossos em homens que estão recebendo terapia hormonal.

Este medicamento é injetado sob a pele a cada 4 semanas. Os homens que recebem este medicamento são frequentemente aconselhados a tomar um suplemento contendo cálcio e vitamina D para evitar problemas com baixos níveis de cálcio.

Os efeitos colaterais comuns incluem náusea, diarreia e sensação de fraqueza ou cansaço. Como os bisfosfonatos, o denosumabe também pode causar ONM, então os médicos recomendam tomar as mesmas precauções (como ter problemas de dentes e mandíbula tratados antes de iniciar o medicamento).

Corticosteróides
Alguns estudos sugerem que medicamentos corticosteróides (como prednisona e dexametasona) podem ajudar a aliviar a dor óssea em alguns homens. Eles também podem ajudar a diminuir os níveis de PSA. Esses medicamentos muitas vezes já fazem parte do tratamento do câncer de próstata que se espalhou.

Radioterapia externa
A radioterapia pode ajudar a reduzir a dor óssea, especialmente se a dor estiver limitada a uma ou apenas algumas áreas do osso. A radiação pode ser direcionada a tumores na coluna, o que pode ajudar a aliviar a pressão na medula espinhal em alguns casos e prevenir a paralisia. A radioterapia também pode ajudar a aliviar outros sintomas, diminuindo os tumores em outras partes do corpo.

Radiofármacos
Os radiofármacos são medicamentos que contêm elementos radioativos. Eles são injetados em uma veia e se instalam em áreas de ossos danificados (como aqueles que contêm disseminação do câncer). Uma vez lá, eles emitem radiação que mata as células cancerígenas. Esses medicamentos podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata que se espalhou para muitos ossos. Ao contrário da radiação de feixe externo, essas drogas podem atingir todos os ossos afetados ao mesmo tempo. Os radiofármacos que podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata disseminado para o osso incluem:
· Estrôncio-89 (Metastron);
· Samário-153 (Quadramete);
· Rádio-223 (Xofigo).

Todos esses medicamentos podem ajudar a aliviar a dor causada por metástases ósseas. O rádio-223 também demonstrou ajudar os homens que têm câncer de próstata com metástase óssea (em vez de se espalhar para outros órgãos, como os pulmões) a viver mais. Para esses homens, o rádio-223 pode ser uma parte inicial do tratamento.

O principal efeito colateral desses medicamentos é uma diminuição na contagem de células sanguíneas, o que pode aumentar os riscos de infecções ou sangramento, especialmente se suas contagens já estiverem baixas. Outros efeitos colaterais também foram observados, então pergunte ao seu médico o que você pode esperar.

Cirurgia
A cifoplastia é uma pequena cirurgia para estabilizar um osso colapsado doloroso em uma coluna enfraquecida pelo câncer de próstata. Durante este procedimento, uma pequena incisão é feita no meio das costas e um balão é colocado no osso espinhal fraco. O balão é preenchido primeiro com ar e depois com uma mistura semelhante a cimento (que endurece) para estabilizar o osso e a coluna.

Medicamentos para a dor
Quando prescritos corretamente, os medicamentos para a dor são muito eficazes. Eles funcionam melhor quando são tomados regularmente. Eles não funcionam tão bem se forem usados ​​apenas quando a dor se tornar intensa.

Para a maioria dos homens diagnosticados com câncer de próstata, o câncer é encontrado enquanto ainda está em estágio inicial – é pequeno e não se espalhou além da próstata. Esses homens geralmente têm várias opções de tratamento a serem consideradas.

Nem todo homem com câncer de próstata precisa ser tratado imediatamente. Se você tem câncer de próstata em estágio inicial, há muitos fatores, como sua idade e saúde geral, e a probabilidade de o câncer causar problemas para você considerar antes de decidir o que fazer. Você também deve pensar nos possíveis efeitos colaterais do tratamento e na probabilidade de incomodá-lo.

Se você é idoso ou tem outros problemas de saúde graves e seu câncer está crescendo lentamente (baixo grau), você pode achar útil pensar no câncer de próstata como uma doença crônica que provavelmente não levará à sua morte, mas pode causar sintomas que você quer evitar. Você pode pensar mais em espera vigilante ou vigilância ativa e menos em tratamentos que provavelmente causarão efeitos colaterais importantes, como radiação e cirurgia. Claro, a idade em si não é necessariamente a melhor razão para sua escolha. Muitos homens estão em boa forma mental e física aos 70 anos, enquanto alguns homens mais jovens podem não ser tão saudáveis.

Se você é mais jovem e saudável, pode estar mais disposto a aceitar possíveis efeitos colaterais do tratamento se eles oferecerem a melhor chance de cura. A maioria dos médicos acredita que cirurgia, radiação externa e braquiterapia têm aproximadamente as mesmas taxas de cura para os cânceres de próstata em estágio inicial. No entanto, cada tipo de tratamento apresenta riscos e benefícios que devem ser considerados.

A escolha entre as opções de tratamento é ainda mais complicada pelo desenvolvimento de novos tipos de cirurgia (como a prostatectomia assistida por robótica) e radioterapia (como a radiação por feixe de prótons) nos últimos anos. Muitos deles parecem muito promissores, mas há muito poucos dados de longo prazo sobre eles, o que significa que é difícil comparar sua eficácia e possíveis efeitos colaterais. Esses novos tratamentos também só podem ser feitos em centros com equipamentos especializados e médicos treinados.

Algumas coisas a considerar ao escolher entre os tratamentos:

Antes de decidir sobre o tratamento, aqui estão algumas perguntas que você pode querer fazer a si mesmo:
- Você é o tipo de pessoa que precisa fazer algo sobre seu câncer, mesmo que isso possa resultar em sérios efeitos colaterais?
- Você se sentiria confortável com espera vigilante ou vigilância ativa, mesmo que isso signifique que você pode ter mais ansiedade e precisar de consultas de acompanhamento mais frequentes no futuro?
- Você precisa saber imediatamente se seu médico conseguiu remover todo o câncer (como resultado da cirurgia)? Ou você se sente confortável em não saber os resultados do tratamento por um tempo (como é o caso da radioterapia) se isso significar não ter que fazer uma cirurgia?
- Você prefere usar a tecnologia mais recente (como cirurgia robótica ou radioterapia com feixe de prótons), que pode ter algumas vantagens? Ou você prefere ir com melhores tratamentos comprovados com os quais os médicos podem ter mais experiência?
- Quais potenciais efeitos colaterais do tratamento (incontinência, impotência, problemas intestinais) podem ser mais angustiantes para você?
- Quão importantes para você são questões como a quantidade de tempo gasto em tratamento ou recuperação?
- Se o seu tratamento inicial não for bem sucedido, quais seriam suas opções nesse ponto?

Muitos homens acham muito estressante ter que escolher entre as opções de tratamento e têm muito medo de escolher a “errada”. Em muitos casos, não existe uma única opção melhor, por isso é importante tomar o seu tempo e decidir qual é a opção certa para você.

O estágio do seu câncer é um dos fatores mais importantes na escolha da melhor forma de tratá-lo. O estágio do câncer de próstata é definido com base na extensão (quanto o câncer se espalhou) do câncer (usando as categorias T, N e M) e o nível de PSA e o escore de Gleason (Grupo de Grau) quando é diagnosticado pela primeira vez.

Você pode perguntar ao seu médico quais fatores ele está considerando ao discutir suas opções de tratamento. Alguns médicos podem recomendar opções diferentes das listadas aqui. Participar de um estudo clínico de novos tratamentos também é uma opção para muitos homens com câncer de próstata.

Grupo de risco muito baixo
Para os homens deste grupo sem outros problemas de saúde graves que possam limitar sua vida útil, a vigilância ativa é frequentemente recomendada porque é improvável que esses tumores prejudiquem o paciente, enquanto a radiação e a cirurgia podem ter efeitos colaterais que podem alterar a qualidade de vida de um homem.

Para os homens que desejam iniciar o tratamento, a radioterapia (feixe externo ou braquiterapia) ou a prostatectomia radical podem ser opções.

Grupo de baixo risco
A maioria dos homens cujos cânceres de próstata estão no grupo de baixo risco e que não têm problemas graves de saúde receberão vigilância ativa, pois muito poucos desses cânceres se espalharão para locais distantes. Outras opções, dependendo de suas preferências, incluem radioterapia (feixe externo ou braquiterapia) ou prostatectomia radical. Se os resultados após a cirurgia mostrarem que o câncer tem características que o tornam mais provável de voltar, os seguintes tratamentos podem ser considerados:
· Radiação de feixe externo para o leito da próstata (a área onde a próstata costumava descansar antes de ser removida) com ou sem terapia de privação androgênica (ADT) OU;
· Acompanhamento próximo dos níveis de PSA com o plano de considerar o tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir.

A observação costuma ser uma boa opção para homens cujo câncer não está causando nenhum sintoma e que têm outros problemas graves de saúde.

Grupo de risco intermediário
A radioterapia (feixe externo ou braquiterapia), muitas vezes com ADT, é uma opção para os homens desse grupo.

A prostatectomia radical com dissecção dos linfonodos pélvicos (PLND) também é uma opção. Dependendo dos resultados da cirurgia, os tratamentos que podem ser discutidos incluem:
· Radioterapia de feixe externo com ou sem ADT se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos ou se tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer)
· Acompanhamento próximo do nível de PSA com o plano de considerar o tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir.
· A vigilância ativa é uma opção para pessoas desse grupo cujos cânceres apresentam características favoráveis. Mas as pessoas com câncer de próstata de risco intermediário com características favoráveis ​​que estão sob vigilância ativa devem ter em mente que há um risco ligeiramente maior de o câncer se espalhar em comparação com o tratamento com radiação ou prostatectomia radical com PLND como terapia inicial.

Homens que têm outros problemas médicos graves podem escolher um tratamento menos agressivo, como apenas radiação ou observação.

Grupo de alto risco
As pessoas com câncer neste grupo podem receber:
· Radioterapia (feixe externo com braquiterapia OU apenas radiação de feixe externo) junto com ADT por 1 a 3 anos;
· Prostatectomia radical com PLND. Se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos retirados durante a cirurgia ou se tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer), a ADT com ou sem radiação pode ser recomendada. Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia ADT, observar o PSA de perto após a cirurgia pode ser considerado com o plano de considerar ADT com ou sem tratamento com radiação quando o nível de PSA aumenta;
· Para homens com outros problemas de saúde graves e sintomas de câncer de próstata, o ADT sozinho pode ser uma boa escolha. Para homens sem sintomas de câncer e que têm grandes problemas de saúde, apenas ADT, radioterapia de feixe externo ou observação são opções.

Grupo de risco muito alto
As opções de tratamento para pessoas neste grupo incluem:
· Radioterapia com feixe externo (com ou sem braquiterapia) junto com ADT por 1 a 3 anos. Às vezes, o medicamento quimioterápico docetaxel ou o medicamento hormonal abiraterona podem ser adicionados à radiação mais ADT;
· Prostatectomia radical com PLND (especialmente para homens mais jovens). Se o câncer for encontrado nos linfonodos retirados durante a cirurgia, a ADT com ou sem tratamento com radiação de feixe externo pode ser administrada. A radioterapia com ou sem ADT pode ser recomendada se o câncer não for encontrado nos gânglios linfáticos, mas tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer). Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia de ADT, observar o nível de PSA de perto após a cirurgia pode ser feito com o plano de considerar a ADT com ou sem tratamento de radiação quando o nível de PSA aumentar;
· Para homens sem sintomas do câncer, mas que têm grandes problemas de saúde, as opções de tratamento incluem ADT sozinho, radioterapia de feixe externo sozinho ou observação.

Estagio IVA
Os cânceres de estágio IVA se espalharam para os linfonodos próximos, mas não para locais distantes. Para homens saudáveis ​​o suficiente para receber tratamento ou apresentar sintomas do câncer, as opções incluem:
· Tratamento de radiação de feixe externo com ADT (com ou sem abiraterona);
· ADT com ou sem abiraterona;
· Prostatectomia radical com PLND. Se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos retirados durante a cirurgia ou tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer), a ADT com ou sem tratamento com radiação externa pode ser administrada. Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia ADT, observar o PSA de perto após a cirurgia pode ser feito com o plano de considerar ADT com ou sem tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir;
· Para homens com câncer no estágio IVA sem sintomas ou com outros problemas de saúde graves, a observação ou a ADT isoladamente podem ser recomendadas.

Estágio IVB
Os cânceres de estágio IVB se espalharam para órgãos distantes, como os ossos. A maioria dos cânceres em estágio IVB não pode ser curada, mas é tratável. Os objetivos do tratamento são manter o câncer sob controle pelo maior tempo possível e melhorar a qualidade de vida do homem.

As opções iniciais de tratamento podem incluir:
· ADT com abiraterona;
· ADT com apalutamida;
· ADT com quimioterapia, especificamente docetaxel;
· ADT com enzalutamide;
· ADT com radiação de feixe externo para o tumor na próstata;
· ADT sozinho;
·  Cirurgia (RTUP) para aliviar sintomas como sangramento ou obstrução urinária;
· Tratamentos destinados a metástases ósseas dolorosas, como radiação externa;
· Denosumab (Xgeva), um bifosfonato como o ácido zoledrônico (Zometa), radiação externa direcionada aos ossos ou um radiofármaco como rádio-223, estrôncio-89 ou samário-153;
· Observação (para aqueles que são mais velhos ou têm outros problemas de saúde graves e não apresentam sintomas importantes do câncer);

· Participar de um estudo clínico de novos tratamentos.

O tratamento do câncer de próstata em estágio IV também pode incluir tratamentos para ajudar a prevenir ou aliviar sintomas como dor de metástases ósseas com medicamentos como denosumab (Xgeva), um bifosfonato como ácido zoledrônico (Zometa) ou um radiofármaco como rádio-223, estrôncio- 89, ou samário-153.

As opções acima são para o tratamento inicial do câncer de próstata em diferentes grupos e estágios de risco. Mas se esses tratamentos não estiverem funcionando (o câncer continua a crescer e se espalhar) ou se o câncer voltar, outros tratamentos podem ser usados, como imunoterapia ou quimioterapia.

Acompanhamento dos níveis de PSA durante e após o tratamento do câncer de próstata
O nível sanguíneo do antígeno específico da próstata (PSA) de um homem geralmente é um bom indicador de quão eficaz é ou tem sido o tratamento. De um modo geral, seu nível de PSA deve ficar muito baixo após o tratamento. Mas os resultados do PSA nem sempre são confiáveis ​​e, às vezes, os médicos não têm certeza do que eles significam.

Antes de iniciar o tratamento, você pode perguntar ao seu médico o que ele espera que seu nível de PSA seja durante e após o tratamento e quais níveis podem causar preocupação. É importante saber que o nível de PSA é apenas uma parte do quadro geral. Outros fatores também podem desempenhar um papel para determinar se o câncer ainda está presente, se está crescendo ou se voltou.

Também é importante saber que os níveis de PSA às vezes podem flutuar um pouco por conta própria, mesmo durante ou após o tratamento, para que nem sempre sejam um sinal do que realmente está acontecendo com seu câncer. Compreensivelmente, muitos homens em tratamento de câncer de próstata estão muito preocupados mesmo com pequenas mudanças em seus níveis de PSA. O nível de PSA é uma ferramenta importante para monitorar o câncer, mas nem todo aumento no PSA significa que o câncer está crescendo e requer tratamento imediato. Para ajudar a limitar a ansiedade desnecessária, certifique-se de entender qual alteração no seu nível de PSA pode preocupar seu médico.

Durante a espera vigilante (observação) ou vigilância ativa
Se você escolher observação ou vigilância ativa, seu nível de PSA será monitorado de perto (provavelmente junto com outros testes) para ajudar a decidir se o câncer está crescendo e se o tratamento deve ser considerado.

Seu médico observará seu nível de PSA e a rapidez com que ele está subindo. Nem todos os médicos concordam exatamente com o nível de PSA que pode exigir ações adicionais (como uma biópsia da próstata ou tratamento). Mais uma vez, converse com seu médico para entender qual alteração no seu PSA pode ser considerado motivo de preocupação.

Depois da cirurgia
Seu PSA deve cair para um nível muito baixo ou até indetectável dentro de alguns meses após a prostatectomia radical. Como alguns pacientes podem apresentar níveis de PSA no sangue por várias semanas após a cirurgia, mesmo que todas as células da próstata tenham sido removidas, os médicos geralmente aconselham esperar pelo menos 6 a 8 semanas após a cirurgia antes de verificar o nível de PSA.

Alguns homens podem se preocupar se seu PSA ainda é detectável mesmo em um nível muito baixo após a cirurgia, mas isso nem sempre significa que o câncer ainda está no corpo. Os exames de sangue modernos de PSA podem detectar até mesmo pequenas quantidades de PSA, mas essas quantidades nem sempre podem ser significativas, especialmente se não estiverem aumentando ao longo do tempo. Pode significar apenas que você tem algumas células no corpo produzindo PSA, mas não são necessariamente células cancerígenas.

Se o seu PSA aumentar após a cirurgia, seu médico também pode querer saber o quão rápido ele está subindo. Algumas evidências mostram que os níveis de PSA mais rápidos podem ser um sinal de câncer. Homens que têm um nível de PSA que dobra dentro de um período de 3 meses tendem a ter um pior prognóstico (perspectiva) em comparação com homens cujo nível de PSA não dobra. Isso também é conhecido como tempo de duplicação do PSA.

Após a radioterapia
A radioterapia não mata todas as células da próstata, portanto, não se espera que o PSA diminua a um nível indetectável. As células normais da próstata restantes ainda produzirão algum PSA.

O padrão de queda do PSA após a radioterapia também é diferente do pós-operatório. Os níveis de PSA após a radiação tendem a cair lentamente e podem não atingir seu nível mais baixo até 2 anos ou mais após o tratamento.

Os médicos tendem a acompanhar os níveis de PSA em poucos meses para procurar tendências. Um pequeno aumento único no PSA pode causar um monitoramento mais próximo, mas pode não significar que o câncer ainda está lá (ou voltou), pois os níveis de PSA podem flutuar ligeiramente de tempos em tempos. No entanto, um PSA que está subindo em testes consecutivos após o tratamento pode indicar que o câncer ainda está lá. Alguns grupos médicos propuseram que, se o PSA subir mais de 2 ng/mL acima do nível mais baixo alcançado, um tratamento adicional deve ser considerado, mas alguns médicos podem aconselhar testes para procurar câncer no corpo, mesmo que o PSA ainda não tenha aumentado. M

Há também um fenômeno chamado ressalto de PSA que às vezes acontece após radiação de feixe externo e braquiterapia. O PSA aumenta ligeiramente por um curto período de tempo nos primeiros dois anos após o tratamento, mas depois diminui. Os médicos não sabem ao certo por que isso acontece, mas não parece afetar o prognóstico de um homem.

Durante o tratamento do câncer de próstata avançado
Quando tratamentos como terapia hormonal, quimioterapia ou imunoterapia são usados para câncer de próstata mais avançado, o nível de PSA pode ajudar a mostrar como o tratamento está funcionando ou quando pode ser hora de tentar um tratamento diferente.

Os tratamentos devem diminuir o nível de PSA (pelo menos no início), embora em alguns casos possam apenas ajudar a evitar que ele suba ainda mais, ou até mesmo retardar o aumento. Claro, outros fatores, como se você está tendo sintomas de seu câncer e se os exames de imagem mostram que ele está crescendo, também são importantes ao decidir se é hora de mudar de tratamento.

Se o câncer se espalhou para fora da próstata, o nível real de PSA geralmente não é tão importante quanto se ele muda e a rapidez com que muda. O nível de PSA em si não prevê se um homem terá ou não sintomas ou quanto tempo ele viverá. Muitos homens têm níveis de PSA muito altos e se sentem bem. Outros homens com níveis baixos de PSA podem apresentar sintomas.

Tratamento do câncer de próstata que não desaparece ou volta após o tratamento
Se o nível sanguíneo do antígeno específico da próstata (PSA) mostrar que o câncer de próstata não foi curado ou voltou (recorreu) após o tratamento inicial, o tratamento adicional muitas vezes ainda pode ser útil. O tratamento de acompanhamento dependerá de onde se acredita que o câncer esteja e de quais tratamentos você já fez. Testes de imagem, como tomografia computadorizada, ressonância magnética ou cintilografia óssea podem ser feitos para se ter uma ideia melhor sobre onde está o câncer.

Câncer que ainda esteja dentro ou ao redor da próstata
Se ainda se pensa que o câncer está apenas na área da próstata, uma segunda tentativa de curá-lo pode ser possível.

Após a cirurgia: Se você fez uma prostatectomia radical, a radioterapia pode ser uma opção, as vezes junto com a terapia hormonal.
Após a radioterapia: Se o seu primeiro tratamento foi à radiação, as opções de tratamento podem incluir crioterapia ou prostatectomia radical, mas quando esses tratamentos são feitos após a radiação, eles apresentam um risco maior de efeitos colaterais, como incontinência. Fazer radioterapia novamente geralmente não é uma opção devido ao aumento do potencial de efeitos colaterais graves, embora em alguns casos a braquiterapia possa ser uma opção como segundo tratamento após a radiação externa.

Às vezes, pode não estar claro exatamente onde o câncer restante está no corpo. Se o único sinal de recorrência do câncer é um aumento do nível de PSA (em oposição ao câncer ser visto em exames de imagem), outra opção para alguns homens pode ser a vigilância ativa em vez do tratamento ativo. O câncer de próstata geralmente cresce lentamente, portanto, mesmo que volte, pode não causar problemas por muitos anos, momento em que um tratamento adicional pode ser considerado.

Fatores como a rapidez com que o PSA está subindo e as pontuações originais de Gleason do câncer podem ajudar a prever quando o câncer pode aparecer em partes distantes do corpo e causar problemas. Se o PSA estiver subindo muito rapidamente, alguns médicos podem recomendar que você inicie o tratamento antes mesmo que o câncer possa ser visto em testes ou cause sintomas.

Se o PSA estiver subindo rápido o suficiente para justificar o tratamento, mas os tratamentos localizados (como cirurgia, radioterapia ou crioterapia) provavelmente não serão úteis, a terapia hormonal geralmente é a próxima opção. Se um tipo de terapia hormonal não for útil, outro tipo pode ser tentado.

Câncer que claramente se espalhou
Se o câncer se espalhou para fora da próstata, provavelmente irá primeiro para os linfonodos próximos e depois para os ossos. Muito menos frequentemente o câncer se espalhará para o fígado ou outros órgãos.

Quando o câncer de próstata se espalhou para outras partes do corpo (incluindo os ossos), a terapia hormonal é provavelmente o tratamento mais eficaz. Mas não é provável que cure o câncer e, em algum momento, pode parar de funcionar. Geralmente, o primeiro tratamento é um agonista do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH), antagonista do LHRH ou orquiectomia, às vezes junto com uma droga antiandrogênica ou abiraterona. Outra opção pode ser a quimioterapia junto com a terapia hormonal. Outros tratamentos destinados a metástases ósseas também podem ser usados.

Câncer de próstata resistente à castração e refratário a hormônios
A terapia hormonal costuma ser muito eficaz para diminuir ou retardar o crescimento do câncer de próstata que se espalhou, mas geralmente se torna menos eficaz com o tempo. Os médicos usam termos diferentes para descrever cânceres que não estão mais respondendo aos hormônios.

O câncer de próstata resistente à castração (CRPC) é um câncer que ainda está crescendo apesar do fato de que a terapia hormonal (uma orquiectomia ou um agonista ou antagonista de LHRH) está mantendo o nível de testosterona no corpo tão baixo quanto o que seria esperado se os testículos fossem removidos (chamados níveis de castração). O câncer ainda pode responder a outras formas de terapia hormonal.

O câncer de próstata refratário a hormônios (HRPC) é um câncer que não é mais ajudado por nenhuma forma de terapia hormonal.

Se um medicamento antiandrogênico não fazia parte da terapia hormonal inicial, geralmente é adicionado neste momento. Se um homem já está recebendo um anti-andrógeno, mas o câncer ainda está crescendo, interromper o anti-andrógeno (enquanto continua com outros tratamentos hormonais) parece ajudar às vezes.

Outras formas de terapia hormonal também podem ser úteis por um tempo, especialmente se o câncer estiver causando pouco ou nenhum sintoma. Estes incluem abiraterona (Zytiga®), enzalutamida (Xtandi®), apalutamida (Erleada®), darolutamida (Nubeqa®), cetoconazol, estrogênios (hormônios femininos) e corticosteroides.

A vacina contra o câncer de próstata sipuleucel-T (Provenge®) é outra opção para homens cujo câncer está causando pouco ou nenhum sintoma. Isso pode não diminuir os níveis de PSA, mas muitas vezes pode ajudar os homens a viver mais.

Para cânceres que não estão mais respondendo à terapia hormonal inicial e estão causando sintomas, várias opções podem estar disponíveis. A quimioterapia com o medicamento docetaxel (Taxotere®) costuma ser a primeira escolha porque demonstrou ajudar os homens a viver mais, bem como reduzir a dor. Se o docetaxel não funcionar ou parar de funcionar, outros medicamentos quimioterápicos, como cabazitaxel (Jevtana®), podem ajudar. A imunoterapia com pembrolizumabe também pode ser uma opção após a quimioterapia se o câncer for MSI-H ou dMMR. Outra opção pode ser um tipo diferente de terapia hormonal, como abiraterona, enzalutamida ou apalutamida (se ainda não foram tentadas).

O medicamento de terapia direcionada, rucaparib (Rubraca®), pode ser uma opção para homens com mutação BRCA cujo câncer de próstata resistente à castração já foi tratado com quimioterapia (que inclui um taxano) e antiandrogênios. O medicamento-alvo olaparibe (Lynparza®) é outra opção para tratar homens com mutação BRCA cujo câncer de próstata avançado resistente à castração cresceu após a tentativa de medicamentos de terapia hormonal, enzalutamida ou abiraterona.

Bisfosfonatos ou denosumabe geralmente podem ajudar se o câncer se espalhar para os ossos. Esses medicamentos podem reduzir a dor e até retardar o crescimento do câncer em muitos homens. Outros medicamentos e métodos também podem ajudar a manter a dor e outros sintomas sob controle. A radioterapia externa pode ajudar a tratar a dor óssea se for apenas em alguns pontos. Os medicamentos radiofarmacêuticos geralmente podem reduzir a dor se ela for mais generalizada e também retardar o crescimento do câncer.

Se você está com dor, não espere! Entre em contato imediatamente com seu médico e equipe de saúde.

Vários novos medicamentos promissores estão sendo testados contra o câncer de próstata, incluindo vacinas, anticorpos monoclonais e outros novos tipos de medicamentos. Como a capacidade de tratar o câncer de próstata refratário a hormônios ainda não é boa o suficiente, os homens são incentivados a explorar novas opções participando de estudos clínicos.

 

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

O Escore de Gleason (ou Classificação de Gleason)
Esta classificação é feita em função das características celulares e histológicas que constituem o tumor. Este escore varia entre  2 (menos agressivo) e 10 (mais agressivo). Quanto mais baixo o escore, menos agressivo é o tumor.

As células que, embora tumorais e malignas, são “mais parecidas” com as da próstata normal, mais diferenciadas e menos agressivas, são classificadas como grau “1”. Aquelas que apresentam características celulares já muito distintas das normais, por isso muito mais agressivas, são classificadas como de grau “5”. A classificação final (Escore de Gleason) é atribuída em função dos dois tipos celulares predominantes no tumor. O resultado final resulta da soma dos dois graus mais frequentes.

O predominante aparece em primeiro lugar. O segundo tipo histológico mais frequente aparece mencionado em segundo lugar. Assim , por exemplo, um Escore de Gleason 6 pode resultar da soma de dois graus 3 (adenocarcinoma da próstata, Gleason 6 (3+3)). O mesmo escore 6 pode resultar da soma de um 4 com um 2, embora estas diferenças não sejam tão frequentes. Um Escore de Gleason 7 pode resultar da soma 3+4 ou 4+3. Neste último caso o prognóstico é pior porque neste caso o padrão mais agressivo surge em primeiro, o que quer dizer que é o predominante.

Tumores com Gleason de 2 a 6 são de baixo risco. Os de Gleason 7 são de risco intermediário,. Já os de grau 8 a 10 são de maior risco.

O Escore da ISUP (International Society of Urological Pathology)
O Escore da ISUP foi estabelecido em 2014 através da revisão do escore de Gleason. Ele classifica os tumores em graus de 1 a 5. O Escore da ISUP provavelmente substituirá o Escore de Gleason ao longo do tempo, mas atualmente você pode ver um (ou ambos) em um relatório de patologia da biópsia.

  • Tumores grau ISUP 1 são os de Gleason ≤ 6,
  • Tumores grau ISUP 2 são os de Gleason 7 (3+4),
  • Tumores grau ISUP 3 são os de Gleason 7 (4+3),
  • Tumores grau ISUP 4 são os de Gleason 8
  • Tumores grau ISUP 5 são os de Gleason 9 ou 10.

Em alguns casos o laudo da biópsia apresenta como resultado apenas  lesão suspeita, pois não pode ser definido nem malignindade nem benignidade. Nesse caso podem estar:

  • PIN (Prostatic intraepithelial neoplasia, sigla em inglês)– Neoplasia prostática intraepitelial .Pode evoluir para cancer. É necessário acompanhamento de perto e podem ser realizadas novas biópsias.
  • ASAP (Atypical small acinar proliferation , sigla em inglês), que é a proliferação atípica de células acinares (ASAP é a sigla em inglês). Como cerca de 40% dos pacientes com ASAP terão câncer de próstata, eles devem ser acompanhados de perto.

Outros exames podem auxiliar no diagnóstico e na avaliação da extensão do câncer de próstata: ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética com bobina endorretal.

ESTADIAMENTO

ESTADIOS I E II :

  • O tumor está restrito à prostata e nao invadiu sua cápsula (ou seja, não é invasivo).
  • Tratamentos indicados:
    • Cirurgia
    • Radioterapia
    • Observação vigilante

ESTADIOS III E IVA:

  • O tumor ja infiltrou nos tecidos ao redor da próstata como:
    • vesícula seminal (estadio IIIA),
    • reto (estadio IIIB)
    • bexiga (estadio IIIC)
    • linfonodos pélvicos (estadio IVA),
  • Tratamentos indicados:
    • Radioterapia combinada com hormonioterapia.
    • Pode-se optar, em alguns casos,  pela cirurgia seguida pela radioterapia pós-operatória e, eventualmente, tratamento hormonal.
    • Nos casos mais avançados ou de maior risco se tem associado também novos agentes inibidores hormonais orais além da terapia anti-hormonal clássica injetável.

Estadio IVB:

  • O cancer atingiu os osso sou outros órgãos.
  • Tratamento indicadicado:
    • Hormonioterapia;
    • Quimioterapia quando o cancer se torna resistente ao tratamento hormonal

 

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

O câncer de próstata é o câncer mais comum entre os homens (depois do câncer de pele), mas muitas vezes pode ser tratado com sucesso. Se você tem câncer de próstata ou está perto de alguém que tem, saber o que esperar pode ajudá-lo a lidar com isso. Aqui você pode descobrir tudo sobre o câncer de próstata, incluindo fatores de risco, sintomas, como é encontrado e como é tratado.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Idade
A incidência aumenta a partir dos 50 anos, e a maioria dos diagnósticos é feito em pessoas com mais de 65 anos. É rara em pacientes com menos de 40 anos.

Histórico familiar
Ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata aumenta duas vezes a probabilidade de desenvolver a doença. Se houver mais de um caso na família ou se um irmão ou pai teve o diagnóstico, o risco e maior.

Raça
Homens negros correm mais risco e tendem a desenvolver tumores mais agressivos.

Dieta
Alguns estudos sugerem que dietas ricas em gorduras e pobres em fibras, frutas e vegetais aumentam o risco. Esse ainda é um tema que gera controvérsia.

Obesidade
É possível que homens obesos corram mais risco.

A maioria dos cânceres de próstata são encontrados precocemente por exames de rotina. O câncer de próstata quando no início não causa sintomas. Os cânceres de próstata mais avançados às vezes podem causar sintomas, como:

• Problemas para urinar, incluindo um fluxo urinário lento ou fraco ou a necessidade de urinar com mais frequência, especialmente à noite,
• Sangue na urina ou sêmen,
• Problemas para obter uma ereção (disfunção erétil ou DE),
• Dor nos quadris, costas (coluna), peito (costelas) ou outras áreas de câncer que se espalhou para os ossos,
• Fraqueza ou dormência nas pernas ou pés, ou até mesmo perda do controle da bexiga ou do intestino devido ao câncer pressionando a medula espinhal.

A maioria desses problemas é mais provável de ser causada por algo diferente do câncer de próstata. Por exemplo, problemas para urinar são muito mais frequentemente causados ​​por hiperplasia prostática benigna (HPB), um crescimento não canceroso da próstata. Ainda assim, é importante informar ao seu médico se você tiver algum desses sintomas para que a causa possa ser encontrada e tratada, se necessário. Alguns homens podem precisar de mais testes para verificar se há câncer de próstata.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

O câncer de próstata pode ser detectado precocemente?

O câncer de próstata geralmente pode ser encontrado precocemente por meio de testes de níveis de antígeno específico da próstata (PSA) no sangue de um homem. Outra maneira de encontrar o câncer de próstata é o exame de toque retal. Nesse exame, o médico coloca um dedo lubrificado e lubrificado no reto para sentir a próstata.

Se os resultados de qualquer um desses testes estiverem alterados, testes adicionais (como uma biópsia da próstata) geralmente são feitos.

Testes de rastreamento para o câncer de próstata
– Exame de sangue do antígeno prostático específico (PSA)

O antígeno prostático específico (PSA) é uma proteína produzida pelas células da próstata (células normais e células cancerígenas). O PSA é encontrado principalmente no sêmen, mas uma pequena quantidade também é encontrada no sangue.

O nível de PSA no sangue é medido em unidades chamadas nanogramas por mililitro (ng/mL). A chance de ter câncer de próstata aumenta à medida que o nível de PSA aumenta, mas não há um ponto de corte definido que possa dizer com certeza se um homem tem ou não câncer de próstata. Muitos médicos usam um ponto de corte de PSA de 4 ng/mL ou mais ao decidir se um homem pode precisar de mais testes, enquanto outros podem recomendá-lo a partir de um nível mais baixo, como 2,5 ou 3.

A maioria dos homens sem câncer de próstata tem níveis de PSA abaixo de 4 ng/mL de sangue. Quando o câncer de próstata se desenvolve, o nível de PSA geralmente fica acima de 4. Ainda assim, um nível abaixo de 4 não é garantia de que um homem não tenha câncer. Cerca de 15% dos homens com PSA abaixo de 4 terão câncer de próstata se uma biópsia for feita.

Homens com um nível de PSA entre 4 e 10 (geralmente chamado de “intervalo limítrofe”) têm cerca de 1 em 4 chances de ter câncer de próstata.

Se o PSA for superior a 10, a chance de ter câncer de próstata é superior a 50%.

Fatores que podem afetar os níveis de PSA

Uma razão pela qual é difícil usar um ponto de corte definido com o teste de PSA ao procurar câncer de próstata é que vários outros fatores além do câncer também podem afetar os níveis de PSA. Fatores que podem aumentar os níveis de PSA incluem:

  • Próstata aumentada: Condições como hiperplasia prostática benigna (HPB), um aumento não canceroso da próstata que afeta muitos homens à medida que envelhecem, podem aumentar os níveis de PSA.
  • Idade avançada: os níveis de PSA normalmente aumentam lentamente à medida que você envelhece, mesmo que você não tenha anormalidades na próstata.
  • Prostatite: Esta é uma infecção ou inflamação da próstata, que pode aumentar os níveis de PSA.
  • Ejaculação: Isso pode fazer o PSA subir por um curto período de tempo. É por isso que alguns médicos sugerem que os homens se abstenham de ejacular por um ou dois dias antes do teste.
  • Andar de bicicleta: Alguns estudos sugeriram que andar de bicicleta pode aumentar os níveis de PSA por um curto período de tempo (possivelmente porque o assento exerce pressão sobre a próstata), embora nem todos os estudos tenham encontrado isso.
  • Certos procedimentos urológicos: Alguns procedimentos realizados em consultórios médicos que afetam a próstata, como biópsia de próstata ou cistoscopia, podem aumentar os níveis de PSA por um curto período de tempo. Alguns estudos sugeriram que um exame de toque retal (DRE) pode aumentar ligeiramente os níveis de PSA, embora outros estudos não tenham encontrado isso. Ainda assim, se um teste de PSA e um DRE estiverem sendo feitos durante uma consulta médica, alguns médicos aconselham que o sangue seja coletado para o PSA antes de fazer o exame de toque retal, apenas por precaução.
  • Certos medicamentos: Tomar hormônios masculinos como a testosterona (ou outros medicamentos que aumentam os níveis de testosterona) pode causar um aumento no PSA.

Algumas coisas podem diminuir os níveis de PSA (mesmo que um homem tenha câncer de próstata):

  • Inibidores da 5-alfa redutase: Certos medicamentos usados ​​para tratar HBP ou sintomas urinários, como finasterida (Proscar ou Propecia) ou dutasterida (Avodart), podem diminuir os níveis de PSA. Esses medicamentos também podem afetar o risco de câncer de próstata (discutido em Can Prostate Cancer Be Prevented?). Informe o seu médico se estiver a tomar um destes medicamentos. Como eles podem diminuir os níveis de PSA, o médico pode precisar se ajustar a isso.
  • Misturas de ervas: Algumas misturas que são vendidas como suplementos dietéticos podem mascarar um alto nível de PSA. É por isso que é importante informar ao seu médico se você estiver tomando algum tipo de suplemento, mesmo aqueles que não são necessariamente destinados à saúde da próstata. Saw palmetto (uma erva usada por alguns homens para tratar a HBP) ​​não parece afetar o PSA.
  • Alguns outros medicamentos: Algumas pesquisas sugeriram que o uso prolongado de certos medicamentos, como aspirina, estatinas (medicamentos para baixar o colesterol) e diuréticos tiazídicos (como hidroclorotiazida) podem diminuir os níveis de PSA. Mais pesquisas são necessárias para confirmar esses achados. Se você toma algum dos medicamentos regularmente, converse com seu médico antes de parar de tomá-lo por qualquer motivo.

Para os homens que podem ser rastreados para câncer de próstata, nem sempre está claro se a redução do PSA é útil. Em alguns casos, o fator que reduz o PSA também pode diminuir o risco de câncer de próstata em um homem. Mas em outros casos, pode diminuir o nível de PSA sem afetar o risco de câncer de um homem. Isso pode realmente ser prejudicial, se reduzir o PSA de um nível anormal para um normal, pois pode resultar na não detecção de um câncer. É por isso que é importante conversar com seu médico sobre qualquer coisa que possa afetar seu nível de PSA.

Biópsia de próstata
A biópsia de próstata deve ser realizada com o paciente anestesiado. Não se pode aceitar que seja feita de outra forma. Ela é o exame mais importante para o diagnóstico do câncer de próstata.

Uma  agulha fina é inserida no reto, guiada por ultrassom acoplado a uma sonda introduzida no reto. Fragmentos  da próstata são retirados de várias partes dos lobos direito e esquerdo da próstata. O procedimento em si não é demorado, cerca de 30 minutos em média. O material recolhido é enviado então para realizaçao de exame anatomopatológico. Caso haja células malignas, as mesmas serão classificadas pelo Escore de Gleason ou pelo Escore de ISUP (International Society of Urulogical Pathology).

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Antes de qualquer coisa: se você foi diagnosticado com câncer de próstata, converse com seu médico sobre suas opções de tratamento. É importante discutir todas as suas opções de tratamento, incluindo seus objetivos e possíveis efeitos colaterais, para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapta às suas necessidades.
Algumas coisas importantes a serem consideradas incluem:
• O estágio e o grau do seu câncer;
• Sua idade e expectativa de vida;
• Quaisquer outras condições graves de saúde que você tenha;
• Seus sentimentos (e a opinião do seu médico) sobre a necessidade de tratar o câncer imediatamente;
• A probabilidade de que o tratamento cure seu câncer (ou ajude de alguma outra forma);
• Seus sentimentos sobre os possíveis efeitos colaterais de cada tratamento.

Você pode sentir que deve tomar uma decisão rapidamente, mas é importante dar a si mesmo tempo para absorver as informações que acabou de aprender. Faça perguntas se houver algo que você não tenha certeza.

Se o tempo permitir, muitas vezes, é uma boa ideia procurar uma segunda opinião. Ela pode fornecer mais informações e ajudá-lo a se sentir mais confiante sobre o plano de tratamento escolhido.

Como o câncer de próstata é tratado?
O câncer de próstata é tratado de várias maneiras. O paciente, junto com o seu médico, define qual o mais adequado e viável para ele neste momento. É muito importante os pacientes e familiares entenderem sobre a doença, buscando informações precisas e confiáveis. Assim ele estará preparado para discutir sobre seu tratamento com o médico.

Abaixo as opções de tratamento:
Dependendo de cada caso, as opções de tratamento para homens com câncer de próstata podem incluir:
• Observação ou Vigilância Ativa;
• Cirurgia;
• Radioterapia;
• Crioterapia;
• Terapia Hormonal;
• Quimioterapia;
• Imunoterapia;
• Terapia Alvo;
• Tratamentos para a disseminação do câncer de próstata para os ossos.

Como o câncer de próstata geralmente cresce muito lentamente, alguns homens (especialmente aqueles que são mais idosos ou têm outros problemas de saúde graves) podem nunca precisar de tratamento. Em vez disso, seus médicos podem recomendar observação (às vezes chamada de espera vigilante) ou vigilância ativa.

Os termos vigilância ativa e observação têm definições diferentes:

• A vigilância ativa é, muitas vezes, usada para monitorar o câncer de perto. Geralmente, isso inclui uma consulta médica com um exame de sangue do antígeno específico da próstata (PSA) a cada seis meses e um exame de toque retal (DRE) pelo menos uma vez por ano. Biópsias de próstata e exames de imagem também podem ser feitos a cada um a três anos. Se os resultados do seu teste mudarem, seu médico conversará com você sobre as opções de tratamento para tentar curar o câncer.

• A observação (espera vigilante), às vezes, é usada para descrever um tipo de acompanhamento menos intensivo que pode significar menos testes e depender mais das mudanças nos sintomas de um homem para decidir se o tratamento é necessário. Este tratamento é destinado a controlar os sintomas do câncer, mas não a curá-lo. Não importa qual termo seu médico use, é muito importante que você entenda exatamente o que ele quer dizer quando se refere a ele.

Quando essas opções são usadas?

Uma dessas abordagens pode ser recomendada se o seu câncer:

• Não está causando nenhum sintoma;

• Espera-se que cresça lentamente (com base na pontuação de Gleason);

• É pequeno;

• Está apenas na próstata;

• Está associado ao baixo nível de PSA (<10ng/ml). A vigilância ativa não é uma boa opção se você tiver um câncer de crescimento rápido (por exemplo, uma pontuação de Gleason alta) ou se o câncer provavelmente se espalhar para fora da próstata (com base nos níveis de PSA). Homens jovens e saudáveis ​​são menos propensos a receber observação, por causa da preocupação de que o câncer possa se tornar um problema nos próximos anos. Observação ou vigilância ativa versus tratamento Alguns grandes estudos compararam observação (espera vigilante) (onde os homens foram tratados apenas se desenvolvessem sintomas de seu câncer) e cirurgia para câncer de próstata em estágio inicial, mas as evidências desses estudos foram mistas. Alguns descobriram que os homens que fazem cirurgia podem viver mais, enquanto outros não encontraram diferença na sobrevivência.

Prostatectomia radical aberta ou laparoscópica

Na abordagem mais tradicional da prostatectomia, chamada de prostatectomia aberta, o cirurgião opera por meio de uma única incisão longa na pele (corte) para remover a próstata e os tecidos próximos. Este tipo de cirurgia é feito com menos frequência do que no passado.

Em uma prostatectomia laparoscópica, o cirurgião faz várias incisões menores e usa ferramentas cirúrgicas longas e especiais para remover a próstata. O cirurgião segura as ferramentas diretamente ou usa um painel de controle para mover com precisão os braços robóticos que seguram as ferramentas. Esta abordagem à prostatectomia tornou-se mais comum nos últimos anos. Se realizada por cirurgiões experientes, a prostatectomia radical laparoscópica pode apresentar resultados semelhantes à abordagem aberta.

Prostatectomia aberta e Prostatectomia retropúbica radical

Para esta operação aberta, o cirurgião faz uma incisão (corte) na parte inferior do abdômen, desde o umbigo até o osso púbico, conforme mostra a figura abaixo. Você estará sob anestesia geral (dormindo), ou receberá anestesia raquidiana ou epidural (entorpecendo a metade inferior do corpo) juntamente com sedação durante a cirurgia.

Se houver uma chance razoável de o câncer ter se espalhado para os linfonodos próximos (com base no seu nível de PSA, resultados da biópsia da próstata e outros fatores), o cirurgião também pode remover alguns desses linfonodos neste momento (conhecido como linfonodo pélvico). Os materiais coletados são enviados para o laboratório para ver se eles têm células cancerosas. Se as células cancerosas forem encontradas em qualquer um dos gânglios, o cirurgião pode não continuar com a cirurgia. Isso ocorre porque é improvável que o câncer possa ser curado com cirurgia, e a remoção da próstata pode levar a sérios efeitos colaterais.

Após a remoção da próstata, enquanto você ainda está sob anestesia, um cateter (tubo fino e flexível) será colocado em seu pênis para ajudar a drenar a bexiga. O cateter geralmente permanecerá no local por 1 a 2 semanas enquanto você se recupera. Você poderá urinar por conta própria depois que o cateter for removido.

Prostatectomia radical perineal

Nesta operação aberta, o cirurgião faz o corte (incisão) na pele entre o ânus e o escroto (o períneo). Essa abordagem é usada com menos frequência porque é mais provável que leve a problemas de ereção e porque os gânglios linfáticos próximos não podem ser removidos. Mas geralmente é uma operação mais curta e pode ser uma opção se você não estiver preocupado com as ereções e não precisar remover os linfonodos. Também pode ser usado se você tiver outras condições médicas que dificultam a cirurgia retropúbica. Pode ser tão curativo quanto a abordagem retropúbica, se feito corretamente. A operação perineal pode resultar em menos dor e uma recuperação mais fácil do que a prostatectomia retropúbica.

Após a cirurgia, enquanto você ainda está anestesiado, um cateter será colocado em seu pênis para ajudar a drenar sua bexiga. O cateter geralmente permanece no lugar por 1 a 2 semanas enquanto você está se recuperando. Você poderá urinar por conta própria depois que o cateter for removido.

Prostatectomia laparoscópica

Se você está pensando no tratamento com cirurgia laparoscópica, é importante entender o que se sabe e o que ainda não se sabe sobre essa abordagem. Os fatores mais importantes provavelmente serão a habilidade e a experiência do seu cirurgião. Se você decidir que a cirurgia laparoscópica é o tratamento certo para você, certifique-se de encontrar um cirurgião com muita experiência.

Prostatectomia radical laparoscópica

Para uma prostatectomia radical laparoscópica (PRL), o cirurgião insere instrumentos longos especiais através de várias pequenas incisões na parede abdominal para remover a próstata. Um dos instrumentos possui uma pequena câmera de vídeo na ponta, que permite ao cirurgião ver o interior do corpo.

A prostatectomia laparoscópica tem algumas vantagens sobre a prostatectomia radical aberta, incluindo menos perda de sangue e dor, menor tempo de internação (geralmente não mais de um dia), tempos de recuperação mais rápidos e o cateter precisará permanecer na bexiga por menos tempo.

As taxas de efeitos colaterais importantes da PRL como problemas de ereção e dificuldade em segurar a urina (incontinência), parecem ser aproximadamente as mesmas das prostatectomias abertas. A recuperação do controle da bexiga pode ser um pouco demorada com esta abordagem.

Embora sejam necessários mais estudos de longo prazo para comparar os efeitos colaterais e as chances de recorrência entre a prostatectomia aberta e a PRL, o sucesso de qualquer procedimento parece ser determinado principalmente pela experiência e habilidade do cirurgião.

Prostatectomia radical laparoscópica assistida por robô

Nesta abordagem, também conhecida como prostatectomia robótica, a cirurgia laparoscópica é feita por meio de um sistema robótico. O cirurgião se senta em um painel de controle na sala de cirurgia e move braços robóticos para operar através de várias pequenas incisões no abdômen do paciente.

A prostatectomia robótica tem vantagens sobre a abordagem aberta em termos de menos dor, perda de sangue e tempo de recuperação. Mas em termos dos efeitos colaterais com os quais os homens estão mais preocupados, como problemas urinários ou de ereção, não parece haver diferença entre a prostatectomia robótica e outras abordagens.

Para o cirurgião, o sistema robótico pode fornecer mais manobrabilidade e precisão ao mover os instrumentos do que a PRL padrão. Ainda assim, o fator mais importante no sucesso de qualquer tipo de cirurgia laparoscópica é a experiência e habilidade do cirurgião.

Ressecção transuretral da próstata (RTPU)

Esta operação é mais usada para tratar homens com aumento não canceroso da próstata chamado hiperplasia prostática benigna (HBP). Mas às vezes também é usado em homens com câncer de próstata avançado para ajudar a aliviar os sintomas, como dificuldade para urinar (não é usado para tentar curar o câncer).

Durante esta operação, o cirurgião remove a parte interna da próstata que envolve a uretra (o tubo através do qual a urina sai da bexiga). A pele não é cortada com esta cirurgia. Um instrumento chamado ressectoscópio é passado através da ponta do pênis até a uretra até o nível da próstata. Uma vez que está no lugar, a eletricidade é passada através de um fio para aquecê-lo ou um laser é usado para cortar ou vaporizar o tecido. A anestesia espinhal (que adormece a metade inferior do corpo) ou anestesia geral (onde você está dormindo) é usada.

A operação geralmente leva cerca de uma hora. Após a cirurgia, um cateter (tubo fino e flexível) é inserido através do pênis e na bexiga. Ele permanece no local por cerca de um dia para ajudar a drenar a urina enquanto a próstata cura. Geralmente, você pode deixar o hospital após 1 a 2 dias e retornar às atividades normais em 1 a 2 semanas. Você provavelmente terá um pouco de sangue na urina após a cirurgia.

Riscos da cirurgia de próstata

Os riscos como qualquer tipo de prostatectomia radical são muito parecidos com os de qualquer cirurgia de grande porte. Os problemas durante ou logo após a operação podem incluir:

·      Reações à anestesia;

·      Sangramento da cirurgia;

·      Coágulos de sangue nas pernas ou pulmões;

·      Danos a órgãos próximos;

·      Infecções no local da cirurgia.

Raramente, parte do intestino pode ser lesada durante a cirurgia, o que pode levar a infecções no abdômen e pode exigir mais cirurgia para corrigir. Lesões intestinais são mais comuns com cirurgias laparoscópicas e robóticas do que com a abordagem aberta.

Se os linfonodos forem removidos, uma coleção de fluido linfático (chamada linfocele) pode se formar e pode precisar ser drenada.

Efeitos colaterais da cirurgia de próstata

Os principais efeitos colaterais possíveis da prostatectomia radical são incontinência urinária (incapaz de controlar a urina) e disfunção erétil (impotência; problemas para obter ou manter ereções). Esses efeitos colaterais também podem ocorrer com outras formas de tratamento do câncer de próstata.

Incontinência urinária: Você pode não conseguir controlar sua urina ou pode ter vazamento ou gotejamento. Ser incontinente pode afetá-lo não apenas fisicamente, mas também emocionalmente e socialmente. Estes são os principais tipos de incontinência:

·      Homens com incontinência de estresse podem vazar urina quando tossem, riem, espirram ou se exercitam. A incontinência de esforço é o tipo mais comum após a cirurgia de próstata. Geralmente é causado por problemas com a válvula que mantém a urina na bexiga (o esfíncter da bexiga). Os tratamentos de câncer de próstata podem danificar esta válvula ou os nervos que mantêm a válvula funcionando;

·      Homens com incontinência por transbordamento têm problemas para esvaziar a bexiga. Eles demoram muito para urinar e têm um fluxo pingando com pouca força. A incontinência por transbordamento geralmente é causada pelo bloqueio ou estreitamento da saída da bexiga por tecido cicatricial;

·      Homens com incontinência de urgência têm uma necessidade repentina de urinar. Isso acontece quando a bexiga se torna muito sensível ao alongamento à medida que se enche de urina.

Raramente após a cirurgia, os homens perdem toda a capacidade de controlar sua urina. Isso é chamado de incontinência contínua.

Após a cirurgia para câncer de próstata, o controle normal da bexiga geralmente retorna dentro de algumas semanas ou meses. Essa recuperação geralmente ocorre lentamente ao longo do tempo.

Grandes centros de câncer, onde a cirurgia de próstata é feita com frequência e os cirurgiões têm muita experiência, geralmente relatam menos problemas com incontinência.

A incontinência pode ser tratada. Mesmo que sua incontinência não possa ser corrigida.

Disfunção erétil (impotência): As ereções são controladas por 2 pequenos feixes de nervos que correm em ambos os lados da próstata. Se você pode ter ereções antes da cirurgia, o cirurgião tentará não ferir esses nervos durante a prostatectomia. Isso é conhecido como uma abordagem poupadora de nervos. Mas se o câncer estiver crescendo nos nervos ou muito perto deles, o cirurgião precisará removê-los.

Se ambos os nervos forem removidos, você não poderá ter ereções espontâneas, mas ainda poderá ter ereções usando algumas das ajudas descritas abaixo. Se os nervos de apenas um lado forem removidos, você ainda poderá ter ereções, mas a chance é menor do que se nenhum deles fosse removido. Se nenhum feixe nervoso for removido, você poderá ter ereções normais em algum momento após a cirurgia.

Sua capacidade de ter uma ereção após a cirurgia depende de sua idade, sua capacidade de obter uma ereção antes da operação e se os nervos foram cortados. Todos os homens podem esperar alguma diminuição na capacidade de ter uma ereção, mas quanto mais jovem você for, maior a probabilidade de manter essa capacidade.

Os cirurgiões que fazem muitas prostatectomias radicais tendem a relatar taxas mais baixas de impotência do que os médicos que fazem a cirurgia com menos frequência. Uma ampla gama de taxas de impotência foi relatada na literatura médica, mas a situação de cada homem é diferente, então a melhor maneira de ter uma ideia de suas chances de recuperar as ereções é perguntar ao seu médico sobre suas taxas de sucesso e qual o resultado. É provável que seja no seu caso.

Se sua capacidade de ter ereções retornar após a cirurgia, geralmente retorna lentamente. Na verdade, pode levar de alguns meses até 2 anos. Durante os primeiros meses, você provavelmente não conseguirá ter uma ereção espontânea, então você pode precisar usar medicamentos ou outros tratamentos.

A maioria dos médicos sente que a recuperação da potência é ajudada ao tentar obter uma ereção o mais rápido possível, uma vez que o corpo tenha a chance de se curar (geralmente várias semanas após a operação). Alguns médicos chamam isso de reabilitação peniana. Medicamentos podem ser úteis neste momento. Certifique-se de conversar com seu médico sobre sua situação.

Existem várias opções para tratar a disfunção erétil:

Inibidores da fosfodiesterase-5 (PDE5) como sildenafil (Viagra), vardenafil (Levitra), tadalafil (Cialis) e avanafil (Stendra) são pílulas que podem ajudar nas ereções. Esses medicamentos não funcionarão se os dois nervos que controlam as ereções forem danificados ou removidos. Os efeitos colaterais comuns desses medicamentos são dor de cabeça, rubor (a pele fica vermelha e quente), dor de estômago, sensibilidade à luz e nariz escorrendo ou entupido. Raramente, esses medicamentos podem causar problemas de visão, possivelmente até cegueira. Alguns outros medicamentos como nitratos, que são medicamentos usados para tratar doenças cardíacas, podem causar problemas se você estiver tomando um inibidor de PDE5, portanto, certifique-se de que seu médico saiba quais medicamentos você toma.

Alprostadil é uma versão artificial da prostaglandina E1, uma substância produzida naturalmente no corpo que pode produzir ereções. Pode ser injetado quase sem dor na base do pênis 5 a 10 minutos antes da relação sexual ou colocado na ponta do pênis como um supositório. Você pode até aumentar a dosagem para prolongar a ereção. Você pode ter efeitos colaterais, como dor, tontura e ereção prolongada, mas geralmente não são graves.

Os implantes penianos podem restaurar sua capacidade de ter ereções se outros métodos não ajudarem. É necessária uma operação para colocá-los dentro do pênis. Existem vários tipos de implantes penianos, incluindo aqueles que usam hastes de silicone ou dispositivos infláveis.

Alterações no orgasmo: Após a cirurgia, a sensação de orgasmo ainda deve ser prazerosa, mas não há ejaculação de sêmen – o orgasmo é “seco”. Isso porque as glândulas que produziam a maior parte do fluido para o sêmen (as vesículas seminais e a próstata) foram removidas durante a prostatectomia, e as vias utilizadas pelos espermatozoides (os vasos deferentes) foram cortadas. Em alguns homens, o orgasmo torna-se menos intenso ou desaparece completamente. Com menos frequência, os homens relatam dor com o orgasmo.

Perda de fertilidade: a prostatectomia radical corta os vasos deferentes, que são os caminhos entre os testículos (onde os espermatozoides são produzidos) e a uretra (através da qual os espermatozoides saem do corpo). Seus testículos ainda produzirão esperma, mas não podem deixar o corpo como parte da ejaculação. Isso significa que um homem não pode mais gerar um filho da maneira natural. Muitas vezes, isso não é um problema, pois os homens com câncer de próstata tendem a ser mais idosos. Mas se é uma preocupação para você, pergunte ao seu médico sobre o “banco” do seu esperma antes da operação.

Linfedema: Esta é uma complicação rara, mas possível, da remoção de muitos dos gânglios linfáticos ao redor da próstata. Os gânglios linfáticos normalmente fornecem uma maneira de o fluido retornar ao coração de todas as áreas do corpo. Quando os nódulos são removidos, o fluido pode se acumular nas pernas ou na região genital ao longo do tempo, causando inchaço e dor. O linfedema geralmente pode ser tratado com fisioterapia, embora possa não desaparecer completamente.

Mudança no comprimento do pênis: Um possível efeito da cirurgia é uma pequena diminuição no comprimento do pênis. Isso provavelmente se deve a um encurtamento da uretra quando uma parte dela é removida junto com a próstata.

Hérnia inguinal: Uma prostatectomia aumenta as chances de um homem desenvolver uma hérnia inguinal (virilha) no futuro.

A radioterapia usa raios ou partículas de alta energia para matar as células cancerígenas. Dependendo do estágio do câncer de próstata e outros fatores, a radioterapia pode ser usada:

· Como o primeiro tratamento para o câncer que ainda está apenas na próstata e é de baixo grau. As taxas de cura para homens com esses tipos de câncer são aproximadamente as mesmas que para homens tratados com prostatectomia radical;

· Como parte do primeiro tratamento (junto com a terapia hormonal) para cânceres que cresceram fora da próstata e nos tecidos próximos;

· Se o câncer não for removido completamente ou voltar (recorrer) na área da próstata após a cirurgia;

· Se o câncer estiver avançado, para ajudar a manter o câncer sob controle pelo maior tempo possível, e para ajudar a prevenir ou aliviar os sintomas.

Tipos de radioterapia

Os principais tipos de radioterapia utilizados para o câncer de próstata são:

· Radiação de feixe externo;

· Braquiterapia (radiação interna). Outro tipo de radioterapia, na qual um medicamento contendo radiação é injetado no corpo;

· Radioterapia com Feixe Externo (EBRT). Na EBRT, os feixes de radiação são focados na próstata de uma máquina fora do corpo. Esse tipo de radiação pode ser usado para tentar curar cânceres em estágio inicial ou para ajudar a aliviar sintomas como dor óssea se o câncer se espalhar para uma área específica do osso. Você geralmente fará tratamento 5 dias por semana em um centro ambulatorial por pelo menos várias semanas, dependendo do motivo pelo qual a radiação está sendo administrada. Cada tratamento é como obter um raio-x. A radiação é mais forte do que a usada para um raio-x, mas o procedimento geralmente é indolor. Cada tratamento dura apenas alguns minutos, embora o tempo de preparação – colocando você no lugar para o tratamento – demore mais. As técnicas mais recentes de EBRT concentram a radiação com mais precisão no tumor. Isso permite que os médicos administrem doses mais altas de radiação ao tumor, reduzindo a exposição à radiação nos tecidos saudáveis ​​​​próximos;

· Terapia de radiação conformada tridimensional (3D-CRT) – O 3D-CRT usa computadores especiais para mapear com precisão a localização de sua próstata. Os feixes de radiação são então moldados e direcionados para a próstata de várias direções, o que torna menos provável que danifique os tecidos e órgãos normais circundantes;

· Radioterapia de intensidade modulada (IMRT) - IMRT, uma forma avançada de terapia 3D-CRT, é o tipo mais comum de radioterapia de feixe externo para câncer de próstata. Ele usa uma máquina acionada por computador que se move ao redor do paciente enquanto fornece radiação. Além de moldar os feixes e direcioná-los para a próstata de vários ângulos, a intensidade (força) dos feixes pode ser ajustada para limitar as doses de radiação que atingem os tecidos normais próximos. Isso permite que os médicos apliquem uma dose de radiação ainda maior ao câncer.

Algumas máquinas de radiação mais recentes têm scanners de imagem embutidos. Esse avanço, conhecido como terapia de radiação guiada por imagem (IGRT), permite que o médico tire fotos da próstata antes de aplicar a radiação para fazer pequenos ajustes na mira. Isso parece ajudar a fornecer a radiação de forma ainda mais precisa e resulta em menos efeitos colaterais.

Uma variação da IMRT é chamada de terapia de arco modulado volumétrico (VMAT). Ele usa uma máquina que fornece radiação rapidamente enquanto gira uma vez ao redor do corpo. Isso permite que cada tratamento seja administrado em apenas alguns minutos. Embora isso possa ser mais conveniente para o paciente, ainda não se mostrou mais eficaz do que a IMRT regular.

· Radioterapia estereotáxica corporal (SBRT) -Essa técnica usa técnicas avançadas guiadas por imagem para fornecer grandes doses de radiação a uma área precisa, como a próstata. Como há grandes doses de radiação em cada dose, todo o curso do tratamento é administrado em apenas alguns dias. SBRT é frequentemente conhecido pelos nomes das máquinas que fornecem a radiação, como Gamma Knife®, X-Knife®, CyberKnife® e Clinac®. A principal vantagem do SBRT sobre o IMRT é que o tratamento leva menos tempo (dias em vez de semanas). Os efeitos colaterais, porém, não são melhores. De fato, algumas pesquisas mostraram que alguns efeitos colaterais podem ser piores com o SBRT do que com o IMRT;

· Radioterapia com feixe de protons - A terapia com feixe de prótons concentra feixes de prótons em vez de raios-x no câncer. Ao contrário dos raios X, que liberam energia antes e depois de atingirem o alvo, os prótons causam poucos danos aos tecidos pelos quais passam e liberam sua energia somente depois de percorrer uma certa distância. Isso significa que a radiação do feixe de prótons pode, em teoria, fornecer mais radiação à próstata enquanto causa menos danos aos tecidos normais próximos. A radiação do feixe de prótons pode ser direcionada com técnicas semelhantes ao 3D-CRT e IMRT. Embora, em teoria, a terapia com feixe de prótons possa ser mais eficaz do que o uso de raios-x, até agora os estudos não mostraram se isso é verdade. No momento, a terapia com feixe de prótons não está amplamente disponível. As máquinas necessárias para fazer prótons são muito caras e não estão disponíveis em muitos centros nos Estados Unidos. A radiação do feixe de prótons pode não ser coberta por todas as companhias de seguros neste momento.

Possíveis efeitos colaterais:

Problemas intestinais: A radiação pode irritar o reto e causar uma condição chamada proctite por radiação. Isso pode levar a diarreia, às vezes com sangue nas fezes e vazamento retal. A maioria desses problemas desaparece com o tempo, mas em casos raros a função intestinal normal não retorna. Para ajudar a diminuir os problemas intestinais, você pode ser instruído a seguir uma dieta especial durante a radioterapia para ajudar a limitar o movimento intestinal durante o tratamento. Às vezes, um dispositivo tipo balão ou gel é colocado entre o reto e a próstata antes do tratamento para atuar como um espaçador e diminuir a quantidade de radiação que atinge o reto.

Problemas urinários: A radiação pode irritar a bexiga e levar a uma condição chamada cistite por radiação. Você pode precisar urinar com mais frequência, sentir uma sensação de queimação ao urinar e/ou encontrar sangue na urina. Os problemas urinários geralmente melhoram com o tempo, mas em alguns homens eles nunca desaparecem.

Alguns homens desenvolvem incontinência urinária após o tratamento, o que significa que não conseguem controlar a urina ou têm vazamento ou gotejamento. Conforme descrito na seção de cirurgia, existem diferentes níveis e tipos de incontinência. No geral, esse efeito colateral ocorre com menos frequência com a radioterapia do que após a cirurgia. O risco é baixo no início, mas aumenta a cada ano durante vários anos após o tratamento.

Raramente, o tubo que transporta a urina da bexiga para fora do corpo (a uretra) pode ficar muito estreito ou até mesmo fechado, o que é conhecido como estenose uretral. Isso pode exigir tratamento adicional para abri-lo novamente.

Problemas de ereção, incluindo impotência: Depois de alguns anos, a taxa de impotência após a radiação é aproximadamente a mesma após a cirurgia. Problemas com ereções geralmente não ocorrem logo após a radioterapia, mas se desenvolvem lentamente ao longo do tempo. Isso é diferente da cirurgia, onde a impotência ocorre imediatamente e pode melhorar com o tempo.

Assim como na cirurgia, quanto mais idoso você for, maior a probabilidade de ter problemas de ereção. Problemas de ereção muitas vezes podem ser ajudados por tratamentos como os listados na seção de cirurgia, incluindo medicamentos.

Sensação de cansaço: a radioterapia pode causar fadiga que pode não desaparecer até algumas semanas ou meses após a interrupção do tratamento.

Linfedema: os linfonodos normalmente fornecem uma maneira de o fluido retornar ao coração de todas as áreas do corpo. Se os gânglios linfáticos ao redor da próstata forem danificados pela radiação, o fluido pode se acumular nas pernas ou na região genital ao longo do tempo, causando inchaço e dor. O linfedema geralmente pode ser tratado com fisioterapia, embora possa não desaparecer completamente.

A crioterapia (também chamada de criocirurgia ou crioablação) é o uso de temperaturas muito frias para congelar e matar as células cancerígenas da próstata, bem como a maior parte da próstata. Mesmo que às vezes seja chamado de criocirurgia, na verdade não é um tipo de cirurgia.

Quando a crioterapia é usada?
A crioterapia, às vezes, é usada se o câncer voltou após a radioterapia. Pode ser uma opção para tratar homens com câncer de próstata em estágio inicial de baixo risco que não podem fazer cirurgia ou radioterapia. No entanto, a maioria dos médicos não usa a crioterapia como o primeiro tratamento para o câncer de próstata.

Como é feita a crioterapia?
Este tipo de procedimento requer anestesia peridural (a metade inferior do corpo está anestesiada) ou anestesia geral (você está dormindo).

O médico usa o ultrassom transretal (TRUS) para guiar várias sondas ocas (agulhas) através da pele entre o ânus e o escroto até a próstata. Gases muito frios são então passados ​​pelas agulhas para congelar e destruir a próstata. Para ter certeza de que a próstata é destruída sem muito dano aos tecidos próximos, o médico observa cuidadosamente o ultrassom durante o procedimento. Água salgada morna é passada através de um cateter na uretra durante o procedimento para evitar que ela congele. O cateter é deixado no lugar por várias semanas depois para permitir que a bexiga esvazie enquanto você se recupera.

Após o procedimento, você pode precisar ficar no hospital durante a noite, mas muitos homens vão para casa no mesmo dia.

A crioterapia é menos invasiva que a cirurgia, por isso geralmente há menos perda de sangue, menor tempo de internação, menor período de recuperação e menos dor. Mas em comparação com a cirurgia ou radioterapia, os médicos sabem muito menos sobre a eficácia a longo prazo da crioterapia. E como na braquiterapia, isso pode não ser uma boa opção para homens com próstatas grandes.

Possíveis efeitos colaterais da crioterapia:
Os efeitos colaterais da crioterapia tendem a ser piores se for feita em homens que já fizeram radioterapia, em comparação com homens que a fazem como primeira forma de tratamento.

A maioria dos homens tem sangue na urina por um ou dois dias após o procedimento, bem como dor na área onde as agulhas foram colocadas. Inchaço do pênis ou escroto também é comum. O congelamento também pode afetar a bexiga e o reto, o que pode causar dor, sensação de queimação e a necessidade de esvaziar a bexiga e os intestinos com frequência. A maioria dos homens recupera a função normal do intestino e da bexiga ao longo do tempo. O congelamento geralmente danifica os nervos próximos à próstata que controlam as ereções. A disfunção erétil é mais comum após a crioterapia do que após a prostatectomia radical. Para obter informações sobre como lidar com problemas de ereção e outros problemas de sexualidade, consulte Sexualidade para o homem com câncer. A incontinência urinária (com problemas para controlar a urina) é rara em homens que fazem crioterapia como seu primeiro tratamento para câncer de próstata, mas é mais comum em homens que já fizeram radioterapia.

A terapia hormonal também é chamada de terapia de supressão androgênica. O objetivo é reduzir os níveis de hormônios masculinos, chamados andrógenos, no corpo, ou impedi-los de alimentar as células cancerígenas da próstata.

Os andrógenos estimulam o crescimento das células cancerígenas da próstata. Os principais andrógenos no corpo são a testosterona e a didrotestosterona (DHT). A maioria dos andrógenos é produzida pelos testículos, mas as glândulas supra-renais (glândulas que ficam acima dos rins), bem como o próprio câncer de próstata, também podem produzir uma quantidade razoável.

Reduzir os níveis de andrógenos ou impedi-los de entrar nas células do câncer de próstata geralmente faz com que os cânceres de próstata encolham ou cresçam mais lentamente por um tempo. Mas a terapia hormonal sozinha não cura o câncer de próstata.

Quando a terapia hormonal é usada?

A terapia hormonal pode ser usada:

· Se o câncer se espalhou demais para ser curado por cirurgia ou radiação, ou se você não puder fazer esses tratamentos por algum outro motivo;

· Se o câncer permanecer ou voltar após o tratamento com cirurgia ou radioterapia

· Juntamente com a radioterapia como tratamento inicial, se você estiver em maior risco de o câncer voltar após o tratamento (com base em uma alta pontuação de Gleason, alto nível de PSA e/ou crescimento do câncer fora da próstata);

· Antes da radiação para tentar diminuir o câncer para tornar o tratamento mais eficaz.

Tipos de terapia hormonal
Vários tipos de terapia hormonal podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata. Tratamento para baixar os níveis de andrógenos testiculares. A terapia de privação de andrógenos, também chamada de ADT, usa cirurgia ou medicamentos para diminuir os níveis de andrógenos produzidos nos testículos.

Orquiectomia
Mesmo sendo um tipo de cirurgia, seu principal efeito é como forma de terapia hormonal. Nesta operação, o cirurgião remove os testículos, onde é feita a maioria dos andrógenos (como testosterona e DHT). Isso faz com que a maioria dos cânceres de próstata pare de crescer ou encolha por um tempo.

Isso é feito como um procedimento ambulatorial. É provavelmente a forma mais barata e simples de terapia hormonal. Mas, ao contrário de alguns outros tratamentos, é permanente e muitos homens têm dificuldade em aceitar a remoção de seus testículos. Por causa disso, eles podem escolher o tratamento com medicamentos que reduzem os níveis hormonais (como um agonista ou antagonista de LHRH).

Alguns homens que fazem esta cirurgia estão preocupados com a aparência depois. Se desejado, testículos artificiais que se parecem muito com os normais podem ser inseridos no escroto.

Agonistas de LHRH
Os agonistas do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH) (também chamados de análogos do LHRH ou agonistas do GnRH) são drogas que diminuem a quantidade de testosterona produzida pelos testículos. O tratamento com esses medicamentos às vezes é chamado de castração médica porque reduz os níveis de andrógenos tão bem quanto a orquiectomia.

Com esses medicamentos, os testículos permanecem no lugar, mas encolhem com o tempo e podem até ficar pequenos demais para serem sentidos.

Os agonistas de LHRH são injetados ou colocados como pequenos implantes sob a pele. Dependendo do medicamento usado, eles são administrados de uma vez por mês até uma vez a cada 6 meses. Os agonistas de LHRH disponíveis nos Estados Unidos incluem:
· Leuprolida (Lupron, Eligard);
· Goserelina (Zoladex);
· Triptorelina (Trelstar);
· Mesilato de leuprorrelina (Camcevi).

Quando os agonistas de LHRH são administrados pela primeira vez, os níveis de testosterona aumentam brevemente antes de cair para níveis muito baixos. Esse efeito, chamado tumor flare, resulta da maneira complexa como essas drogas funcionam. Homens cujo câncer se espalhou para os ossos podem ter dor óssea. Homens cuja próstata não foi removida podem ter problemas para urinar. Se o câncer se espalhou para a coluna, mesmo um aumento de curto prazo no crescimento do tumor como resultado do surto pode pressionar a medula espinhal e causar dor ou paralisia. Um surto pode ser evitado administrando medicamentos chamados antiandrogênios (discutidos abaixo) por algumas semanas ao iniciar o tratamento com agonistas de LHRH.

Antagonistas de LHRH
Antagonistas de LHRH podem ser usados ​​para tratar câncer de próstata avançado. Esses medicamentos funcionam de maneira ligeiramente diferente dos agonistas de LHRH, mas reduzem os níveis de testosterona mais rapidamente e não causam aumento do tumor como os agonistas de LHRH. O tratamento com esses medicamentos também pode ser considerado uma forma de castração médica.

Degarelix (Firmagon) é administrado como uma injeção mensal sob a pele. Alguns homens podem notar problemas no local da injeção (dor, vermelhidão e inchaço).

Relugolix (Orgovyx) é tomado como comprimidos, uma vez por dia, por isso pode permitir visitas ao consultório menos frequentes.

Possíveis efeitos colaterais
Orquiectomia e agonistas e antagonistas de LHRH podem causar efeitos colaterais semelhantes de níveis mais baixos de hormônios como a testosterona. Esses efeitos colaterais podem incluir:
· Desejo sexual reduzido ou ausente;
· Disfunção erétil (impotência);
· Encolhimento de testículos e pênis;
· Ondas de calor, que podem melhorar ou desaparecer com o tempo;
· Sensibilidade mamária e crescimento do tecido mamário (ginecomastia);
· Osteoporose (afinamento ósseo), que pode levar a ossos quebrados;
· Anemia (contagens baixas de glóbulos vermelhos);
· Diminuição da nitidez mental;
· Perda de massa muscular;
· Ganho de peso;
· Fadiga;
· Aumento dos níveis de cholesterol;
· Depressão.

Algumas pesquisas sugeriram que o risco de pressão alta, diabetes, derrames, ataques cardíacos e até morte por doença cardíaca é maior em homens tratados com terapia hormonal, embora nem todos os estudos tenham encontrado isso.

Muitos efeitos colaterais da terapia hormonal podem ser prevenidos ou tratados. Por exemplo:
· As ondas de calor geralmente podem ser aliviadas pelo tratamento com certos antidepressivos ou outros medicamentos.
· Tratamento breve de radiação nos seios pode ajudar a prevenir o aumento, mas isso não é eficaz depois que o aumento dos seios ocorre.
· Vários medicamentos podem ajudar a prevenir e tratar a osteoporose.
· A depressão pode ser tratada com antidepressivos e/ou aconselhamento.
· Exercício pode ajudar a reduzir muitos efeitos colaterais, incluindo fadiga, ganho de peso e perda de massa óssea e muscular.
· Há uma preocupação crescente de que a terapia hormonal para câncer de próstata possa levar a problemas de pensamento, concentração e/ou memória, mas isso não foi estudado completamente. Ainda assim, a terapia hormonal parece levar a problemas de memória em alguns homens. Esses problemas raramente são graves e, na maioria das vezes, afetam apenas alguns tipos de memória. Mais estudos estão sendo feitos para analisar essa questão.

Tratamento para baixar os níveis de andrógenos das glândulas supra-renais
Agonistas e antagonistas de LHRH podem impedir que os testículos produzam andrógenos, mas células em outras partes do corpo, como as glândulas supra-renais e as próprias células do câncer de próstata, ainda podem produzir hormônios masculinos, que podem alimentar o crescimento do câncer. Alguns medicamentos podem bloquear a formação de andrógenos produzidos por essas células.

A abiraterona (Zytiga) bloqueia uma enzima (proteína) chamada CYP17, que ajuda a impedir que essas células produzam andrógenos.A abiraterona pode ser usada em homens com câncer de próstata avançado que é:
· Alto risco (câncer com alto índice de Gleason, espalhado para vários pontos nos ossos ou espalhado para outros órgãos)
· Resistente à castração (câncer que ainda está crescendo apesar dos baixos níveis de testosterona de um agonista de LHRH, antagonista de LHRH ou orquiectomia)

Este medicamento é tomado como comprimidos todos os dias. Isso não impede que os testículos produzam testosterona, então os homens que não fizeram uma orquiectomia precisam continuar o tratamento com um agonista ou antagonista de LHRH. Como a abiraterona também reduz o nível de alguns outros hormônios no corpo, a prednisona (um medicamento corticosteróide) também precisa ser tomada durante o tratamento para evitar certos efeitos colaterais.

O cetoconazol (Nizoral), usado pela primeira vez no tratamento de infecções fúngicas, também bloqueia a produção de andrógenos produzidos nas glândulas supra-renais, assim como a abiraterona. É mais frequentemente usado para tratar homens recém-diagnosticados com câncer de próstata avançado que têm muito câncer no corpo, pois oferece uma maneira rápida de diminuir os níveis de testosterona. Também pode ser tentado se outras formas de terapia hormonal não estiverem mais funcionando. O cetoconazol também pode bloquear a produção de cortisol, um importante hormônio esteroide no corpo, de modo que os homens tratados com esse medicamento geralmente precisam tomar um corticosteroide (como prednisona ou hidrocortisona).

Possíveis efeitos colaterais: A abiraterona pode causar dores nas articulações ou nos músculos, pressão alta, acúmulo de líquido no corpo, ondas de calor, dor de estômago e diarreia. O cetoconazol pode causar exames de sangue do fígado elevados, náuseas, vômitos, ginecomastia (aumento do tecido mamário em homens) e erupção cutânea.

Drogas que impedem os andrógenos de funcionar

Anti-andrógenos
Para que a maioria das células do câncer de próstata cresça, os andrógenos precisam se ligar a uma proteína na célula do câncer de próstata chamada receptor de andrógeno. Os anti-andrógenos são drogas que também se conectam a esses receptores, impedindo que os andrógenos causem o crescimento do tumor. Os anti-andrógenos também são às vezes chamados de antagonistas do receptor de andrógeno. Eles são tomados diariamente na forma de pílulas.

Drogas deste tipo incluem:
· Flutamida (Eulexina);
· Bicalutamida (Casodex);
· Nilutamida (Nilandron).

Anti-andrógenos mais recentes
· Enzalutamida (Xtandi®);
· Apalutamida (Erleada®;
· Darolutamida (Nubeqa®).

Todos esses medicamentos podem ser úteis em homens com câncer que não se espalhou, mas não está mais respondendo a outras formas de terapia hormonal (conhecida como câncer de próstata não metastático resistente à castração - CRPC).

A enzalutamida também pode ser usada para câncer de próstata metastático (câncer que se espalhou), seja resistente à castração ou sensível à castração (ainda respondendo a outras formas de terapia hormonal).

Apalutamida também pode ser usada para câncer de próstata metastático sensível à castração.

Esses medicamentos são tomados como pílulas todos os dias.

Os efeitos colaterais podem incluir diarreia, fadiga, erupção cutânea e piora das ondas de calor. Esses medicamentos também podem causar alguns efeitos colaterais no sistema nervoso, incluindo tontura e, raramente, convulsões. Homens que tomam um desses medicamentos são mais propensos a cair, o que pode levar a lesões. Alguns homens também tiveram problemas cardíacos ao tomar esses novos tipos de anti-andrógenos.

Outros medicamentos supressores de andrógenos
Os estrogênios (hormônios femininos) já foram a principal alternativa para a remoção dos testículos (orquiectomia) para homens com câncer de próstata avançado. Devido aos seus possíveis efeitos colaterais (incluindo coágulos sanguíneos e aumento dos seios), os estrogênios foram substituídos por outros tipos de terapia hormonal. Ainda assim, os estrogênios podem ser tentados se outros tratamentos hormonais não estiverem mais funcionando.

A quimioterapia (quimioterapia) usa drogas anticâncer injetadas em uma veia ou administradas por via oral. Esses medicamentos viajam pela corrente sanguínea para atingir as células cancerígenas na maioria das partes do corpo.

Quando a quimioterapia é usada?
A quimioterapia às vezes é usada se o câncer de próstata se espalhou para fora da próstata e a terapia hormonal não está funcionando. Pesquisas recentes também mostraram que a quimioterapia pode ser útil se administrada junto com a terapia hormonal. A quimioterapia não é, no entanto, um tratamento padrão para o câncer de próstata em estágio inicial.

Medicamentos quimioterápicos usados ​​no tratamento do câncer de próstata

Para o câncer de próstata, os medicamentos quimioterápicos são normalmente usados ​​um de cada vez. Alguns dos medicamentos quimioterápicos incluem:
· Docetaxel (Taxotere®);
· Cabazitaxel (Jevtana®);
· Mitoxantrona (Novantrona®);
· Estramustina (Emcyt®).

Na maioria dos casos, o primeiro medicamento quimioterápico administrado é o docetaxel, combinado com o medicamento esteroide prednisona. Se isso não funcionar (ou parar de funcionar), o cabazitaxel geralmente é o próximo medicamento quimioterápico tentado (embora também possa haver outras opções de tratamento).

Demonstrou-se que o docetaxel e o cabazitaxel ajudam os homens a viver mais, em média, do que os medicamentos quimioterápicos mais antigos. Eles podem retardar o crescimento do câncer e também reduzir os sintomas, resultando em uma melhor qualidade de vida. Ainda assim, é muito improvável que a quimioterapia cure o câncer de próstata.

Outros medicamentos quimioterápicos em estudo para uso no câncer de próstata incluem carboplatina, oxaliplatina e cisplatina.

Como a quimioterapia é administrada?
Os medicamentos quimioterápicos para o câncer de próstata geralmente são administrados em uma veia (IV), seja como uma infusão durante um determinado período de tempo. Isso pode ser feito em um consultório médico, clínica de quimioterapia ou em um ambiente hospitalar. Alguns medicamentos, como a estramustina, são administrados em comprimidos.

Os médicos administram a quimioterapia em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso para que você tenha tempo de se recuperar dos efeitos das drogas. Os ciclos são mais frequentemente de 2 ou 3 semanas. A programação varia de acordo com os medicamentos utilizados. Por exemplo, com alguns medicamentos, a quimioterapia é administrada apenas no primeiro dia do ciclo. Com outros, é administrado por alguns dias seguidos ou uma vez por semana. Então, no final do ciclo, o cronograma de quimioterapia se repete para iniciar o próximo ciclo.

A duração do tratamento para o câncer de próstata avançado é baseada em quão bem ele está funcionando e quais efeitos colaterais você tem.

Possíveis efeitos colaterais da quimioterapia
Os quimioterápicos atacam as células que estão se dividindo rapidamente, e é por isso que funcionam contra as células cancerígenas. Mas outras células do corpo, como as da medula óssea (onde novas células sanguíneas são produzidas), o revestimento da boca e dos intestinos e os folículos pilosos, também se dividem rapidamente. Essas células também podem ser afetadas pela quimioterapia, o que pode levar a efeitos colaterais.

Os efeitos colaterais da quimioterapia dependem do tipo e da dose dos medicamentos administrados e por quanto tempo eles são tomados. Alguns efeitos colaterais comuns podem incluir:
· Perda de cabelo;
· Aftas;
· Perda de apetite;
· Nausea e vomito;
· Diarreia;
· Aumento da chance de infecções (por ter muito poucos glóbulos brancos);
· Fácil hematomas ou sangramento (por ter poucas plaquetas no sangue);
· Fadiga (por ter poucos glóbulos vermelhos).

Esses efeitos colaterais geralmente desaparecem após o término do tratamento. Muitas vezes, existem maneiras de diminuir esses efeitos colaterais. Por exemplo, medicamentos podem ser administrados para ajudar a prevenir ou reduzir náuseas e vômitos.

Juntamente com os riscos acima, alguns efeitos colaterais são vistos com mais frequência com certos medicamentos quimioterápicos. Por exemplo: O docetaxel e o cabazitaxel às vezes causam reações alérgicas graves. Medicamentos são administrados antes de cada tratamento para ajudar a prevenir isso. Esses medicamentos também podem danificar os nervos (conhecido como neuropatia periférica), o que pode causar dormência, formigamento ou sensação de queimação nas mãos ou nos pés. A mitoxantrona pode, muito raramente, causar leucemia vários anos depois. A estramustina acarreta um risco aumentado de coágulos sanguíneos.

Se você notar quaisquer efeitos colaterais durante a quimioterapia, informe-os à sua equipe de tratamento do câncer para que possam ser tratados imediatamente. Em alguns casos, as doses dos medicamentos quimioterápicos podem precisar ser reduzidas ou o tratamento pode precisar ser adiado ou interrompido para evitar que os efeitos piorem.

A imunoterapia é o uso de medicamentos para estimular o próprio sistema imunológico de uma pessoa a reconhecer e destruir as células cancerígenas de forma mais eficaz. Certos tipos de imunoterapia podem ser usados para tratar o câncer de próstata.

Inibidores de checkpoint imunológico
Uma parte importante do sistema imunológico é sua capacidade de evitar atacar as células normais do corpo. Para fazer isso, ele usa proteínas “checkpoint” nas células imunes, que agem como interruptores que precisam ser ligados (ou desligados) para iniciar uma resposta imune. As células cancerígenas às vezes usam esses pontos de verificação para impedir que o sistema imunológico as ataque. Mas os medicamentos que visam esses pontos de verificação são muito promissores como tratamentos contra o câncer.

Medicamentos chamados inibidores de checkpoint podem ser usados ​​para pessoas cujas células de câncer de próstata testaram positivo para alterações genéticas específicas, como um alto nível de instabilidade de microssatélites (MSI-H) ou alterações em um dos genes de reparo de incompatibilidade (MMR). Alterações nos genes MSI ou MMR (ou ambos) são frequentemente observadas em pessoas com síndrome de Lynch.

Os medicamentos são usados ​​para pessoas cujo câncer começa a crescer novamente após a quimioterapia. Eles também podem ser usados ​​para tratar pessoas cujo câncer não pode ser removido com cirurgia, voltou (recorreu) após o tratamento ou se espalhou para outras partes do corpo (metástase).

Inibidor de PD-1
Pembrolizumab (Keytruda) é um medicamento que tem como alvo o PD-1, uma proteína de checkpoint nas células do sistema imunológico chamadas células T, que normalmente ajuda a impedir que essas células ataquem as células normais do corpo. Ao bloquear o PD-1, este medicamento aumenta a resposta imune contra as células cancerígenas da próstata. Tem mostrado resultados promissores em alguns homens com câncer de próstata e continua a ser estudado. Este medicamento é administrado por infusão intravenosa (IV) a cada 2 ou 3 semanas.

Os efeitos colaterais podem incluir fadiga, tosse, náusea, coceira, erupção cutânea, diminuição do apetite, constipação, dor nas articulações e diarreia.

Outros efeitos colaterais mais graves ocorrem com menos frequência. Esta droga funciona basicamente removendo os freios do sistema imunológico do corpo. Às vezes, o sistema imunológico começa a atacar outras partes do corpo, o que pode causar problemas graves ou até mesmo fatais nos pulmões, intestinos, fígado, glândulas produtoras de hormônios, rins ou outros órgãos.

É muito importante relatar imediatamente quaisquer novos efeitos colaterais à sua equipe de saúde. Se ocorrerem efeitos colaterais graves, o tratamento pode precisar ser interrompido e você pode receber altas doses de corticosteróides para suprimir seu sistema imunológico.

A terapia alvo é um tipo de tratamento contra o câncer que usa drogas para identificar e atacar as células cancerígenas, causando pouco dano às células normais. Essas terapias atacam o funcionamento interno das células cancerígenas – a programação que as torna diferentes das células normais e saudáveis. Cada tipo de terapia alvo funciona de maneira diferente, mas todas mudam a maneira como uma célula cancerosa cresce, se divide, se repara ou interage com outras células.

Inibidores de PARP
Rucaparib (Rubraca®) e olaparib (Lynparza®) são medicamentos conhecidos como inibidores de PARP (poli(ADP)-ribose polimerase). As enzimas PARP estão normalmente envolvidas em uma via para ajudar a reparar o DNA danificado dentro das células. Os genes BRCA (BRCA1 e BRCA2) também estão normalmente envolvidos em uma via diferente de reparo do DNA, e mutações nesses genes podem bloquear essa via. Ao bloquear a via PARP, essas drogas tornam muito difícil para as células tumorais com um gene BRCA anormal reparar o DNA danificado, o que muitas vezes leva à morte dessas células. Se você não sabe se tem uma mutação BRCA, seu médico pode testar seu sangue ou saliva e seu tumor para ter certeza de que você tem a mutação de iniciar o tratamento com este medicamento.

Esses medicamentos são tomados duas vezes ao dia por via oral, como pílulas.

Rucaparib (Rubraca®) pode ser usado para tratar câncer de próstata avançado resistente à castração que cresceu após a tentativa de quimioterapia com taxano (como docetaxel ou cabazitaxel) ou antiandrógenos. Pode ser usado em homens com mutação em um dos genes BRCA. Este medicamento é administrado com um agonista de LHRH ou para homens que fizeram orquiectomia.

Olaparibe (Lynparza®) pode ser usado para tratar câncer de próstata avançado resistente à castração que cresceu após a tentativa de drogas de terapia hormonal, enzalutamida ou abiraterona. Pode ser usado em homens com mutação em um dos genes BRCA. Este medicamento é administrado com um agonista de LHRH ou para homens que fizeram orquiectomia.

Efeitos colaterais dos inibidores de PARP
Os efeitos colaterais desses medicamentos podem incluir náusea, vômito, diarreia, fadiga, perda de apetite, baixa contagem de glóbulos vermelhos (anemia), constipação, erupção cutânea, exames de sangue anormais no fígado, baixa contagem de plaquetas no sangue, tosse e falta de ar. Raramente, algumas pessoas tratadas com esses medicamentos desenvolveram câncer no sangue, como síndrome mielodisplásica ou leucemia mieloide aguda. Alguns homens que tomaram olaparibe tiveram problemas com coágulos sanguíneos nos pulmões ou nas pernas.

Se o câncer de próstata se espalhou para outras partes do corpo, quase sempre vai para os ossos primeiro. A metástase óssea pode ser dolorosa e causar outros problemas, como fraturas, compressão da medula espinhal (uma área de câncer está pressionando a medula espinhal) ou níveis elevados de cálcio no sangue, que podem ser perigosos ou até fatais.

Se o câncer cresceu fora da próstata, prevenir ou retardar a propagação do câncer para os ossos é um dos principais objetivos do tratamento. Se o câncer já atingiu os ossos, controlar ou aliviar a dor e outras complicações também é uma parte muito importante do tratamento.

Tratamentos como terapia hormonal, quimioterapia e vacinas podem ajudar com isso, mas outros tratamentos visam especificamente à metástase óssea e os problemas que podem causar.

Bisfosfonatos
Os bisfosfonatos são drogas que funcionam retardando as células ósseas chamadas osteoclastos. Essas células normalmente quebram a estrutura mineral dura dos ossos para ajudar a mantê-los saudáveis. Os osteoclastos geralmente se tornam hiperativos quando o câncer de próstata se espalha para os ossos, o que pode causar problemas. Os bisfosfonatos podem ser usados:
· Para ajudar a aliviar a dor e os altos níveis de cálcio causados ​​pelo câncer que se espalhou para os ossos;
· Para ajudar a retardar o crescimento do câncer que se espalhou para os ossos e ajudar a retardar ou prevenir fraturas;
· Para ajudar a fortalecer os ossos em homens que estão recebendo terapia hormonal.

O ácido zoledrônico (Zometa) é um bisfosfonato comumente usado para câncer de próstata. Este medicamento é administrado como uma injeção intravenosa (IV), geralmente uma vez a cada 3 ou 4 semanas, ou uma vez a cada 12 semanas. Os homens que recebem este medicamento são aconselhados a tomar um suplemento contendo cálcio e vitamina D para evitar problemas com baixos níveis de cálcio.

Às vezes, outros bisfosfonatos são usados ​​para tratar o câncer de próstata que se espalhou para os ossos.

Os bisfosfonatos podem ter efeitos colaterais, incluindo sintomas semelhantes aos da gripe e dores ósseas ou articulares. Eles também podem causar problemas renais, portanto, pacientes com função renal deficiente podem não ser tratados com esses medicamentos.

Um efeito colateral raro, mas muito grave, dessas drogas é a osteonecrose da mandíbula (ONJ). Com essa condição, parte do osso da mandíbula perde seu suprimento sanguíneo e morre. Isso pode levar à perda de dentes e infecções do osso da mandíbula que são difíceis de tratar. Algumas pessoas desenvolvem ONM quando o trabalho odontológico é feito durante o tratamento. Muitas vezes os homens são aconselhados a fazer um check-up odontológico e tratar qualquer problema dentário ou maxilar antes de começar a tomar um bisfosfonato. Manter uma boa higiene bucal usando fio dental e escovando, certificando-se de que as dentaduras se encaixam corretamente e fazer exames odontológicos regulares também podem ajudar a prevenir ONM.

Denosumabe
Denosumab (Xgeva®) é outro medicamento que pode ajudar quando o câncer de próstata se espalha para os ossos. Assim como os bisfosfonatos, o denosumabe também bloqueia os osteoclastos, mas o faz de maneira diferente. Este medicamento pode ser usado:
· Para ajudar a prevenir ou retardar problemas como fraturas em homens cujo câncer já se espalhou para os ossos. Pode ser útil mesmo se o ácido zoledrônico não estiver mais funcionando;
· Para ajudar a fortalecer os ossos em homens que estão recebendo terapia hormonal.

Este medicamento é injetado sob a pele a cada 4 semanas. Os homens que recebem este medicamento são frequentemente aconselhados a tomar um suplemento contendo cálcio e vitamina D para evitar problemas com baixos níveis de cálcio.

Os efeitos colaterais comuns incluem náusea, diarreia e sensação de fraqueza ou cansaço. Como os bisfosfonatos, o denosumabe também pode causar ONM, então os médicos recomendam tomar as mesmas precauções (como ter problemas de dentes e mandíbula tratados antes de iniciar o medicamento).

Corticosteróides
Alguns estudos sugerem que medicamentos corticosteróides (como prednisona e dexametasona) podem ajudar a aliviar a dor óssea em alguns homens. Eles também podem ajudar a diminuir os níveis de PSA. Esses medicamentos muitas vezes já fazem parte do tratamento do câncer de próstata que se espalhou.

Radioterapia externa
A radioterapia pode ajudar a reduzir a dor óssea, especialmente se a dor estiver limitada a uma ou apenas algumas áreas do osso. A radiação pode ser direcionada a tumores na coluna, o que pode ajudar a aliviar a pressão na medula espinhal em alguns casos e prevenir a paralisia. A radioterapia também pode ajudar a aliviar outros sintomas, diminuindo os tumores em outras partes do corpo.

Radiofármacos
Os radiofármacos são medicamentos que contêm elementos radioativos. Eles são injetados em uma veia e se instalam em áreas de ossos danificados (como aqueles que contêm disseminação do câncer). Uma vez lá, eles emitem radiação que mata as células cancerígenas. Esses medicamentos podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata que se espalhou para muitos ossos. Ao contrário da radiação de feixe externo, essas drogas podem atingir todos os ossos afetados ao mesmo tempo. Os radiofármacos que podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata disseminado para o osso incluem:
· Estrôncio-89 (Metastron);
· Samário-153 (Quadramete);
· Rádio-223 (Xofigo).

Todos esses medicamentos podem ajudar a aliviar a dor causada por metástases ósseas. O rádio-223 também demonstrou ajudar os homens que têm câncer de próstata com metástase óssea (em vez de se espalhar para outros órgãos, como os pulmões) a viver mais. Para esses homens, o rádio-223 pode ser uma parte inicial do tratamento.

O principal efeito colateral desses medicamentos é uma diminuição na contagem de células sanguíneas, o que pode aumentar os riscos de infecções ou sangramento, especialmente se suas contagens já estiverem baixas. Outros efeitos colaterais também foram observados, então pergunte ao seu médico o que você pode esperar.

Cirurgia
A cifoplastia é uma pequena cirurgia para estabilizar um osso colapsado doloroso em uma coluna enfraquecida pelo câncer de próstata. Durante este procedimento, uma pequena incisão é feita no meio das costas e um balão é colocado no osso espinhal fraco. O balão é preenchido primeiro com ar e depois com uma mistura semelhante a cimento (que endurece) para estabilizar o osso e a coluna.

Medicamentos para a dor
Quando prescritos corretamente, os medicamentos para a dor são muito eficazes. Eles funcionam melhor quando são tomados regularmente. Eles não funcionam tão bem se forem usados ​​apenas quando a dor se tornar intensa.

Para a maioria dos homens diagnosticados com câncer de próstata, o câncer é encontrado enquanto ainda está em estágio inicial – é pequeno e não se espalhou além da próstata. Esses homens geralmente têm várias opções de tratamento a serem consideradas.

Nem todo homem com câncer de próstata precisa ser tratado imediatamente. Se você tem câncer de próstata em estágio inicial, há muitos fatores, como sua idade e saúde geral, e a probabilidade de o câncer causar problemas para você considerar antes de decidir o que fazer. Você também deve pensar nos possíveis efeitos colaterais do tratamento e na probabilidade de incomodá-lo.

Se você é idoso ou tem outros problemas de saúde graves e seu câncer está crescendo lentamente (baixo grau), você pode achar útil pensar no câncer de próstata como uma doença crônica que provavelmente não levará à sua morte, mas pode causar sintomas que você quer evitar. Você pode pensar mais em espera vigilante ou vigilância ativa e menos em tratamentos que provavelmente causarão efeitos colaterais importantes, como radiação e cirurgia. Claro, a idade em si não é necessariamente a melhor razão para sua escolha. Muitos homens estão em boa forma mental e física aos 70 anos, enquanto alguns homens mais jovens podem não ser tão saudáveis.

Se você é mais jovem e saudável, pode estar mais disposto a aceitar possíveis efeitos colaterais do tratamento se eles oferecerem a melhor chance de cura. A maioria dos médicos acredita que cirurgia, radiação externa e braquiterapia têm aproximadamente as mesmas taxas de cura para os cânceres de próstata em estágio inicial. No entanto, cada tipo de tratamento apresenta riscos e benefícios que devem ser considerados.

A escolha entre as opções de tratamento é ainda mais complicada pelo desenvolvimento de novos tipos de cirurgia (como a prostatectomia assistida por robótica) e radioterapia (como a radiação por feixe de prótons) nos últimos anos. Muitos deles parecem muito promissores, mas há muito poucos dados de longo prazo sobre eles, o que significa que é difícil comparar sua eficácia e possíveis efeitos colaterais. Esses novos tratamentos também só podem ser feitos em centros com equipamentos especializados e médicos treinados.

Algumas coisas a considerar ao escolher entre os tratamentos:

Antes de decidir sobre o tratamento, aqui estão algumas perguntas que você pode querer fazer a si mesmo:
- Você é o tipo de pessoa que precisa fazer algo sobre seu câncer, mesmo que isso possa resultar em sérios efeitos colaterais?
- Você se sentiria confortável com espera vigilante ou vigilância ativa, mesmo que isso signifique que você pode ter mais ansiedade e precisar de consultas de acompanhamento mais frequentes no futuro?
- Você precisa saber imediatamente se seu médico conseguiu remover todo o câncer (como resultado da cirurgia)? Ou você se sente confortável em não saber os resultados do tratamento por um tempo (como é o caso da radioterapia) se isso significar não ter que fazer uma cirurgia?
- Você prefere usar a tecnologia mais recente (como cirurgia robótica ou radioterapia com feixe de prótons), que pode ter algumas vantagens? Ou você prefere ir com melhores tratamentos comprovados com os quais os médicos podem ter mais experiência?
- Quais potenciais efeitos colaterais do tratamento (incontinência, impotência, problemas intestinais) podem ser mais angustiantes para você?
- Quão importantes para você são questões como a quantidade de tempo gasto em tratamento ou recuperação?
- Se o seu tratamento inicial não for bem sucedido, quais seriam suas opções nesse ponto?

Muitos homens acham muito estressante ter que escolher entre as opções de tratamento e têm muito medo de escolher a “errada”. Em muitos casos, não existe uma única opção melhor, por isso é importante tomar o seu tempo e decidir qual é a opção certa para você.

O estágio do seu câncer é um dos fatores mais importantes na escolha da melhor forma de tratá-lo. O estágio do câncer de próstata é definido com base na extensão (quanto o câncer se espalhou) do câncer (usando as categorias T, N e M) e o nível de PSA e o escore de Gleason (Grupo de Grau) quando é diagnosticado pela primeira vez.

Você pode perguntar ao seu médico quais fatores ele está considerando ao discutir suas opções de tratamento. Alguns médicos podem recomendar opções diferentes das listadas aqui. Participar de um estudo clínico de novos tratamentos também é uma opção para muitos homens com câncer de próstata.

Grupo de risco muito baixo
Para os homens deste grupo sem outros problemas de saúde graves que possam limitar sua vida útil, a vigilância ativa é frequentemente recomendada porque é improvável que esses tumores prejudiquem o paciente, enquanto a radiação e a cirurgia podem ter efeitos colaterais que podem alterar a qualidade de vida de um homem.

Para os homens que desejam iniciar o tratamento, a radioterapia (feixe externo ou braquiterapia) ou a prostatectomia radical podem ser opções.

Grupo de baixo risco
A maioria dos homens cujos cânceres de próstata estão no grupo de baixo risco e que não têm problemas graves de saúde receberão vigilância ativa, pois muito poucos desses cânceres se espalharão para locais distantes. Outras opções, dependendo de suas preferências, incluem radioterapia (feixe externo ou braquiterapia) ou prostatectomia radical. Se os resultados após a cirurgia mostrarem que o câncer tem características que o tornam mais provável de voltar, os seguintes tratamentos podem ser considerados:
· Radiação de feixe externo para o leito da próstata (a área onde a próstata costumava descansar antes de ser removida) com ou sem terapia de privação androgênica (ADT) OU;
· Acompanhamento próximo dos níveis de PSA com o plano de considerar o tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir.

A observação costuma ser uma boa opção para homens cujo câncer não está causando nenhum sintoma e que têm outros problemas graves de saúde.

Grupo de risco intermediário
A radioterapia (feixe externo ou braquiterapia), muitas vezes com ADT, é uma opção para os homens desse grupo.

A prostatectomia radical com dissecção dos linfonodos pélvicos (PLND) também é uma opção. Dependendo dos resultados da cirurgia, os tratamentos que podem ser discutidos incluem:
· Radioterapia de feixe externo com ou sem ADT se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos ou se tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer)
· Acompanhamento próximo do nível de PSA com o plano de considerar o tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir.
· A vigilância ativa é uma opção para pessoas desse grupo cujos cânceres apresentam características favoráveis. Mas as pessoas com câncer de próstata de risco intermediário com características favoráveis ​​que estão sob vigilância ativa devem ter em mente que há um risco ligeiramente maior de o câncer se espalhar em comparação com o tratamento com radiação ou prostatectomia radical com PLND como terapia inicial.

Homens que têm outros problemas médicos graves podem escolher um tratamento menos agressivo, como apenas radiação ou observação.

Grupo de alto risco
As pessoas com câncer neste grupo podem receber:
· Radioterapia (feixe externo com braquiterapia OU apenas radiação de feixe externo) junto com ADT por 1 a 3 anos;
· Prostatectomia radical com PLND. Se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos retirados durante a cirurgia ou se tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer), a ADT com ou sem radiação pode ser recomendada. Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia ADT, observar o PSA de perto após a cirurgia pode ser considerado com o plano de considerar ADT com ou sem tratamento com radiação quando o nível de PSA aumenta;
· Para homens com outros problemas de saúde graves e sintomas de câncer de próstata, o ADT sozinho pode ser uma boa escolha. Para homens sem sintomas de câncer e que têm grandes problemas de saúde, apenas ADT, radioterapia de feixe externo ou observação são opções.

Grupo de risco muito alto
As opções de tratamento para pessoas neste grupo incluem:
· Radioterapia com feixe externo (com ou sem braquiterapia) junto com ADT por 1 a 3 anos. Às vezes, o medicamento quimioterápico docetaxel ou o medicamento hormonal abiraterona podem ser adicionados à radiação mais ADT;
· Prostatectomia radical com PLND (especialmente para homens mais jovens). Se o câncer for encontrado nos linfonodos retirados durante a cirurgia, a ADT com ou sem tratamento com radiação de feixe externo pode ser administrada. A radioterapia com ou sem ADT pode ser recomendada se o câncer não for encontrado nos gânglios linfáticos, mas tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer). Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia de ADT, observar o nível de PSA de perto após a cirurgia pode ser feito com o plano de considerar a ADT com ou sem tratamento de radiação quando o nível de PSA aumentar;
· Para homens sem sintomas do câncer, mas que têm grandes problemas de saúde, as opções de tratamento incluem ADT sozinho, radioterapia de feixe externo sozinho ou observação.

Estagio IVA
Os cânceres de estágio IVA se espalharam para os linfonodos próximos, mas não para locais distantes. Para homens saudáveis ​​o suficiente para receber tratamento ou apresentar sintomas do câncer, as opções incluem:
· Tratamento de radiação de feixe externo com ADT (com ou sem abiraterona);
· ADT com ou sem abiraterona;
· Prostatectomia radical com PLND. Se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos retirados durante a cirurgia ou tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer), a ADT com ou sem tratamento com radiação externa pode ser administrada. Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia ADT, observar o PSA de perto após a cirurgia pode ser feito com o plano de considerar ADT com ou sem tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir;
· Para homens com câncer no estágio IVA sem sintomas ou com outros problemas de saúde graves, a observação ou a ADT isoladamente podem ser recomendadas.

Estágio IVB
Os cânceres de estágio IVB se espalharam para órgãos distantes, como os ossos. A maioria dos cânceres em estágio IVB não pode ser curada, mas é tratável. Os objetivos do tratamento são manter o câncer sob controle pelo maior tempo possível e melhorar a qualidade de vida do homem.

As opções iniciais de tratamento podem incluir:
· ADT com abiraterona;
· ADT com apalutamida;
· ADT com quimioterapia, especificamente docetaxel;
· ADT com enzalutamide;
· ADT com radiação de feixe externo para o tumor na próstata;
· ADT sozinho;
·  Cirurgia (RTUP) para aliviar sintomas como sangramento ou obstrução urinária;
· Tratamentos destinados a metástases ósseas dolorosas, como radiação externa;
· Denosumab (Xgeva), um bifosfonato como o ácido zoledrônico (Zometa), radiação externa direcionada aos ossos ou um radiofármaco como rádio-223, estrôncio-89 ou samário-153;
· Observação (para aqueles que são mais velhos ou têm outros problemas de saúde graves e não apresentam sintomas importantes do câncer);

· Participar de um estudo clínico de novos tratamentos.

O tratamento do câncer de próstata em estágio IV também pode incluir tratamentos para ajudar a prevenir ou aliviar sintomas como dor de metástases ósseas com medicamentos como denosumab (Xgeva), um bifosfonato como ácido zoledrônico (Zometa) ou um radiofármaco como rádio-223, estrôncio- 89, ou samário-153.

As opções acima são para o tratamento inicial do câncer de próstata em diferentes grupos e estágios de risco. Mas se esses tratamentos não estiverem funcionando (o câncer continua a crescer e se espalhar) ou se o câncer voltar, outros tratamentos podem ser usados, como imunoterapia ou quimioterapia.

Acompanhamento dos níveis de PSA durante e após o tratamento do câncer de próstata
O nível sanguíneo do antígeno específico da próstata (PSA) de um homem geralmente é um bom indicador de quão eficaz é ou tem sido o tratamento. De um modo geral, seu nível de PSA deve ficar muito baixo após o tratamento. Mas os resultados do PSA nem sempre são confiáveis ​​e, às vezes, os médicos não têm certeza do que eles significam.

Antes de iniciar o tratamento, você pode perguntar ao seu médico o que ele espera que seu nível de PSA seja durante e após o tratamento e quais níveis podem causar preocupação. É importante saber que o nível de PSA é apenas uma parte do quadro geral. Outros fatores também podem desempenhar um papel para determinar se o câncer ainda está presente, se está crescendo ou se voltou.

Também é importante saber que os níveis de PSA às vezes podem flutuar um pouco por conta própria, mesmo durante ou após o tratamento, para que nem sempre sejam um sinal do que realmente está acontecendo com seu câncer. Compreensivelmente, muitos homens em tratamento de câncer de próstata estão muito preocupados mesmo com pequenas mudanças em seus níveis de PSA. O nível de PSA é uma ferramenta importante para monitorar o câncer, mas nem todo aumento no PSA significa que o câncer está crescendo e requer tratamento imediato. Para ajudar a limitar a ansiedade desnecessária, certifique-se de entender qual alteração no seu nível de PSA pode preocupar seu médico.

Durante a espera vigilante (observação) ou vigilância ativa
Se você escolher observação ou vigilância ativa, seu nível de PSA será monitorado de perto (provavelmente junto com outros testes) para ajudar a decidir se o câncer está crescendo e se o tratamento deve ser considerado.

Seu médico observará seu nível de PSA e a rapidez com que ele está subindo. Nem todos os médicos concordam exatamente com o nível de PSA que pode exigir ações adicionais (como uma biópsia da próstata ou tratamento). Mais uma vez, converse com seu médico para entender qual alteração no seu PSA pode ser considerado motivo de preocupação.

Depois da cirurgia
Seu PSA deve cair para um nível muito baixo ou até indetectável dentro de alguns meses após a prostatectomia radical. Como alguns pacientes podem apresentar níveis de PSA no sangue por várias semanas após a cirurgia, mesmo que todas as células da próstata tenham sido removidas, os médicos geralmente aconselham esperar pelo menos 6 a 8 semanas após a cirurgia antes de verificar o nível de PSA.

Alguns homens podem se preocupar se seu PSA ainda é detectável mesmo em um nível muito baixo após a cirurgia, mas isso nem sempre significa que o câncer ainda está no corpo. Os exames de sangue modernos de PSA podem detectar até mesmo pequenas quantidades de PSA, mas essas quantidades nem sempre podem ser significativas, especialmente se não estiverem aumentando ao longo do tempo. Pode significar apenas que você tem algumas células no corpo produzindo PSA, mas não são necessariamente células cancerígenas.

Se o seu PSA aumentar após a cirurgia, seu médico também pode querer saber o quão rápido ele está subindo. Algumas evidências mostram que os níveis de PSA mais rápidos podem ser um sinal de câncer. Homens que têm um nível de PSA que dobra dentro de um período de 3 meses tendem a ter um pior prognóstico (perspectiva) em comparação com homens cujo nível de PSA não dobra. Isso também é conhecido como tempo de duplicação do PSA.

Após a radioterapia
A radioterapia não mata todas as células da próstata, portanto, não se espera que o PSA diminua a um nível indetectável. As células normais da próstata restantes ainda produzirão algum PSA.

O padrão de queda do PSA após a radioterapia também é diferente do pós-operatório. Os níveis de PSA após a radiação tendem a cair lentamente e podem não atingir seu nível mais baixo até 2 anos ou mais após o tratamento.

Os médicos tendem a acompanhar os níveis de PSA em poucos meses para procurar tendências. Um pequeno aumento único no PSA pode causar um monitoramento mais próximo, mas pode não significar que o câncer ainda está lá (ou voltou), pois os níveis de PSA podem flutuar ligeiramente de tempos em tempos. No entanto, um PSA que está subindo em testes consecutivos após o tratamento pode indicar que o câncer ainda está lá. Alguns grupos médicos propuseram que, se o PSA subir mais de 2 ng/mL acima do nível mais baixo alcançado, um tratamento adicional deve ser considerado, mas alguns médicos podem aconselhar testes para procurar câncer no corpo, mesmo que o PSA ainda não tenha aumentado. M

Há também um fenômeno chamado ressalto de PSA que às vezes acontece após radiação de feixe externo e braquiterapia. O PSA aumenta ligeiramente por um curto período de tempo nos primeiros dois anos após o tratamento, mas depois diminui. Os médicos não sabem ao certo por que isso acontece, mas não parece afetar o prognóstico de um homem.

Durante o tratamento do câncer de próstata avançado
Quando tratamentos como terapia hormonal, quimioterapia ou imunoterapia são usados para câncer de próstata mais avançado, o nível de PSA pode ajudar a mostrar como o tratamento está funcionando ou quando pode ser hora de tentar um tratamento diferente.

Os tratamentos devem diminuir o nível de PSA (pelo menos no início), embora em alguns casos possam apenas ajudar a evitar que ele suba ainda mais, ou até mesmo retardar o aumento. Claro, outros fatores, como se você está tendo sintomas de seu câncer e se os exames de imagem mostram que ele está crescendo, também são importantes ao decidir se é hora de mudar de tratamento.

Se o câncer se espalhou para fora da próstata, o nível real de PSA geralmente não é tão importante quanto se ele muda e a rapidez com que muda. O nível de PSA em si não prevê se um homem terá ou não sintomas ou quanto tempo ele viverá. Muitos homens têm níveis de PSA muito altos e se sentem bem. Outros homens com níveis baixos de PSA podem apresentar sintomas.

Tratamento do câncer de próstata que não desaparece ou volta após o tratamento
Se o nível sanguíneo do antígeno específico da próstata (PSA) mostrar que o câncer de próstata não foi curado ou voltou (recorreu) após o tratamento inicial, o tratamento adicional muitas vezes ainda pode ser útil. O tratamento de acompanhamento dependerá de onde se acredita que o câncer esteja e de quais tratamentos você já fez. Testes de imagem, como tomografia computadorizada, ressonância magnética ou cintilografia óssea podem ser feitos para se ter uma ideia melhor sobre onde está o câncer.

Câncer que ainda esteja dentro ou ao redor da próstata
Se ainda se pensa que o câncer está apenas na área da próstata, uma segunda tentativa de curá-lo pode ser possível.

Após a cirurgia: Se você fez uma prostatectomia radical, a radioterapia pode ser uma opção, as vezes junto com a terapia hormonal.
Após a radioterapia: Se o seu primeiro tratamento foi à radiação, as opções de tratamento podem incluir crioterapia ou prostatectomia radical, mas quando esses tratamentos são feitos após a radiação, eles apresentam um risco maior de efeitos colaterais, como incontinência. Fazer radioterapia novamente geralmente não é uma opção devido ao aumento do potencial de efeitos colaterais graves, embora em alguns casos a braquiterapia possa ser uma opção como segundo tratamento após a radiação externa.

Às vezes, pode não estar claro exatamente onde o câncer restante está no corpo. Se o único sinal de recorrência do câncer é um aumento do nível de PSA (em oposição ao câncer ser visto em exames de imagem), outra opção para alguns homens pode ser a vigilância ativa em vez do tratamento ativo. O câncer de próstata geralmente cresce lentamente, portanto, mesmo que volte, pode não causar problemas por muitos anos, momento em que um tratamento adicional pode ser considerado.

Fatores como a rapidez com que o PSA está subindo e as pontuações originais de Gleason do câncer podem ajudar a prever quando o câncer pode aparecer em partes distantes do corpo e causar problemas. Se o PSA estiver subindo muito rapidamente, alguns médicos podem recomendar que você inicie o tratamento antes mesmo que o câncer possa ser visto em testes ou cause sintomas.

Se o PSA estiver subindo rápido o suficiente para justificar o tratamento, mas os tratamentos localizados (como cirurgia, radioterapia ou crioterapia) provavelmente não serão úteis, a terapia hormonal geralmente é a próxima opção. Se um tipo de terapia hormonal não for útil, outro tipo pode ser tentado.

Câncer que claramente se espalhou
Se o câncer se espalhou para fora da próstata, provavelmente irá primeiro para os linfonodos próximos e depois para os ossos. Muito menos frequentemente o câncer se espalhará para o fígado ou outros órgãos.

Quando o câncer de próstata se espalhou para outras partes do corpo (incluindo os ossos), a terapia hormonal é provavelmente o tratamento mais eficaz. Mas não é provável que cure o câncer e, em algum momento, pode parar de funcionar. Geralmente, o primeiro tratamento é um agonista do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH), antagonista do LHRH ou orquiectomia, às vezes junto com uma droga antiandrogênica ou abiraterona. Outra opção pode ser a quimioterapia junto com a terapia hormonal. Outros tratamentos destinados a metástases ósseas também podem ser usados.

Câncer de próstata resistente à castração e refratário a hormônios
A terapia hormonal costuma ser muito eficaz para diminuir ou retardar o crescimento do câncer de próstata que se espalhou, mas geralmente se torna menos eficaz com o tempo. Os médicos usam termos diferentes para descrever cânceres que não estão mais respondendo aos hormônios.

O câncer de próstata resistente à castração (CRPC) é um câncer que ainda está crescendo apesar do fato de que a terapia hormonal (uma orquiectomia ou um agonista ou antagonista de LHRH) está mantendo o nível de testosterona no corpo tão baixo quanto o que seria esperado se os testículos fossem removidos (chamados níveis de castração). O câncer ainda pode responder a outras formas de terapia hormonal.

O câncer de próstata refratário a hormônios (HRPC) é um câncer que não é mais ajudado por nenhuma forma de terapia hormonal.

Se um medicamento antiandrogênico não fazia parte da terapia hormonal inicial, geralmente é adicionado neste momento. Se um homem já está recebendo um anti-andrógeno, mas o câncer ainda está crescendo, interromper o anti-andrógeno (enquanto continua com outros tratamentos hormonais) parece ajudar às vezes.

Outras formas de terapia hormonal também podem ser úteis por um tempo, especialmente se o câncer estiver causando pouco ou nenhum sintoma. Estes incluem abiraterona (Zytiga®), enzalutamida (Xtandi®), apalutamida (Erleada®), darolutamida (Nubeqa®), cetoconazol, estrogênios (hormônios femininos) e corticosteroides.

A vacina contra o câncer de próstata sipuleucel-T (Provenge®) é outra opção para homens cujo câncer está causando pouco ou nenhum sintoma. Isso pode não diminuir os níveis de PSA, mas muitas vezes pode ajudar os homens a viver mais.

Para cânceres que não estão mais respondendo à terapia hormonal inicial e estão causando sintomas, várias opções podem estar disponíveis. A quimioterapia com o medicamento docetaxel (Taxotere®) costuma ser a primeira escolha porque demonstrou ajudar os homens a viver mais, bem como reduzir a dor. Se o docetaxel não funcionar ou parar de funcionar, outros medicamentos quimioterápicos, como cabazitaxel (Jevtana®), podem ajudar. A imunoterapia com pembrolizumabe também pode ser uma opção após a quimioterapia se o câncer for MSI-H ou dMMR. Outra opção pode ser um tipo diferente de terapia hormonal, como abiraterona, enzalutamida ou apalutamida (se ainda não foram tentadas).

O medicamento de terapia direcionada, rucaparib (Rubraca®), pode ser uma opção para homens com mutação BRCA cujo câncer de próstata resistente à castração já foi tratado com quimioterapia (que inclui um taxano) e antiandrogênios. O medicamento-alvo olaparibe (Lynparza®) é outra opção para tratar homens com mutação BRCA cujo câncer de próstata avançado resistente à castração cresceu após a tentativa de medicamentos de terapia hormonal, enzalutamida ou abiraterona.

Bisfosfonatos ou denosumabe geralmente podem ajudar se o câncer se espalhar para os ossos. Esses medicamentos podem reduzir a dor e até retardar o crescimento do câncer em muitos homens. Outros medicamentos e métodos também podem ajudar a manter a dor e outros sintomas sob controle. A radioterapia externa pode ajudar a tratar a dor óssea se for apenas em alguns pontos. Os medicamentos radiofarmacêuticos geralmente podem reduzir a dor se ela for mais generalizada e também retardar o crescimento do câncer.

Se você está com dor, não espere! Entre em contato imediatamente com seu médico e equipe de saúde.

Vários novos medicamentos promissores estão sendo testados contra o câncer de próstata, incluindo vacinas, anticorpos monoclonais e outros novos tipos de medicamentos. Como a capacidade de tratar o câncer de próstata refratário a hormônios ainda não é boa o suficiente, os homens são incentivados a explorar novas opções participando de estudos clínicos.

 

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

O Escore de Gleason (ou Classificação de Gleason)
Esta classificação é feita em função das características celulares e histológicas que constituem o tumor. Este escore varia entre  2 (menos agressivo) e 10 (mais agressivo). Quanto mais baixo o escore, menos agressivo é o tumor.

As células que, embora tumorais e malignas, são “mais parecidas” com as da próstata normal, mais diferenciadas e menos agressivas, são classificadas como grau “1”. Aquelas que apresentam características celulares já muito distintas das normais, por isso muito mais agressivas, são classificadas como de grau “5”. A classificação final (Escore de Gleason) é atribuída em função dos dois tipos celulares predominantes no tumor. O resultado final resulta da soma dos dois graus mais frequentes.

O predominante aparece em primeiro lugar. O segundo tipo histológico mais frequente aparece mencionado em segundo lugar. Assim , por exemplo, um Escore de Gleason 6 pode resultar da soma de dois graus 3 (adenocarcinoma da próstata, Gleason 6 (3+3)). O mesmo escore 6 pode resultar da soma de um 4 com um 2, embora estas diferenças não sejam tão frequentes. Um Escore de Gleason 7 pode resultar da soma 3+4 ou 4+3. Neste último caso o prognóstico é pior porque neste caso o padrão mais agressivo surge em primeiro, o que quer dizer que é o predominante.

Tumores com Gleason de 2 a 6 são de baixo risco. Os de Gleason 7 são de risco intermediário,. Já os de grau 8 a 10 são de maior risco.

O Escore da ISUP (International Society of Urological Pathology)
O Escore da ISUP foi estabelecido em 2014 através da revisão do escore de Gleason. Ele classifica os tumores em graus de 1 a 5. O Escore da ISUP provavelmente substituirá o Escore de Gleason ao longo do tempo, mas atualmente você pode ver um (ou ambos) em um relatório de patologia da biópsia.

  • Tumores grau ISUP 1 são os de Gleason ≤ 6,
  • Tumores grau ISUP 2 são os de Gleason 7 (3+4),
  • Tumores grau ISUP 3 são os de Gleason 7 (4+3),
  • Tumores grau ISUP 4 são os de Gleason 8
  • Tumores grau ISUP 5 são os de Gleason 9 ou 10.

Em alguns casos o laudo da biópsia apresenta como resultado apenas  lesão suspeita, pois não pode ser definido nem malignindade nem benignidade. Nesse caso podem estar:

  • PIN (Prostatic intraepithelial neoplasia, sigla em inglês)– Neoplasia prostática intraepitelial .Pode evoluir para cancer. É necessário acompanhamento de perto e podem ser realizadas novas biópsias.
  • ASAP (Atypical small acinar proliferation , sigla em inglês), que é a proliferação atípica de células acinares (ASAP é a sigla em inglês). Como cerca de 40% dos pacientes com ASAP terão câncer de próstata, eles devem ser acompanhados de perto.

Outros exames podem auxiliar no diagnóstico e na avaliação da extensão do câncer de próstata: ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética com bobina endorretal.

ESTADIAMENTO

ESTADIOS I E II :

  • O tumor está restrito à prostata e nao invadiu sua cápsula (ou seja, não é invasivo).
  • Tratamentos indicados:
    • Cirurgia
    • Radioterapia
    • Observação vigilante

ESTADIOS III E IVA:

  • O tumor ja infiltrou nos tecidos ao redor da próstata como:
    • vesícula seminal (estadio IIIA),
    • reto (estadio IIIB)
    • bexiga (estadio IIIC)
    • linfonodos pélvicos (estadio IVA),
  • Tratamentos indicados:
    • Radioterapia combinada com hormonioterapia.
    • Pode-se optar, em alguns casos,  pela cirurgia seguida pela radioterapia pós-operatória e, eventualmente, tratamento hormonal.
    • Nos casos mais avançados ou de maior risco se tem associado também novos agentes inibidores hormonais orais além da terapia anti-hormonal clássica injetável.

Estadio IVB:

  • O cancer atingiu os osso sou outros órgãos.
  • Tratamento indicadicado:
    • Hormonioterapia;
    • Quimioterapia quando o cancer se torna resistente ao tratamento hormonal

 

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

O que é?

O câncer de próstata é o câncer mais comum entre os homens (depois do câncer de pele), mas muitas vezes pode ser tratado com sucesso. Se você tem câncer de próstata ou está perto de alguém que tem, saber o que esperar pode ajudá-lo a lidar com isso. Aqui você pode descobrir tudo sobre o câncer de próstata, incluindo fatores de risco, sintomas, como é encontrado e como é tratado.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Fatores de Risco

Idade
A incidência aumenta a partir dos 50 anos, e a maioria dos diagnósticos é feito em pessoas com mais de 65 anos. É rara em pacientes com menos de 40 anos.

Histórico familiar
Ter um parente de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata aumenta duas vezes a probabilidade de desenvolver a doença. Se houver mais de um caso na família ou se um irmão ou pai teve o diagnóstico, o risco e maior.

Raça
Homens negros correm mais risco e tendem a desenvolver tumores mais agressivos.

Dieta
Alguns estudos sugerem que dietas ricas em gorduras e pobres em fibras, frutas e vegetais aumentam o risco. Esse ainda é um tema que gera controvérsia.

Obesidade
É possível que homens obesos corram mais risco.

Sintomas

A maioria dos cânceres de próstata são encontrados precocemente por exames de rotina. O câncer de próstata quando no início não causa sintomas. Os cânceres de próstata mais avançados às vezes podem causar sintomas, como:

• Problemas para urinar, incluindo um fluxo urinário lento ou fraco ou a necessidade de urinar com mais frequência, especialmente à noite,
• Sangue na urina ou sêmen,
• Problemas para obter uma ereção (disfunção erétil ou DE),
• Dor nos quadris, costas (coluna), peito (costelas) ou outras áreas de câncer que se espalhou para os ossos,
• Fraqueza ou dormência nas pernas ou pés, ou até mesmo perda do controle da bexiga ou do intestino devido ao câncer pressionando a medula espinhal.

A maioria desses problemas é mais provável de ser causada por algo diferente do câncer de próstata. Por exemplo, problemas para urinar são muito mais frequentemente causados ​​por hiperplasia prostática benigna (HPB), um crescimento não canceroso da próstata. Ainda assim, é importante informar ao seu médico se você tiver algum desses sintomas para que a causa possa ser encontrada e tratada, se necessário. Alguns homens podem precisar de mais testes para verificar se há câncer de próstata.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Diagnóstico

O câncer de próstata pode ser detectado precocemente?

O câncer de próstata geralmente pode ser encontrado precocemente por meio de testes de níveis de antígeno específico da próstata (PSA) no sangue de um homem. Outra maneira de encontrar o câncer de próstata é o exame de toque retal. Nesse exame, o médico coloca um dedo lubrificado e lubrificado no reto para sentir a próstata.

Se os resultados de qualquer um desses testes estiverem alterados, testes adicionais (como uma biópsia da próstata) geralmente são feitos.

Testes de rastreamento para o câncer de próstata
– Exame de sangue do antígeno prostático específico (PSA)

O antígeno prostático específico (PSA) é uma proteína produzida pelas células da próstata (células normais e células cancerígenas). O PSA é encontrado principalmente no sêmen, mas uma pequena quantidade também é encontrada no sangue.

O nível de PSA no sangue é medido em unidades chamadas nanogramas por mililitro (ng/mL). A chance de ter câncer de próstata aumenta à medida que o nível de PSA aumenta, mas não há um ponto de corte definido que possa dizer com certeza se um homem tem ou não câncer de próstata. Muitos médicos usam um ponto de corte de PSA de 4 ng/mL ou mais ao decidir se um homem pode precisar de mais testes, enquanto outros podem recomendá-lo a partir de um nível mais baixo, como 2,5 ou 3.

A maioria dos homens sem câncer de próstata tem níveis de PSA abaixo de 4 ng/mL de sangue. Quando o câncer de próstata se desenvolve, o nível de PSA geralmente fica acima de 4. Ainda assim, um nível abaixo de 4 não é garantia de que um homem não tenha câncer. Cerca de 15% dos homens com PSA abaixo de 4 terão câncer de próstata se uma biópsia for feita.

Homens com um nível de PSA entre 4 e 10 (geralmente chamado de “intervalo limítrofe”) têm cerca de 1 em 4 chances de ter câncer de próstata.

Se o PSA for superior a 10, a chance de ter câncer de próstata é superior a 50%.

Fatores que podem afetar os níveis de PSA

Uma razão pela qual é difícil usar um ponto de corte definido com o teste de PSA ao procurar câncer de próstata é que vários outros fatores além do câncer também podem afetar os níveis de PSA. Fatores que podem aumentar os níveis de PSA incluem:

  • Próstata aumentada: Condições como hiperplasia prostática benigna (HPB), um aumento não canceroso da próstata que afeta muitos homens à medida que envelhecem, podem aumentar os níveis de PSA.
  • Idade avançada: os níveis de PSA normalmente aumentam lentamente à medida que você envelhece, mesmo que você não tenha anormalidades na próstata.
  • Prostatite: Esta é uma infecção ou inflamação da próstata, que pode aumentar os níveis de PSA.
  • Ejaculação: Isso pode fazer o PSA subir por um curto período de tempo. É por isso que alguns médicos sugerem que os homens se abstenham de ejacular por um ou dois dias antes do teste.
  • Andar de bicicleta: Alguns estudos sugeriram que andar de bicicleta pode aumentar os níveis de PSA por um curto período de tempo (possivelmente porque o assento exerce pressão sobre a próstata), embora nem todos os estudos tenham encontrado isso.
  • Certos procedimentos urológicos: Alguns procedimentos realizados em consultórios médicos que afetam a próstata, como biópsia de próstata ou cistoscopia, podem aumentar os níveis de PSA por um curto período de tempo. Alguns estudos sugeriram que um exame de toque retal (DRE) pode aumentar ligeiramente os níveis de PSA, embora outros estudos não tenham encontrado isso. Ainda assim, se um teste de PSA e um DRE estiverem sendo feitos durante uma consulta médica, alguns médicos aconselham que o sangue seja coletado para o PSA antes de fazer o exame de toque retal, apenas por precaução.
  • Certos medicamentos: Tomar hormônios masculinos como a testosterona (ou outros medicamentos que aumentam os níveis de testosterona) pode causar um aumento no PSA.

Algumas coisas podem diminuir os níveis de PSA (mesmo que um homem tenha câncer de próstata):

  • Inibidores da 5-alfa redutase: Certos medicamentos usados ​​para tratar HBP ou sintomas urinários, como finasterida (Proscar ou Propecia) ou dutasterida (Avodart), podem diminuir os níveis de PSA. Esses medicamentos também podem afetar o risco de câncer de próstata (discutido em Can Prostate Cancer Be Prevented?). Informe o seu médico se estiver a tomar um destes medicamentos. Como eles podem diminuir os níveis de PSA, o médico pode precisar se ajustar a isso.
  • Misturas de ervas: Algumas misturas que são vendidas como suplementos dietéticos podem mascarar um alto nível de PSA. É por isso que é importante informar ao seu médico se você estiver tomando algum tipo de suplemento, mesmo aqueles que não são necessariamente destinados à saúde da próstata. Saw palmetto (uma erva usada por alguns homens para tratar a HBP) ​​não parece afetar o PSA.
  • Alguns outros medicamentos: Algumas pesquisas sugeriram que o uso prolongado de certos medicamentos, como aspirina, estatinas (medicamentos para baixar o colesterol) e diuréticos tiazídicos (como hidroclorotiazida) podem diminuir os níveis de PSA. Mais pesquisas são necessárias para confirmar esses achados. Se você toma algum dos medicamentos regularmente, converse com seu médico antes de parar de tomá-lo por qualquer motivo.

Para os homens que podem ser rastreados para câncer de próstata, nem sempre está claro se a redução do PSA é útil. Em alguns casos, o fator que reduz o PSA também pode diminuir o risco de câncer de próstata em um homem. Mas em outros casos, pode diminuir o nível de PSA sem afetar o risco de câncer de um homem. Isso pode realmente ser prejudicial, se reduzir o PSA de um nível anormal para um normal, pois pode resultar na não detecção de um câncer. É por isso que é importante conversar com seu médico sobre qualquer coisa que possa afetar seu nível de PSA.

Biópsia de próstata
A biópsia de próstata deve ser realizada com o paciente anestesiado. Não se pode aceitar que seja feita de outra forma. Ela é o exame mais importante para o diagnóstico do câncer de próstata.

Uma  agulha fina é inserida no reto, guiada por ultrassom acoplado a uma sonda introduzida no reto. Fragmentos  da próstata são retirados de várias partes dos lobos direito e esquerdo da próstata. O procedimento em si não é demorado, cerca de 30 minutos em média. O material recolhido é enviado então para realizaçao de exame anatomopatológico. Caso haja células malignas, as mesmas serão classificadas pelo Escore de Gleason ou pelo Escore de ISUP (International Society of Urulogical Pathology).

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Tratamento

Antes de qualquer coisa: se você foi diagnosticado com câncer de próstata, converse com seu médico sobre suas opções de tratamento. É importante discutir todas as suas opções de tratamento, incluindo seus objetivos e possíveis efeitos colaterais, para ajudar a tomar a decisão que melhor se adapta às suas necessidades.
Algumas coisas importantes a serem consideradas incluem:
• O estágio e o grau do seu câncer;
• Sua idade e expectativa de vida;
• Quaisquer outras condições graves de saúde que você tenha;
• Seus sentimentos (e a opinião do seu médico) sobre a necessidade de tratar o câncer imediatamente;
• A probabilidade de que o tratamento cure seu câncer (ou ajude de alguma outra forma);
• Seus sentimentos sobre os possíveis efeitos colaterais de cada tratamento.

Você pode sentir que deve tomar uma decisão rapidamente, mas é importante dar a si mesmo tempo para absorver as informações que acabou de aprender. Faça perguntas se houver algo que você não tenha certeza.

Se o tempo permitir, muitas vezes, é uma boa ideia procurar uma segunda opinião. Ela pode fornecer mais informações e ajudá-lo a se sentir mais confiante sobre o plano de tratamento escolhido.

Como o câncer de próstata é tratado?
O câncer de próstata é tratado de várias maneiras. O paciente, junto com o seu médico, define qual o mais adequado e viável para ele neste momento. É muito importante os pacientes e familiares entenderem sobre a doença, buscando informações precisas e confiáveis. Assim ele estará preparado para discutir sobre seu tratamento com o médico.

Abaixo as opções de tratamento:
Dependendo de cada caso, as opções de tratamento para homens com câncer de próstata podem incluir:
• Observação ou Vigilância Ativa;
• Cirurgia;
• Radioterapia;
• Crioterapia;
• Terapia Hormonal;
• Quimioterapia;
• Imunoterapia;
• Terapia Alvo;
• Tratamentos para a disseminação do câncer de próstata para os ossos.

Como o câncer de próstata geralmente cresce muito lentamente, alguns homens (especialmente aqueles que são mais idosos ou têm outros problemas de saúde graves) podem nunca precisar de tratamento. Em vez disso, seus médicos podem recomendar observação (às vezes chamada de espera vigilante) ou vigilância ativa.

Os termos vigilância ativa e observação têm definições diferentes:

• A vigilância ativa é, muitas vezes, usada para monitorar o câncer de perto. Geralmente, isso inclui uma consulta médica com um exame de sangue do antígeno específico da próstata (PSA) a cada seis meses e um exame de toque retal (DRE) pelo menos uma vez por ano. Biópsias de próstata e exames de imagem também podem ser feitos a cada um a três anos. Se os resultados do seu teste mudarem, seu médico conversará com você sobre as opções de tratamento para tentar curar o câncer.

• A observação (espera vigilante), às vezes, é usada para descrever um tipo de acompanhamento menos intensivo que pode significar menos testes e depender mais das mudanças nos sintomas de um homem para decidir se o tratamento é necessário. Este tratamento é destinado a controlar os sintomas do câncer, mas não a curá-lo. Não importa qual termo seu médico use, é muito importante que você entenda exatamente o que ele quer dizer quando se refere a ele.

Quando essas opções são usadas?

Uma dessas abordagens pode ser recomendada se o seu câncer:

• Não está causando nenhum sintoma;

• Espera-se que cresça lentamente (com base na pontuação de Gleason);

• É pequeno;

• Está apenas na próstata;

• Está associado ao baixo nível de PSA (<10ng/ml). A vigilância ativa não é uma boa opção se você tiver um câncer de crescimento rápido (por exemplo, uma pontuação de Gleason alta) ou se o câncer provavelmente se espalhar para fora da próstata (com base nos níveis de PSA). Homens jovens e saudáveis ​​são menos propensos a receber observação, por causa da preocupação de que o câncer possa se tornar um problema nos próximos anos. Observação ou vigilância ativa versus tratamento Alguns grandes estudos compararam observação (espera vigilante) (onde os homens foram tratados apenas se desenvolvessem sintomas de seu câncer) e cirurgia para câncer de próstata em estágio inicial, mas as evidências desses estudos foram mistas. Alguns descobriram que os homens que fazem cirurgia podem viver mais, enquanto outros não encontraram diferença na sobrevivência.

Prostatectomia radical aberta ou laparoscópica

Na abordagem mais tradicional da prostatectomia, chamada de prostatectomia aberta, o cirurgião opera por meio de uma única incisão longa na pele (corte) para remover a próstata e os tecidos próximos. Este tipo de cirurgia é feito com menos frequência do que no passado.

Em uma prostatectomia laparoscópica, o cirurgião faz várias incisões menores e usa ferramentas cirúrgicas longas e especiais para remover a próstata. O cirurgião segura as ferramentas diretamente ou usa um painel de controle para mover com precisão os braços robóticos que seguram as ferramentas. Esta abordagem à prostatectomia tornou-se mais comum nos últimos anos. Se realizada por cirurgiões experientes, a prostatectomia radical laparoscópica pode apresentar resultados semelhantes à abordagem aberta.

Prostatectomia aberta e Prostatectomia retropúbica radical

Para esta operação aberta, o cirurgião faz uma incisão (corte) na parte inferior do abdômen, desde o umbigo até o osso púbico, conforme mostra a figura abaixo. Você estará sob anestesia geral (dormindo), ou receberá anestesia raquidiana ou epidural (entorpecendo a metade inferior do corpo) juntamente com sedação durante a cirurgia.

Se houver uma chance razoável de o câncer ter se espalhado para os linfonodos próximos (com base no seu nível de PSA, resultados da biópsia da próstata e outros fatores), o cirurgião também pode remover alguns desses linfonodos neste momento (conhecido como linfonodo pélvico). Os materiais coletados são enviados para o laboratório para ver se eles têm células cancerosas. Se as células cancerosas forem encontradas em qualquer um dos gânglios, o cirurgião pode não continuar com a cirurgia. Isso ocorre porque é improvável que o câncer possa ser curado com cirurgia, e a remoção da próstata pode levar a sérios efeitos colaterais.

Após a remoção da próstata, enquanto você ainda está sob anestesia, um cateter (tubo fino e flexível) será colocado em seu pênis para ajudar a drenar a bexiga. O cateter geralmente permanecerá no local por 1 a 2 semanas enquanto você se recupera. Você poderá urinar por conta própria depois que o cateter for removido.

Prostatectomia radical perineal

Nesta operação aberta, o cirurgião faz o corte (incisão) na pele entre o ânus e o escroto (o períneo). Essa abordagem é usada com menos frequência porque é mais provável que leve a problemas de ereção e porque os gânglios linfáticos próximos não podem ser removidos. Mas geralmente é uma operação mais curta e pode ser uma opção se você não estiver preocupado com as ereções e não precisar remover os linfonodos. Também pode ser usado se você tiver outras condições médicas que dificultam a cirurgia retropúbica. Pode ser tão curativo quanto a abordagem retropúbica, se feito corretamente. A operação perineal pode resultar em menos dor e uma recuperação mais fácil do que a prostatectomia retropúbica.

Após a cirurgia, enquanto você ainda está anestesiado, um cateter será colocado em seu pênis para ajudar a drenar sua bexiga. O cateter geralmente permanece no lugar por 1 a 2 semanas enquanto você está se recuperando. Você poderá urinar por conta própria depois que o cateter for removido.

Prostatectomia laparoscópica

Se você está pensando no tratamento com cirurgia laparoscópica, é importante entender o que se sabe e o que ainda não se sabe sobre essa abordagem. Os fatores mais importantes provavelmente serão a habilidade e a experiência do seu cirurgião. Se você decidir que a cirurgia laparoscópica é o tratamento certo para você, certifique-se de encontrar um cirurgião com muita experiência.

Prostatectomia radical laparoscópica

Para uma prostatectomia radical laparoscópica (PRL), o cirurgião insere instrumentos longos especiais através de várias pequenas incisões na parede abdominal para remover a próstata. Um dos instrumentos possui uma pequena câmera de vídeo na ponta, que permite ao cirurgião ver o interior do corpo.

A prostatectomia laparoscópica tem algumas vantagens sobre a prostatectomia radical aberta, incluindo menos perda de sangue e dor, menor tempo de internação (geralmente não mais de um dia), tempos de recuperação mais rápidos e o cateter precisará permanecer na bexiga por menos tempo.

As taxas de efeitos colaterais importantes da PRL como problemas de ereção e dificuldade em segurar a urina (incontinência), parecem ser aproximadamente as mesmas das prostatectomias abertas. A recuperação do controle da bexiga pode ser um pouco demorada com esta abordagem.

Embora sejam necessários mais estudos de longo prazo para comparar os efeitos colaterais e as chances de recorrência entre a prostatectomia aberta e a PRL, o sucesso de qualquer procedimento parece ser determinado principalmente pela experiência e habilidade do cirurgião.

Prostatectomia radical laparoscópica assistida por robô

Nesta abordagem, também conhecida como prostatectomia robótica, a cirurgia laparoscópica é feita por meio de um sistema robótico. O cirurgião se senta em um painel de controle na sala de cirurgia e move braços robóticos para operar através de várias pequenas incisões no abdômen do paciente.

A prostatectomia robótica tem vantagens sobre a abordagem aberta em termos de menos dor, perda de sangue e tempo de recuperação. Mas em termos dos efeitos colaterais com os quais os homens estão mais preocupados, como problemas urinários ou de ereção, não parece haver diferença entre a prostatectomia robótica e outras abordagens.

Para o cirurgião, o sistema robótico pode fornecer mais manobrabilidade e precisão ao mover os instrumentos do que a PRL padrão. Ainda assim, o fator mais importante no sucesso de qualquer tipo de cirurgia laparoscópica é a experiência e habilidade do cirurgião.

Ressecção transuretral da próstata (RTPU)

Esta operação é mais usada para tratar homens com aumento não canceroso da próstata chamado hiperplasia prostática benigna (HBP). Mas às vezes também é usado em homens com câncer de próstata avançado para ajudar a aliviar os sintomas, como dificuldade para urinar (não é usado para tentar curar o câncer).

Durante esta operação, o cirurgião remove a parte interna da próstata que envolve a uretra (o tubo através do qual a urina sai da bexiga). A pele não é cortada com esta cirurgia. Um instrumento chamado ressectoscópio é passado através da ponta do pênis até a uretra até o nível da próstata. Uma vez que está no lugar, a eletricidade é passada através de um fio para aquecê-lo ou um laser é usado para cortar ou vaporizar o tecido. A anestesia espinhal (que adormece a metade inferior do corpo) ou anestesia geral (onde você está dormindo) é usada.

A operação geralmente leva cerca de uma hora. Após a cirurgia, um cateter (tubo fino e flexível) é inserido através do pênis e na bexiga. Ele permanece no local por cerca de um dia para ajudar a drenar a urina enquanto a próstata cura. Geralmente, você pode deixar o hospital após 1 a 2 dias e retornar às atividades normais em 1 a 2 semanas. Você provavelmente terá um pouco de sangue na urina após a cirurgia.

Riscos da cirurgia de próstata

Os riscos como qualquer tipo de prostatectomia radical são muito parecidos com os de qualquer cirurgia de grande porte. Os problemas durante ou logo após a operação podem incluir:

·      Reações à anestesia;

·      Sangramento da cirurgia;

·      Coágulos de sangue nas pernas ou pulmões;

·      Danos a órgãos próximos;

·      Infecções no local da cirurgia.

Raramente, parte do intestino pode ser lesada durante a cirurgia, o que pode levar a infecções no abdômen e pode exigir mais cirurgia para corrigir. Lesões intestinais são mais comuns com cirurgias laparoscópicas e robóticas do que com a abordagem aberta.

Se os linfonodos forem removidos, uma coleção de fluido linfático (chamada linfocele) pode se formar e pode precisar ser drenada.

Efeitos colaterais da cirurgia de próstata

Os principais efeitos colaterais possíveis da prostatectomia radical são incontinência urinária (incapaz de controlar a urina) e disfunção erétil (impotência; problemas para obter ou manter ereções). Esses efeitos colaterais também podem ocorrer com outras formas de tratamento do câncer de próstata.

Incontinência urinária: Você pode não conseguir controlar sua urina ou pode ter vazamento ou gotejamento. Ser incontinente pode afetá-lo não apenas fisicamente, mas também emocionalmente e socialmente. Estes são os principais tipos de incontinência:

·      Homens com incontinência de estresse podem vazar urina quando tossem, riem, espirram ou se exercitam. A incontinência de esforço é o tipo mais comum após a cirurgia de próstata. Geralmente é causado por problemas com a válvula que mantém a urina na bexiga (o esfíncter da bexiga). Os tratamentos de câncer de próstata podem danificar esta válvula ou os nervos que mantêm a válvula funcionando;

·      Homens com incontinência por transbordamento têm problemas para esvaziar a bexiga. Eles demoram muito para urinar e têm um fluxo pingando com pouca força. A incontinência por transbordamento geralmente é causada pelo bloqueio ou estreitamento da saída da bexiga por tecido cicatricial;

·      Homens com incontinência de urgência têm uma necessidade repentina de urinar. Isso acontece quando a bexiga se torna muito sensível ao alongamento à medida que se enche de urina.

Raramente após a cirurgia, os homens perdem toda a capacidade de controlar sua urina. Isso é chamado de incontinência contínua.

Após a cirurgia para câncer de próstata, o controle normal da bexiga geralmente retorna dentro de algumas semanas ou meses. Essa recuperação geralmente ocorre lentamente ao longo do tempo.

Grandes centros de câncer, onde a cirurgia de próstata é feita com frequência e os cirurgiões têm muita experiência, geralmente relatam menos problemas com incontinência.

A incontinência pode ser tratada. Mesmo que sua incontinência não possa ser corrigida.

Disfunção erétil (impotência): As ereções são controladas por 2 pequenos feixes de nervos que correm em ambos os lados da próstata. Se você pode ter ereções antes da cirurgia, o cirurgião tentará não ferir esses nervos durante a prostatectomia. Isso é conhecido como uma abordagem poupadora de nervos. Mas se o câncer estiver crescendo nos nervos ou muito perto deles, o cirurgião precisará removê-los.

Se ambos os nervos forem removidos, você não poderá ter ereções espontâneas, mas ainda poderá ter ereções usando algumas das ajudas descritas abaixo. Se os nervos de apenas um lado forem removidos, você ainda poderá ter ereções, mas a chance é menor do que se nenhum deles fosse removido. Se nenhum feixe nervoso for removido, você poderá ter ereções normais em algum momento após a cirurgia.

Sua capacidade de ter uma ereção após a cirurgia depende de sua idade, sua capacidade de obter uma ereção antes da operação e se os nervos foram cortados. Todos os homens podem esperar alguma diminuição na capacidade de ter uma ereção, mas quanto mais jovem você for, maior a probabilidade de manter essa capacidade.

Os cirurgiões que fazem muitas prostatectomias radicais tendem a relatar taxas mais baixas de impotência do que os médicos que fazem a cirurgia com menos frequência. Uma ampla gama de taxas de impotência foi relatada na literatura médica, mas a situação de cada homem é diferente, então a melhor maneira de ter uma ideia de suas chances de recuperar as ereções é perguntar ao seu médico sobre suas taxas de sucesso e qual o resultado. É provável que seja no seu caso.

Se sua capacidade de ter ereções retornar após a cirurgia, geralmente retorna lentamente. Na verdade, pode levar de alguns meses até 2 anos. Durante os primeiros meses, você provavelmente não conseguirá ter uma ereção espontânea, então você pode precisar usar medicamentos ou outros tratamentos.

A maioria dos médicos sente que a recuperação da potência é ajudada ao tentar obter uma ereção o mais rápido possível, uma vez que o corpo tenha a chance de se curar (geralmente várias semanas após a operação). Alguns médicos chamam isso de reabilitação peniana. Medicamentos podem ser úteis neste momento. Certifique-se de conversar com seu médico sobre sua situação.

Existem várias opções para tratar a disfunção erétil:

Inibidores da fosfodiesterase-5 (PDE5) como sildenafil (Viagra), vardenafil (Levitra), tadalafil (Cialis) e avanafil (Stendra) são pílulas que podem ajudar nas ereções. Esses medicamentos não funcionarão se os dois nervos que controlam as ereções forem danificados ou removidos. Os efeitos colaterais comuns desses medicamentos são dor de cabeça, rubor (a pele fica vermelha e quente), dor de estômago, sensibilidade à luz e nariz escorrendo ou entupido. Raramente, esses medicamentos podem causar problemas de visão, possivelmente até cegueira. Alguns outros medicamentos como nitratos, que são medicamentos usados para tratar doenças cardíacas, podem causar problemas se você estiver tomando um inibidor de PDE5, portanto, certifique-se de que seu médico saiba quais medicamentos você toma.

Alprostadil é uma versão artificial da prostaglandina E1, uma substância produzida naturalmente no corpo que pode produzir ereções. Pode ser injetado quase sem dor na base do pênis 5 a 10 minutos antes da relação sexual ou colocado na ponta do pênis como um supositório. Você pode até aumentar a dosagem para prolongar a ereção. Você pode ter efeitos colaterais, como dor, tontura e ereção prolongada, mas geralmente não são graves.

Os implantes penianos podem restaurar sua capacidade de ter ereções se outros métodos não ajudarem. É necessária uma operação para colocá-los dentro do pênis. Existem vários tipos de implantes penianos, incluindo aqueles que usam hastes de silicone ou dispositivos infláveis.

Alterações no orgasmo: Após a cirurgia, a sensação de orgasmo ainda deve ser prazerosa, mas não há ejaculação de sêmen – o orgasmo é “seco”. Isso porque as glândulas que produziam a maior parte do fluido para o sêmen (as vesículas seminais e a próstata) foram removidas durante a prostatectomia, e as vias utilizadas pelos espermatozoides (os vasos deferentes) foram cortadas. Em alguns homens, o orgasmo torna-se menos intenso ou desaparece completamente. Com menos frequência, os homens relatam dor com o orgasmo.

Perda de fertilidade: a prostatectomia radical corta os vasos deferentes, que são os caminhos entre os testículos (onde os espermatozoides são produzidos) e a uretra (através da qual os espermatozoides saem do corpo). Seus testículos ainda produzirão esperma, mas não podem deixar o corpo como parte da ejaculação. Isso significa que um homem não pode mais gerar um filho da maneira natural. Muitas vezes, isso não é um problema, pois os homens com câncer de próstata tendem a ser mais idosos. Mas se é uma preocupação para você, pergunte ao seu médico sobre o “banco” do seu esperma antes da operação.

Linfedema: Esta é uma complicação rara, mas possível, da remoção de muitos dos gânglios linfáticos ao redor da próstata. Os gânglios linfáticos normalmente fornecem uma maneira de o fluido retornar ao coração de todas as áreas do corpo. Quando os nódulos são removidos, o fluido pode se acumular nas pernas ou na região genital ao longo do tempo, causando inchaço e dor. O linfedema geralmente pode ser tratado com fisioterapia, embora possa não desaparecer completamente.

Mudança no comprimento do pênis: Um possível efeito da cirurgia é uma pequena diminuição no comprimento do pênis. Isso provavelmente se deve a um encurtamento da uretra quando uma parte dela é removida junto com a próstata.

Hérnia inguinal: Uma prostatectomia aumenta as chances de um homem desenvolver uma hérnia inguinal (virilha) no futuro.

A radioterapia usa raios ou partículas de alta energia para matar as células cancerígenas. Dependendo do estágio do câncer de próstata e outros fatores, a radioterapia pode ser usada:

· Como o primeiro tratamento para o câncer que ainda está apenas na próstata e é de baixo grau. As taxas de cura para homens com esses tipos de câncer são aproximadamente as mesmas que para homens tratados com prostatectomia radical;

· Como parte do primeiro tratamento (junto com a terapia hormonal) para cânceres que cresceram fora da próstata e nos tecidos próximos;

· Se o câncer não for removido completamente ou voltar (recorrer) na área da próstata após a cirurgia;

· Se o câncer estiver avançado, para ajudar a manter o câncer sob controle pelo maior tempo possível, e para ajudar a prevenir ou aliviar os sintomas.

Tipos de radioterapia

Os principais tipos de radioterapia utilizados para o câncer de próstata são:

· Radiação de feixe externo;

· Braquiterapia (radiação interna). Outro tipo de radioterapia, na qual um medicamento contendo radiação é injetado no corpo;

· Radioterapia com Feixe Externo (EBRT). Na EBRT, os feixes de radiação são focados na próstata de uma máquina fora do corpo. Esse tipo de radiação pode ser usado para tentar curar cânceres em estágio inicial ou para ajudar a aliviar sintomas como dor óssea se o câncer se espalhar para uma área específica do osso. Você geralmente fará tratamento 5 dias por semana em um centro ambulatorial por pelo menos várias semanas, dependendo do motivo pelo qual a radiação está sendo administrada. Cada tratamento é como obter um raio-x. A radiação é mais forte do que a usada para um raio-x, mas o procedimento geralmente é indolor. Cada tratamento dura apenas alguns minutos, embora o tempo de preparação – colocando você no lugar para o tratamento – demore mais. As técnicas mais recentes de EBRT concentram a radiação com mais precisão no tumor. Isso permite que os médicos administrem doses mais altas de radiação ao tumor, reduzindo a exposição à radiação nos tecidos saudáveis ​​​​próximos;

· Terapia de radiação conformada tridimensional (3D-CRT) – O 3D-CRT usa computadores especiais para mapear com precisão a localização de sua próstata. Os feixes de radiação são então moldados e direcionados para a próstata de várias direções, o que torna menos provável que danifique os tecidos e órgãos normais circundantes;

· Radioterapia de intensidade modulada (IMRT) - IMRT, uma forma avançada de terapia 3D-CRT, é o tipo mais comum de radioterapia de feixe externo para câncer de próstata. Ele usa uma máquina acionada por computador que se move ao redor do paciente enquanto fornece radiação. Além de moldar os feixes e direcioná-los para a próstata de vários ângulos, a intensidade (força) dos feixes pode ser ajustada para limitar as doses de radiação que atingem os tecidos normais próximos. Isso permite que os médicos apliquem uma dose de radiação ainda maior ao câncer.

Algumas máquinas de radiação mais recentes têm scanners de imagem embutidos. Esse avanço, conhecido como terapia de radiação guiada por imagem (IGRT), permite que o médico tire fotos da próstata antes de aplicar a radiação para fazer pequenos ajustes na mira. Isso parece ajudar a fornecer a radiação de forma ainda mais precisa e resulta em menos efeitos colaterais.

Uma variação da IMRT é chamada de terapia de arco modulado volumétrico (VMAT). Ele usa uma máquina que fornece radiação rapidamente enquanto gira uma vez ao redor do corpo. Isso permite que cada tratamento seja administrado em apenas alguns minutos. Embora isso possa ser mais conveniente para o paciente, ainda não se mostrou mais eficaz do que a IMRT regular.

· Radioterapia estereotáxica corporal (SBRT) -Essa técnica usa técnicas avançadas guiadas por imagem para fornecer grandes doses de radiação a uma área precisa, como a próstata. Como há grandes doses de radiação em cada dose, todo o curso do tratamento é administrado em apenas alguns dias. SBRT é frequentemente conhecido pelos nomes das máquinas que fornecem a radiação, como Gamma Knife®, X-Knife®, CyberKnife® e Clinac®. A principal vantagem do SBRT sobre o IMRT é que o tratamento leva menos tempo (dias em vez de semanas). Os efeitos colaterais, porém, não são melhores. De fato, algumas pesquisas mostraram que alguns efeitos colaterais podem ser piores com o SBRT do que com o IMRT;

· Radioterapia com feixe de protons - A terapia com feixe de prótons concentra feixes de prótons em vez de raios-x no câncer. Ao contrário dos raios X, que liberam energia antes e depois de atingirem o alvo, os prótons causam poucos danos aos tecidos pelos quais passam e liberam sua energia somente depois de percorrer uma certa distância. Isso significa que a radiação do feixe de prótons pode, em teoria, fornecer mais radiação à próstata enquanto causa menos danos aos tecidos normais próximos. A radiação do feixe de prótons pode ser direcionada com técnicas semelhantes ao 3D-CRT e IMRT. Embora, em teoria, a terapia com feixe de prótons possa ser mais eficaz do que o uso de raios-x, até agora os estudos não mostraram se isso é verdade. No momento, a terapia com feixe de prótons não está amplamente disponível. As máquinas necessárias para fazer prótons são muito caras e não estão disponíveis em muitos centros nos Estados Unidos. A radiação do feixe de prótons pode não ser coberta por todas as companhias de seguros neste momento.

Possíveis efeitos colaterais:

Problemas intestinais: A radiação pode irritar o reto e causar uma condição chamada proctite por radiação. Isso pode levar a diarreia, às vezes com sangue nas fezes e vazamento retal. A maioria desses problemas desaparece com o tempo, mas em casos raros a função intestinal normal não retorna. Para ajudar a diminuir os problemas intestinais, você pode ser instruído a seguir uma dieta especial durante a radioterapia para ajudar a limitar o movimento intestinal durante o tratamento. Às vezes, um dispositivo tipo balão ou gel é colocado entre o reto e a próstata antes do tratamento para atuar como um espaçador e diminuir a quantidade de radiação que atinge o reto.

Problemas urinários: A radiação pode irritar a bexiga e levar a uma condição chamada cistite por radiação. Você pode precisar urinar com mais frequência, sentir uma sensação de queimação ao urinar e/ou encontrar sangue na urina. Os problemas urinários geralmente melhoram com o tempo, mas em alguns homens eles nunca desaparecem.

Alguns homens desenvolvem incontinência urinária após o tratamento, o que significa que não conseguem controlar a urina ou têm vazamento ou gotejamento. Conforme descrito na seção de cirurgia, existem diferentes níveis e tipos de incontinência. No geral, esse efeito colateral ocorre com menos frequência com a radioterapia do que após a cirurgia. O risco é baixo no início, mas aumenta a cada ano durante vários anos após o tratamento.

Raramente, o tubo que transporta a urina da bexiga para fora do corpo (a uretra) pode ficar muito estreito ou até mesmo fechado, o que é conhecido como estenose uretral. Isso pode exigir tratamento adicional para abri-lo novamente.

Problemas de ereção, incluindo impotência: Depois de alguns anos, a taxa de impotência após a radiação é aproximadamente a mesma após a cirurgia. Problemas com ereções geralmente não ocorrem logo após a radioterapia, mas se desenvolvem lentamente ao longo do tempo. Isso é diferente da cirurgia, onde a impotência ocorre imediatamente e pode melhorar com o tempo.

Assim como na cirurgia, quanto mais idoso você for, maior a probabilidade de ter problemas de ereção. Problemas de ereção muitas vezes podem ser ajudados por tratamentos como os listados na seção de cirurgia, incluindo medicamentos.

Sensação de cansaço: a radioterapia pode causar fadiga que pode não desaparecer até algumas semanas ou meses após a interrupção do tratamento.

Linfedema: os linfonodos normalmente fornecem uma maneira de o fluido retornar ao coração de todas as áreas do corpo. Se os gânglios linfáticos ao redor da próstata forem danificados pela radiação, o fluido pode se acumular nas pernas ou na região genital ao longo do tempo, causando inchaço e dor. O linfedema geralmente pode ser tratado com fisioterapia, embora possa não desaparecer completamente.

A crioterapia (também chamada de criocirurgia ou crioablação) é o uso de temperaturas muito frias para congelar e matar as células cancerígenas da próstata, bem como a maior parte da próstata. Mesmo que às vezes seja chamado de criocirurgia, na verdade não é um tipo de cirurgia.

Quando a crioterapia é usada?
A crioterapia, às vezes, é usada se o câncer voltou após a radioterapia. Pode ser uma opção para tratar homens com câncer de próstata em estágio inicial de baixo risco que não podem fazer cirurgia ou radioterapia. No entanto, a maioria dos médicos não usa a crioterapia como o primeiro tratamento para o câncer de próstata.

Como é feita a crioterapia?
Este tipo de procedimento requer anestesia peridural (a metade inferior do corpo está anestesiada) ou anestesia geral (você está dormindo).

O médico usa o ultrassom transretal (TRUS) para guiar várias sondas ocas (agulhas) através da pele entre o ânus e o escroto até a próstata. Gases muito frios são então passados ​​pelas agulhas para congelar e destruir a próstata. Para ter certeza de que a próstata é destruída sem muito dano aos tecidos próximos, o médico observa cuidadosamente o ultrassom durante o procedimento. Água salgada morna é passada através de um cateter na uretra durante o procedimento para evitar que ela congele. O cateter é deixado no lugar por várias semanas depois para permitir que a bexiga esvazie enquanto você se recupera.

Após o procedimento, você pode precisar ficar no hospital durante a noite, mas muitos homens vão para casa no mesmo dia.

A crioterapia é menos invasiva que a cirurgia, por isso geralmente há menos perda de sangue, menor tempo de internação, menor período de recuperação e menos dor. Mas em comparação com a cirurgia ou radioterapia, os médicos sabem muito menos sobre a eficácia a longo prazo da crioterapia. E como na braquiterapia, isso pode não ser uma boa opção para homens com próstatas grandes.

Possíveis efeitos colaterais da crioterapia:
Os efeitos colaterais da crioterapia tendem a ser piores se for feita em homens que já fizeram radioterapia, em comparação com homens que a fazem como primeira forma de tratamento.

A maioria dos homens tem sangue na urina por um ou dois dias após o procedimento, bem como dor na área onde as agulhas foram colocadas. Inchaço do pênis ou escroto também é comum. O congelamento também pode afetar a bexiga e o reto, o que pode causar dor, sensação de queimação e a necessidade de esvaziar a bexiga e os intestinos com frequência. A maioria dos homens recupera a função normal do intestino e da bexiga ao longo do tempo. O congelamento geralmente danifica os nervos próximos à próstata que controlam as ereções. A disfunção erétil é mais comum após a crioterapia do que após a prostatectomia radical. Para obter informações sobre como lidar com problemas de ereção e outros problemas de sexualidade, consulte Sexualidade para o homem com câncer. A incontinência urinária (com problemas para controlar a urina) é rara em homens que fazem crioterapia como seu primeiro tratamento para câncer de próstata, mas é mais comum em homens que já fizeram radioterapia.

A terapia hormonal também é chamada de terapia de supressão androgênica. O objetivo é reduzir os níveis de hormônios masculinos, chamados andrógenos, no corpo, ou impedi-los de alimentar as células cancerígenas da próstata.

Os andrógenos estimulam o crescimento das células cancerígenas da próstata. Os principais andrógenos no corpo são a testosterona e a didrotestosterona (DHT). A maioria dos andrógenos é produzida pelos testículos, mas as glândulas supra-renais (glândulas que ficam acima dos rins), bem como o próprio câncer de próstata, também podem produzir uma quantidade razoável.

Reduzir os níveis de andrógenos ou impedi-los de entrar nas células do câncer de próstata geralmente faz com que os cânceres de próstata encolham ou cresçam mais lentamente por um tempo. Mas a terapia hormonal sozinha não cura o câncer de próstata.

Quando a terapia hormonal é usada?

A terapia hormonal pode ser usada:

· Se o câncer se espalhou demais para ser curado por cirurgia ou radiação, ou se você não puder fazer esses tratamentos por algum outro motivo;

· Se o câncer permanecer ou voltar após o tratamento com cirurgia ou radioterapia

· Juntamente com a radioterapia como tratamento inicial, se você estiver em maior risco de o câncer voltar após o tratamento (com base em uma alta pontuação de Gleason, alto nível de PSA e/ou crescimento do câncer fora da próstata);

· Antes da radiação para tentar diminuir o câncer para tornar o tratamento mais eficaz.

Tipos de terapia hormonal
Vários tipos de terapia hormonal podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata. Tratamento para baixar os níveis de andrógenos testiculares. A terapia de privação de andrógenos, também chamada de ADT, usa cirurgia ou medicamentos para diminuir os níveis de andrógenos produzidos nos testículos.

Orquiectomia
Mesmo sendo um tipo de cirurgia, seu principal efeito é como forma de terapia hormonal. Nesta operação, o cirurgião remove os testículos, onde é feita a maioria dos andrógenos (como testosterona e DHT). Isso faz com que a maioria dos cânceres de próstata pare de crescer ou encolha por um tempo.

Isso é feito como um procedimento ambulatorial. É provavelmente a forma mais barata e simples de terapia hormonal. Mas, ao contrário de alguns outros tratamentos, é permanente e muitos homens têm dificuldade em aceitar a remoção de seus testículos. Por causa disso, eles podem escolher o tratamento com medicamentos que reduzem os níveis hormonais (como um agonista ou antagonista de LHRH).

Alguns homens que fazem esta cirurgia estão preocupados com a aparência depois. Se desejado, testículos artificiais que se parecem muito com os normais podem ser inseridos no escroto.

Agonistas de LHRH
Os agonistas do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH) (também chamados de análogos do LHRH ou agonistas do GnRH) são drogas que diminuem a quantidade de testosterona produzida pelos testículos. O tratamento com esses medicamentos às vezes é chamado de castração médica porque reduz os níveis de andrógenos tão bem quanto a orquiectomia.

Com esses medicamentos, os testículos permanecem no lugar, mas encolhem com o tempo e podem até ficar pequenos demais para serem sentidos.

Os agonistas de LHRH são injetados ou colocados como pequenos implantes sob a pele. Dependendo do medicamento usado, eles são administrados de uma vez por mês até uma vez a cada 6 meses. Os agonistas de LHRH disponíveis nos Estados Unidos incluem:
· Leuprolida (Lupron, Eligard);
· Goserelina (Zoladex);
· Triptorelina (Trelstar);
· Mesilato de leuprorrelina (Camcevi).

Quando os agonistas de LHRH são administrados pela primeira vez, os níveis de testosterona aumentam brevemente antes de cair para níveis muito baixos. Esse efeito, chamado tumor flare, resulta da maneira complexa como essas drogas funcionam. Homens cujo câncer se espalhou para os ossos podem ter dor óssea. Homens cuja próstata não foi removida podem ter problemas para urinar. Se o câncer se espalhou para a coluna, mesmo um aumento de curto prazo no crescimento do tumor como resultado do surto pode pressionar a medula espinhal e causar dor ou paralisia. Um surto pode ser evitado administrando medicamentos chamados antiandrogênios (discutidos abaixo) por algumas semanas ao iniciar o tratamento com agonistas de LHRH.

Antagonistas de LHRH
Antagonistas de LHRH podem ser usados ​​para tratar câncer de próstata avançado. Esses medicamentos funcionam de maneira ligeiramente diferente dos agonistas de LHRH, mas reduzem os níveis de testosterona mais rapidamente e não causam aumento do tumor como os agonistas de LHRH. O tratamento com esses medicamentos também pode ser considerado uma forma de castração médica.

Degarelix (Firmagon) é administrado como uma injeção mensal sob a pele. Alguns homens podem notar problemas no local da injeção (dor, vermelhidão e inchaço).

Relugolix (Orgovyx) é tomado como comprimidos, uma vez por dia, por isso pode permitir visitas ao consultório menos frequentes.

Possíveis efeitos colaterais
Orquiectomia e agonistas e antagonistas de LHRH podem causar efeitos colaterais semelhantes de níveis mais baixos de hormônios como a testosterona. Esses efeitos colaterais podem incluir:
· Desejo sexual reduzido ou ausente;
· Disfunção erétil (impotência);
· Encolhimento de testículos e pênis;
· Ondas de calor, que podem melhorar ou desaparecer com o tempo;
· Sensibilidade mamária e crescimento do tecido mamário (ginecomastia);
· Osteoporose (afinamento ósseo), que pode levar a ossos quebrados;
· Anemia (contagens baixas de glóbulos vermelhos);
· Diminuição da nitidez mental;
· Perda de massa muscular;
· Ganho de peso;
· Fadiga;
· Aumento dos níveis de cholesterol;
· Depressão.

Algumas pesquisas sugeriram que o risco de pressão alta, diabetes, derrames, ataques cardíacos e até morte por doença cardíaca é maior em homens tratados com terapia hormonal, embora nem todos os estudos tenham encontrado isso.

Muitos efeitos colaterais da terapia hormonal podem ser prevenidos ou tratados. Por exemplo:
· As ondas de calor geralmente podem ser aliviadas pelo tratamento com certos antidepressivos ou outros medicamentos.
· Tratamento breve de radiação nos seios pode ajudar a prevenir o aumento, mas isso não é eficaz depois que o aumento dos seios ocorre.
· Vários medicamentos podem ajudar a prevenir e tratar a osteoporose.
· A depressão pode ser tratada com antidepressivos e/ou aconselhamento.
· Exercício pode ajudar a reduzir muitos efeitos colaterais, incluindo fadiga, ganho de peso e perda de massa óssea e muscular.
· Há uma preocupação crescente de que a terapia hormonal para câncer de próstata possa levar a problemas de pensamento, concentração e/ou memória, mas isso não foi estudado completamente. Ainda assim, a terapia hormonal parece levar a problemas de memória em alguns homens. Esses problemas raramente são graves e, na maioria das vezes, afetam apenas alguns tipos de memória. Mais estudos estão sendo feitos para analisar essa questão.

Tratamento para baixar os níveis de andrógenos das glândulas supra-renais
Agonistas e antagonistas de LHRH podem impedir que os testículos produzam andrógenos, mas células em outras partes do corpo, como as glândulas supra-renais e as próprias células do câncer de próstata, ainda podem produzir hormônios masculinos, que podem alimentar o crescimento do câncer. Alguns medicamentos podem bloquear a formação de andrógenos produzidos por essas células.

A abiraterona (Zytiga) bloqueia uma enzima (proteína) chamada CYP17, que ajuda a impedir que essas células produzam andrógenos.A abiraterona pode ser usada em homens com câncer de próstata avançado que é:
· Alto risco (câncer com alto índice de Gleason, espalhado para vários pontos nos ossos ou espalhado para outros órgãos)
· Resistente à castração (câncer que ainda está crescendo apesar dos baixos níveis de testosterona de um agonista de LHRH, antagonista de LHRH ou orquiectomia)

Este medicamento é tomado como comprimidos todos os dias. Isso não impede que os testículos produzam testosterona, então os homens que não fizeram uma orquiectomia precisam continuar o tratamento com um agonista ou antagonista de LHRH. Como a abiraterona também reduz o nível de alguns outros hormônios no corpo, a prednisona (um medicamento corticosteróide) também precisa ser tomada durante o tratamento para evitar certos efeitos colaterais.

O cetoconazol (Nizoral), usado pela primeira vez no tratamento de infecções fúngicas, também bloqueia a produção de andrógenos produzidos nas glândulas supra-renais, assim como a abiraterona. É mais frequentemente usado para tratar homens recém-diagnosticados com câncer de próstata avançado que têm muito câncer no corpo, pois oferece uma maneira rápida de diminuir os níveis de testosterona. Também pode ser tentado se outras formas de terapia hormonal não estiverem mais funcionando. O cetoconazol também pode bloquear a produção de cortisol, um importante hormônio esteroide no corpo, de modo que os homens tratados com esse medicamento geralmente precisam tomar um corticosteroide (como prednisona ou hidrocortisona).

Possíveis efeitos colaterais: A abiraterona pode causar dores nas articulações ou nos músculos, pressão alta, acúmulo de líquido no corpo, ondas de calor, dor de estômago e diarreia. O cetoconazol pode causar exames de sangue do fígado elevados, náuseas, vômitos, ginecomastia (aumento do tecido mamário em homens) e erupção cutânea.

Drogas que impedem os andrógenos de funcionar

Anti-andrógenos
Para que a maioria das células do câncer de próstata cresça, os andrógenos precisam se ligar a uma proteína na célula do câncer de próstata chamada receptor de andrógeno. Os anti-andrógenos são drogas que também se conectam a esses receptores, impedindo que os andrógenos causem o crescimento do tumor. Os anti-andrógenos também são às vezes chamados de antagonistas do receptor de andrógeno. Eles são tomados diariamente na forma de pílulas.

Drogas deste tipo incluem:
· Flutamida (Eulexina);
· Bicalutamida (Casodex);
· Nilutamida (Nilandron).

Anti-andrógenos mais recentes
· Enzalutamida (Xtandi®);
· Apalutamida (Erleada®;
· Darolutamida (Nubeqa®).

Todos esses medicamentos podem ser úteis em homens com câncer que não se espalhou, mas não está mais respondendo a outras formas de terapia hormonal (conhecida como câncer de próstata não metastático resistente à castração - CRPC).

A enzalutamida também pode ser usada para câncer de próstata metastático (câncer que se espalhou), seja resistente à castração ou sensível à castração (ainda respondendo a outras formas de terapia hormonal).

Apalutamida também pode ser usada para câncer de próstata metastático sensível à castração.

Esses medicamentos são tomados como pílulas todos os dias.

Os efeitos colaterais podem incluir diarreia, fadiga, erupção cutânea e piora das ondas de calor. Esses medicamentos também podem causar alguns efeitos colaterais no sistema nervoso, incluindo tontura e, raramente, convulsões. Homens que tomam um desses medicamentos são mais propensos a cair, o que pode levar a lesões. Alguns homens também tiveram problemas cardíacos ao tomar esses novos tipos de anti-andrógenos.

Outros medicamentos supressores de andrógenos
Os estrogênios (hormônios femininos) já foram a principal alternativa para a remoção dos testículos (orquiectomia) para homens com câncer de próstata avançado. Devido aos seus possíveis efeitos colaterais (incluindo coágulos sanguíneos e aumento dos seios), os estrogênios foram substituídos por outros tipos de terapia hormonal. Ainda assim, os estrogênios podem ser tentados se outros tratamentos hormonais não estiverem mais funcionando.

A quimioterapia (quimioterapia) usa drogas anticâncer injetadas em uma veia ou administradas por via oral. Esses medicamentos viajam pela corrente sanguínea para atingir as células cancerígenas na maioria das partes do corpo.

Quando a quimioterapia é usada?
A quimioterapia às vezes é usada se o câncer de próstata se espalhou para fora da próstata e a terapia hormonal não está funcionando. Pesquisas recentes também mostraram que a quimioterapia pode ser útil se administrada junto com a terapia hormonal. A quimioterapia não é, no entanto, um tratamento padrão para o câncer de próstata em estágio inicial.

Medicamentos quimioterápicos usados ​​no tratamento do câncer de próstata

Para o câncer de próstata, os medicamentos quimioterápicos são normalmente usados ​​um de cada vez. Alguns dos medicamentos quimioterápicos incluem:
· Docetaxel (Taxotere®);
· Cabazitaxel (Jevtana®);
· Mitoxantrona (Novantrona®);
· Estramustina (Emcyt®).

Na maioria dos casos, o primeiro medicamento quimioterápico administrado é o docetaxel, combinado com o medicamento esteroide prednisona. Se isso não funcionar (ou parar de funcionar), o cabazitaxel geralmente é o próximo medicamento quimioterápico tentado (embora também possa haver outras opções de tratamento).

Demonstrou-se que o docetaxel e o cabazitaxel ajudam os homens a viver mais, em média, do que os medicamentos quimioterápicos mais antigos. Eles podem retardar o crescimento do câncer e também reduzir os sintomas, resultando em uma melhor qualidade de vida. Ainda assim, é muito improvável que a quimioterapia cure o câncer de próstata.

Outros medicamentos quimioterápicos em estudo para uso no câncer de próstata incluem carboplatina, oxaliplatina e cisplatina.

Como a quimioterapia é administrada?
Os medicamentos quimioterápicos para o câncer de próstata geralmente são administrados em uma veia (IV), seja como uma infusão durante um determinado período de tempo. Isso pode ser feito em um consultório médico, clínica de quimioterapia ou em um ambiente hospitalar. Alguns medicamentos, como a estramustina, são administrados em comprimidos.

Os médicos administram a quimioterapia em ciclos, com cada período de tratamento seguido por um período de descanso para que você tenha tempo de se recuperar dos efeitos das drogas. Os ciclos são mais frequentemente de 2 ou 3 semanas. A programação varia de acordo com os medicamentos utilizados. Por exemplo, com alguns medicamentos, a quimioterapia é administrada apenas no primeiro dia do ciclo. Com outros, é administrado por alguns dias seguidos ou uma vez por semana. Então, no final do ciclo, o cronograma de quimioterapia se repete para iniciar o próximo ciclo.

A duração do tratamento para o câncer de próstata avançado é baseada em quão bem ele está funcionando e quais efeitos colaterais você tem.

Possíveis efeitos colaterais da quimioterapia
Os quimioterápicos atacam as células que estão se dividindo rapidamente, e é por isso que funcionam contra as células cancerígenas. Mas outras células do corpo, como as da medula óssea (onde novas células sanguíneas são produzidas), o revestimento da boca e dos intestinos e os folículos pilosos, também se dividem rapidamente. Essas células também podem ser afetadas pela quimioterapia, o que pode levar a efeitos colaterais.

Os efeitos colaterais da quimioterapia dependem do tipo e da dose dos medicamentos administrados e por quanto tempo eles são tomados. Alguns efeitos colaterais comuns podem incluir:
· Perda de cabelo;
· Aftas;
· Perda de apetite;
· Nausea e vomito;
· Diarreia;
· Aumento da chance de infecções (por ter muito poucos glóbulos brancos);
· Fácil hematomas ou sangramento (por ter poucas plaquetas no sangue);
· Fadiga (por ter poucos glóbulos vermelhos).

Esses efeitos colaterais geralmente desaparecem após o término do tratamento. Muitas vezes, existem maneiras de diminuir esses efeitos colaterais. Por exemplo, medicamentos podem ser administrados para ajudar a prevenir ou reduzir náuseas e vômitos.

Juntamente com os riscos acima, alguns efeitos colaterais são vistos com mais frequência com certos medicamentos quimioterápicos. Por exemplo: O docetaxel e o cabazitaxel às vezes causam reações alérgicas graves. Medicamentos são administrados antes de cada tratamento para ajudar a prevenir isso. Esses medicamentos também podem danificar os nervos (conhecido como neuropatia periférica), o que pode causar dormência, formigamento ou sensação de queimação nas mãos ou nos pés. A mitoxantrona pode, muito raramente, causar leucemia vários anos depois. A estramustina acarreta um risco aumentado de coágulos sanguíneos.

Se você notar quaisquer efeitos colaterais durante a quimioterapia, informe-os à sua equipe de tratamento do câncer para que possam ser tratados imediatamente. Em alguns casos, as doses dos medicamentos quimioterápicos podem precisar ser reduzidas ou o tratamento pode precisar ser adiado ou interrompido para evitar que os efeitos piorem.

A imunoterapia é o uso de medicamentos para estimular o próprio sistema imunológico de uma pessoa a reconhecer e destruir as células cancerígenas de forma mais eficaz. Certos tipos de imunoterapia podem ser usados para tratar o câncer de próstata.

Inibidores de checkpoint imunológico
Uma parte importante do sistema imunológico é sua capacidade de evitar atacar as células normais do corpo. Para fazer isso, ele usa proteínas “checkpoint” nas células imunes, que agem como interruptores que precisam ser ligados (ou desligados) para iniciar uma resposta imune. As células cancerígenas às vezes usam esses pontos de verificação para impedir que o sistema imunológico as ataque. Mas os medicamentos que visam esses pontos de verificação são muito promissores como tratamentos contra o câncer.

Medicamentos chamados inibidores de checkpoint podem ser usados ​​para pessoas cujas células de câncer de próstata testaram positivo para alterações genéticas específicas, como um alto nível de instabilidade de microssatélites (MSI-H) ou alterações em um dos genes de reparo de incompatibilidade (MMR). Alterações nos genes MSI ou MMR (ou ambos) são frequentemente observadas em pessoas com síndrome de Lynch.

Os medicamentos são usados ​​para pessoas cujo câncer começa a crescer novamente após a quimioterapia. Eles também podem ser usados ​​para tratar pessoas cujo câncer não pode ser removido com cirurgia, voltou (recorreu) após o tratamento ou se espalhou para outras partes do corpo (metástase).

Inibidor de PD-1
Pembrolizumab (Keytruda) é um medicamento que tem como alvo o PD-1, uma proteína de checkpoint nas células do sistema imunológico chamadas células T, que normalmente ajuda a impedir que essas células ataquem as células normais do corpo. Ao bloquear o PD-1, este medicamento aumenta a resposta imune contra as células cancerígenas da próstata. Tem mostrado resultados promissores em alguns homens com câncer de próstata e continua a ser estudado. Este medicamento é administrado por infusão intravenosa (IV) a cada 2 ou 3 semanas.

Os efeitos colaterais podem incluir fadiga, tosse, náusea, coceira, erupção cutânea, diminuição do apetite, constipação, dor nas articulações e diarreia.

Outros efeitos colaterais mais graves ocorrem com menos frequência. Esta droga funciona basicamente removendo os freios do sistema imunológico do corpo. Às vezes, o sistema imunológico começa a atacar outras partes do corpo, o que pode causar problemas graves ou até mesmo fatais nos pulmões, intestinos, fígado, glândulas produtoras de hormônios, rins ou outros órgãos.

É muito importante relatar imediatamente quaisquer novos efeitos colaterais à sua equipe de saúde. Se ocorrerem efeitos colaterais graves, o tratamento pode precisar ser interrompido e você pode receber altas doses de corticosteróides para suprimir seu sistema imunológico.

A terapia alvo é um tipo de tratamento contra o câncer que usa drogas para identificar e atacar as células cancerígenas, causando pouco dano às células normais. Essas terapias atacam o funcionamento interno das células cancerígenas – a programação que as torna diferentes das células normais e saudáveis. Cada tipo de terapia alvo funciona de maneira diferente, mas todas mudam a maneira como uma célula cancerosa cresce, se divide, se repara ou interage com outras células.

Inibidores de PARP
Rucaparib (Rubraca®) e olaparib (Lynparza®) são medicamentos conhecidos como inibidores de PARP (poli(ADP)-ribose polimerase). As enzimas PARP estão normalmente envolvidas em uma via para ajudar a reparar o DNA danificado dentro das células. Os genes BRCA (BRCA1 e BRCA2) também estão normalmente envolvidos em uma via diferente de reparo do DNA, e mutações nesses genes podem bloquear essa via. Ao bloquear a via PARP, essas drogas tornam muito difícil para as células tumorais com um gene BRCA anormal reparar o DNA danificado, o que muitas vezes leva à morte dessas células. Se você não sabe se tem uma mutação BRCA, seu médico pode testar seu sangue ou saliva e seu tumor para ter certeza de que você tem a mutação de iniciar o tratamento com este medicamento.

Esses medicamentos são tomados duas vezes ao dia por via oral, como pílulas.

Rucaparib (Rubraca®) pode ser usado para tratar câncer de próstata avançado resistente à castração que cresceu após a tentativa de quimioterapia com taxano (como docetaxel ou cabazitaxel) ou antiandrógenos. Pode ser usado em homens com mutação em um dos genes BRCA. Este medicamento é administrado com um agonista de LHRH ou para homens que fizeram orquiectomia.

Olaparibe (Lynparza®) pode ser usado para tratar câncer de próstata avançado resistente à castração que cresceu após a tentativa de drogas de terapia hormonal, enzalutamida ou abiraterona. Pode ser usado em homens com mutação em um dos genes BRCA. Este medicamento é administrado com um agonista de LHRH ou para homens que fizeram orquiectomia.

Efeitos colaterais dos inibidores de PARP
Os efeitos colaterais desses medicamentos podem incluir náusea, vômito, diarreia, fadiga, perda de apetite, baixa contagem de glóbulos vermelhos (anemia), constipação, erupção cutânea, exames de sangue anormais no fígado, baixa contagem de plaquetas no sangue, tosse e falta de ar. Raramente, algumas pessoas tratadas com esses medicamentos desenvolveram câncer no sangue, como síndrome mielodisplásica ou leucemia mieloide aguda. Alguns homens que tomaram olaparibe tiveram problemas com coágulos sanguíneos nos pulmões ou nas pernas.

Se o câncer de próstata se espalhou para outras partes do corpo, quase sempre vai para os ossos primeiro. A metástase óssea pode ser dolorosa e causar outros problemas, como fraturas, compressão da medula espinhal (uma área de câncer está pressionando a medula espinhal) ou níveis elevados de cálcio no sangue, que podem ser perigosos ou até fatais.

Se o câncer cresceu fora da próstata, prevenir ou retardar a propagação do câncer para os ossos é um dos principais objetivos do tratamento. Se o câncer já atingiu os ossos, controlar ou aliviar a dor e outras complicações também é uma parte muito importante do tratamento.

Tratamentos como terapia hormonal, quimioterapia e vacinas podem ajudar com isso, mas outros tratamentos visam especificamente à metástase óssea e os problemas que podem causar.

Bisfosfonatos
Os bisfosfonatos são drogas que funcionam retardando as células ósseas chamadas osteoclastos. Essas células normalmente quebram a estrutura mineral dura dos ossos para ajudar a mantê-los saudáveis. Os osteoclastos geralmente se tornam hiperativos quando o câncer de próstata se espalha para os ossos, o que pode causar problemas. Os bisfosfonatos podem ser usados:
· Para ajudar a aliviar a dor e os altos níveis de cálcio causados ​​pelo câncer que se espalhou para os ossos;
· Para ajudar a retardar o crescimento do câncer que se espalhou para os ossos e ajudar a retardar ou prevenir fraturas;
· Para ajudar a fortalecer os ossos em homens que estão recebendo terapia hormonal.

O ácido zoledrônico (Zometa) é um bisfosfonato comumente usado para câncer de próstata. Este medicamento é administrado como uma injeção intravenosa (IV), geralmente uma vez a cada 3 ou 4 semanas, ou uma vez a cada 12 semanas. Os homens que recebem este medicamento são aconselhados a tomar um suplemento contendo cálcio e vitamina D para evitar problemas com baixos níveis de cálcio.

Às vezes, outros bisfosfonatos são usados ​​para tratar o câncer de próstata que se espalhou para os ossos.

Os bisfosfonatos podem ter efeitos colaterais, incluindo sintomas semelhantes aos da gripe e dores ósseas ou articulares. Eles também podem causar problemas renais, portanto, pacientes com função renal deficiente podem não ser tratados com esses medicamentos.

Um efeito colateral raro, mas muito grave, dessas drogas é a osteonecrose da mandíbula (ONJ). Com essa condição, parte do osso da mandíbula perde seu suprimento sanguíneo e morre. Isso pode levar à perda de dentes e infecções do osso da mandíbula que são difíceis de tratar. Algumas pessoas desenvolvem ONM quando o trabalho odontológico é feito durante o tratamento. Muitas vezes os homens são aconselhados a fazer um check-up odontológico e tratar qualquer problema dentário ou maxilar antes de começar a tomar um bisfosfonato. Manter uma boa higiene bucal usando fio dental e escovando, certificando-se de que as dentaduras se encaixam corretamente e fazer exames odontológicos regulares também podem ajudar a prevenir ONM.

Denosumabe
Denosumab (Xgeva®) é outro medicamento que pode ajudar quando o câncer de próstata se espalha para os ossos. Assim como os bisfosfonatos, o denosumabe também bloqueia os osteoclastos, mas o faz de maneira diferente. Este medicamento pode ser usado:
· Para ajudar a prevenir ou retardar problemas como fraturas em homens cujo câncer já se espalhou para os ossos. Pode ser útil mesmo se o ácido zoledrônico não estiver mais funcionando;
· Para ajudar a fortalecer os ossos em homens que estão recebendo terapia hormonal.

Este medicamento é injetado sob a pele a cada 4 semanas. Os homens que recebem este medicamento são frequentemente aconselhados a tomar um suplemento contendo cálcio e vitamina D para evitar problemas com baixos níveis de cálcio.

Os efeitos colaterais comuns incluem náusea, diarreia e sensação de fraqueza ou cansaço. Como os bisfosfonatos, o denosumabe também pode causar ONM, então os médicos recomendam tomar as mesmas precauções (como ter problemas de dentes e mandíbula tratados antes de iniciar o medicamento).

Corticosteróides
Alguns estudos sugerem que medicamentos corticosteróides (como prednisona e dexametasona) podem ajudar a aliviar a dor óssea em alguns homens. Eles também podem ajudar a diminuir os níveis de PSA. Esses medicamentos muitas vezes já fazem parte do tratamento do câncer de próstata que se espalhou.

Radioterapia externa
A radioterapia pode ajudar a reduzir a dor óssea, especialmente se a dor estiver limitada a uma ou apenas algumas áreas do osso. A radiação pode ser direcionada a tumores na coluna, o que pode ajudar a aliviar a pressão na medula espinhal em alguns casos e prevenir a paralisia. A radioterapia também pode ajudar a aliviar outros sintomas, diminuindo os tumores em outras partes do corpo.

Radiofármacos
Os radiofármacos são medicamentos que contêm elementos radioativos. Eles são injetados em uma veia e se instalam em áreas de ossos danificados (como aqueles que contêm disseminação do câncer). Uma vez lá, eles emitem radiação que mata as células cancerígenas. Esses medicamentos podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata que se espalhou para muitos ossos. Ao contrário da radiação de feixe externo, essas drogas podem atingir todos os ossos afetados ao mesmo tempo. Os radiofármacos que podem ser usados ​​para tratar o câncer de próstata disseminado para o osso incluem:
· Estrôncio-89 (Metastron);
· Samário-153 (Quadramete);
· Rádio-223 (Xofigo).

Todos esses medicamentos podem ajudar a aliviar a dor causada por metástases ósseas. O rádio-223 também demonstrou ajudar os homens que têm câncer de próstata com metástase óssea (em vez de se espalhar para outros órgãos, como os pulmões) a viver mais. Para esses homens, o rádio-223 pode ser uma parte inicial do tratamento.

O principal efeito colateral desses medicamentos é uma diminuição na contagem de células sanguíneas, o que pode aumentar os riscos de infecções ou sangramento, especialmente se suas contagens já estiverem baixas. Outros efeitos colaterais também foram observados, então pergunte ao seu médico o que você pode esperar.

Cirurgia
A cifoplastia é uma pequena cirurgia para estabilizar um osso colapsado doloroso em uma coluna enfraquecida pelo câncer de próstata. Durante este procedimento, uma pequena incisão é feita no meio das costas e um balão é colocado no osso espinhal fraco. O balão é preenchido primeiro com ar e depois com uma mistura semelhante a cimento (que endurece) para estabilizar o osso e a coluna.

Medicamentos para a dor
Quando prescritos corretamente, os medicamentos para a dor são muito eficazes. Eles funcionam melhor quando são tomados regularmente. Eles não funcionam tão bem se forem usados ​​apenas quando a dor se tornar intensa.

Para a maioria dos homens diagnosticados com câncer de próstata, o câncer é encontrado enquanto ainda está em estágio inicial – é pequeno e não se espalhou além da próstata. Esses homens geralmente têm várias opções de tratamento a serem consideradas.

Nem todo homem com câncer de próstata precisa ser tratado imediatamente. Se você tem câncer de próstata em estágio inicial, há muitos fatores, como sua idade e saúde geral, e a probabilidade de o câncer causar problemas para você considerar antes de decidir o que fazer. Você também deve pensar nos possíveis efeitos colaterais do tratamento e na probabilidade de incomodá-lo.

Se você é idoso ou tem outros problemas de saúde graves e seu câncer está crescendo lentamente (baixo grau), você pode achar útil pensar no câncer de próstata como uma doença crônica que provavelmente não levará à sua morte, mas pode causar sintomas que você quer evitar. Você pode pensar mais em espera vigilante ou vigilância ativa e menos em tratamentos que provavelmente causarão efeitos colaterais importantes, como radiação e cirurgia. Claro, a idade em si não é necessariamente a melhor razão para sua escolha. Muitos homens estão em boa forma mental e física aos 70 anos, enquanto alguns homens mais jovens podem não ser tão saudáveis.

Se você é mais jovem e saudável, pode estar mais disposto a aceitar possíveis efeitos colaterais do tratamento se eles oferecerem a melhor chance de cura. A maioria dos médicos acredita que cirurgia, radiação externa e braquiterapia têm aproximadamente as mesmas taxas de cura para os cânceres de próstata em estágio inicial. No entanto, cada tipo de tratamento apresenta riscos e benefícios que devem ser considerados.

A escolha entre as opções de tratamento é ainda mais complicada pelo desenvolvimento de novos tipos de cirurgia (como a prostatectomia assistida por robótica) e radioterapia (como a radiação por feixe de prótons) nos últimos anos. Muitos deles parecem muito promissores, mas há muito poucos dados de longo prazo sobre eles, o que significa que é difícil comparar sua eficácia e possíveis efeitos colaterais. Esses novos tratamentos também só podem ser feitos em centros com equipamentos especializados e médicos treinados.

Algumas coisas a considerar ao escolher entre os tratamentos:

Antes de decidir sobre o tratamento, aqui estão algumas perguntas que você pode querer fazer a si mesmo:
- Você é o tipo de pessoa que precisa fazer algo sobre seu câncer, mesmo que isso possa resultar em sérios efeitos colaterais?
- Você se sentiria confortável com espera vigilante ou vigilância ativa, mesmo que isso signifique que você pode ter mais ansiedade e precisar de consultas de acompanhamento mais frequentes no futuro?
- Você precisa saber imediatamente se seu médico conseguiu remover todo o câncer (como resultado da cirurgia)? Ou você se sente confortável em não saber os resultados do tratamento por um tempo (como é o caso da radioterapia) se isso significar não ter que fazer uma cirurgia?
- Você prefere usar a tecnologia mais recente (como cirurgia robótica ou radioterapia com feixe de prótons), que pode ter algumas vantagens? Ou você prefere ir com melhores tratamentos comprovados com os quais os médicos podem ter mais experiência?
- Quais potenciais efeitos colaterais do tratamento (incontinência, impotência, problemas intestinais) podem ser mais angustiantes para você?
- Quão importantes para você são questões como a quantidade de tempo gasto em tratamento ou recuperação?
- Se o seu tratamento inicial não for bem sucedido, quais seriam suas opções nesse ponto?

Muitos homens acham muito estressante ter que escolher entre as opções de tratamento e têm muito medo de escolher a “errada”. Em muitos casos, não existe uma única opção melhor, por isso é importante tomar o seu tempo e decidir qual é a opção certa para você.

O estágio do seu câncer é um dos fatores mais importantes na escolha da melhor forma de tratá-lo. O estágio do câncer de próstata é definido com base na extensão (quanto o câncer se espalhou) do câncer (usando as categorias T, N e M) e o nível de PSA e o escore de Gleason (Grupo de Grau) quando é diagnosticado pela primeira vez.

Você pode perguntar ao seu médico quais fatores ele está considerando ao discutir suas opções de tratamento. Alguns médicos podem recomendar opções diferentes das listadas aqui. Participar de um estudo clínico de novos tratamentos também é uma opção para muitos homens com câncer de próstata.

Grupo de risco muito baixo
Para os homens deste grupo sem outros problemas de saúde graves que possam limitar sua vida útil, a vigilância ativa é frequentemente recomendada porque é improvável que esses tumores prejudiquem o paciente, enquanto a radiação e a cirurgia podem ter efeitos colaterais que podem alterar a qualidade de vida de um homem.

Para os homens que desejam iniciar o tratamento, a radioterapia (feixe externo ou braquiterapia) ou a prostatectomia radical podem ser opções.

Grupo de baixo risco
A maioria dos homens cujos cânceres de próstata estão no grupo de baixo risco e que não têm problemas graves de saúde receberão vigilância ativa, pois muito poucos desses cânceres se espalharão para locais distantes. Outras opções, dependendo de suas preferências, incluem radioterapia (feixe externo ou braquiterapia) ou prostatectomia radical. Se os resultados após a cirurgia mostrarem que o câncer tem características que o tornam mais provável de voltar, os seguintes tratamentos podem ser considerados:
· Radiação de feixe externo para o leito da próstata (a área onde a próstata costumava descansar antes de ser removida) com ou sem terapia de privação androgênica (ADT) OU;
· Acompanhamento próximo dos níveis de PSA com o plano de considerar o tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir.

A observação costuma ser uma boa opção para homens cujo câncer não está causando nenhum sintoma e que têm outros problemas graves de saúde.

Grupo de risco intermediário
A radioterapia (feixe externo ou braquiterapia), muitas vezes com ADT, é uma opção para os homens desse grupo.

A prostatectomia radical com dissecção dos linfonodos pélvicos (PLND) também é uma opção. Dependendo dos resultados da cirurgia, os tratamentos que podem ser discutidos incluem:
· Radioterapia de feixe externo com ou sem ADT se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos ou se tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer)
· Acompanhamento próximo do nível de PSA com o plano de considerar o tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir.
· A vigilância ativa é uma opção para pessoas desse grupo cujos cânceres apresentam características favoráveis. Mas as pessoas com câncer de próstata de risco intermediário com características favoráveis ​​que estão sob vigilância ativa devem ter em mente que há um risco ligeiramente maior de o câncer se espalhar em comparação com o tratamento com radiação ou prostatectomia radical com PLND como terapia inicial.

Homens que têm outros problemas médicos graves podem escolher um tratamento menos agressivo, como apenas radiação ou observação.

Grupo de alto risco
As pessoas com câncer neste grupo podem receber:
· Radioterapia (feixe externo com braquiterapia OU apenas radiação de feixe externo) junto com ADT por 1 a 3 anos;
· Prostatectomia radical com PLND. Se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos retirados durante a cirurgia ou se tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer), a ADT com ou sem radiação pode ser recomendada. Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia ADT, observar o PSA de perto após a cirurgia pode ser considerado com o plano de considerar ADT com ou sem tratamento com radiação quando o nível de PSA aumenta;
· Para homens com outros problemas de saúde graves e sintomas de câncer de próstata, o ADT sozinho pode ser uma boa escolha. Para homens sem sintomas de câncer e que têm grandes problemas de saúde, apenas ADT, radioterapia de feixe externo ou observação são opções.

Grupo de risco muito alto
As opções de tratamento para pessoas neste grupo incluem:
· Radioterapia com feixe externo (com ou sem braquiterapia) junto com ADT por 1 a 3 anos. Às vezes, o medicamento quimioterápico docetaxel ou o medicamento hormonal abiraterona podem ser adicionados à radiação mais ADT;
· Prostatectomia radical com PLND (especialmente para homens mais jovens). Se o câncer for encontrado nos linfonodos retirados durante a cirurgia, a ADT com ou sem tratamento com radiação de feixe externo pode ser administrada. A radioterapia com ou sem ADT pode ser recomendada se o câncer não for encontrado nos gânglios linfáticos, mas tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer). Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia de ADT, observar o nível de PSA de perto após a cirurgia pode ser feito com o plano de considerar a ADT com ou sem tratamento de radiação quando o nível de PSA aumentar;
· Para homens sem sintomas do câncer, mas que têm grandes problemas de saúde, as opções de tratamento incluem ADT sozinho, radioterapia de feixe externo sozinho ou observação.

Estagio IVA
Os cânceres de estágio IVA se espalharam para os linfonodos próximos, mas não para locais distantes. Para homens saudáveis ​​o suficiente para receber tratamento ou apresentar sintomas do câncer, as opções incluem:
· Tratamento de radiação de feixe externo com ADT (com ou sem abiraterona);
· ADT com ou sem abiraterona;
· Prostatectomia radical com PLND. Se o câncer for encontrado nos gânglios linfáticos retirados durante a cirurgia ou tiver características que o tornem mais provável de voltar (recorrer), a ADT com ou sem tratamento com radiação externa pode ser administrada. Em alguns casos, em vez de radioterapia ou terapia ADT, observar o PSA de perto após a cirurgia pode ser feito com o plano de considerar ADT com ou sem tratamento com radiação quando o nível de PSA começar a subir;
· Para homens com câncer no estágio IVA sem sintomas ou com outros problemas de saúde graves, a observação ou a ADT isoladamente podem ser recomendadas.

Estágio IVB
Os cânceres de estágio IVB se espalharam para órgãos distantes, como os ossos. A maioria dos cânceres em estágio IVB não pode ser curada, mas é tratável. Os objetivos do tratamento são manter o câncer sob controle pelo maior tempo possível e melhorar a qualidade de vida do homem.

As opções iniciais de tratamento podem incluir:
· ADT com abiraterona;
· ADT com apalutamida;
· ADT com quimioterapia, especificamente docetaxel;
· ADT com enzalutamide;
· ADT com radiação de feixe externo para o tumor na próstata;
· ADT sozinho;
·  Cirurgia (RTUP) para aliviar sintomas como sangramento ou obstrução urinária;
· Tratamentos destinados a metástases ósseas dolorosas, como radiação externa;
· Denosumab (Xgeva), um bifosfonato como o ácido zoledrônico (Zometa), radiação externa direcionada aos ossos ou um radiofármaco como rádio-223, estrôncio-89 ou samário-153;
· Observação (para aqueles que são mais velhos ou têm outros problemas de saúde graves e não apresentam sintomas importantes do câncer);

· Participar de um estudo clínico de novos tratamentos.

O tratamento do câncer de próstata em estágio IV também pode incluir tratamentos para ajudar a prevenir ou aliviar sintomas como dor de metástases ósseas com medicamentos como denosumab (Xgeva), um bifosfonato como ácido zoledrônico (Zometa) ou um radiofármaco como rádio-223, estrôncio- 89, ou samário-153.

As opções acima são para o tratamento inicial do câncer de próstata em diferentes grupos e estágios de risco. Mas se esses tratamentos não estiverem funcionando (o câncer continua a crescer e se espalhar) ou se o câncer voltar, outros tratamentos podem ser usados, como imunoterapia ou quimioterapia.

Acompanhamento dos níveis de PSA durante e após o tratamento do câncer de próstata
O nível sanguíneo do antígeno específico da próstata (PSA) de um homem geralmente é um bom indicador de quão eficaz é ou tem sido o tratamento. De um modo geral, seu nível de PSA deve ficar muito baixo após o tratamento. Mas os resultados do PSA nem sempre são confiáveis ​​e, às vezes, os médicos não têm certeza do que eles significam.

Antes de iniciar o tratamento, você pode perguntar ao seu médico o que ele espera que seu nível de PSA seja durante e após o tratamento e quais níveis podem causar preocupação. É importante saber que o nível de PSA é apenas uma parte do quadro geral. Outros fatores também podem desempenhar um papel para determinar se o câncer ainda está presente, se está crescendo ou se voltou.

Também é importante saber que os níveis de PSA às vezes podem flutuar um pouco por conta própria, mesmo durante ou após o tratamento, para que nem sempre sejam um sinal do que realmente está acontecendo com seu câncer. Compreensivelmente, muitos homens em tratamento de câncer de próstata estão muito preocupados mesmo com pequenas mudanças em seus níveis de PSA. O nível de PSA é uma ferramenta importante para monitorar o câncer, mas nem todo aumento no PSA significa que o câncer está crescendo e requer tratamento imediato. Para ajudar a limitar a ansiedade desnecessária, certifique-se de entender qual alteração no seu nível de PSA pode preocupar seu médico.

Durante a espera vigilante (observação) ou vigilância ativa
Se você escolher observação ou vigilância ativa, seu nível de PSA será monitorado de perto (provavelmente junto com outros testes) para ajudar a decidir se o câncer está crescendo e se o tratamento deve ser considerado.

Seu médico observará seu nível de PSA e a rapidez com que ele está subindo. Nem todos os médicos concordam exatamente com o nível de PSA que pode exigir ações adicionais (como uma biópsia da próstata ou tratamento). Mais uma vez, converse com seu médico para entender qual alteração no seu PSA pode ser considerado motivo de preocupação.

Depois da cirurgia
Seu PSA deve cair para um nível muito baixo ou até indetectável dentro de alguns meses após a prostatectomia radical. Como alguns pacientes podem apresentar níveis de PSA no sangue por várias semanas após a cirurgia, mesmo que todas as células da próstata tenham sido removidas, os médicos geralmente aconselham esperar pelo menos 6 a 8 semanas após a cirurgia antes de verificar o nível de PSA.

Alguns homens podem se preocupar se seu PSA ainda é detectável mesmo em um nível muito baixo após a cirurgia, mas isso nem sempre significa que o câncer ainda está no corpo. Os exames de sangue modernos de PSA podem detectar até mesmo pequenas quantidades de PSA, mas essas quantidades nem sempre podem ser significativas, especialmente se não estiverem aumentando ao longo do tempo. Pode significar apenas que você tem algumas células no corpo produzindo PSA, mas não são necessariamente células cancerígenas.

Se o seu PSA aumentar após a cirurgia, seu médico também pode querer saber o quão rápido ele está subindo. Algumas evidências mostram que os níveis de PSA mais rápidos podem ser um sinal de câncer. Homens que têm um nível de PSA que dobra dentro de um período de 3 meses tendem a ter um pior prognóstico (perspectiva) em comparação com homens cujo nível de PSA não dobra. Isso também é conhecido como tempo de duplicação do PSA.

Após a radioterapia
A radioterapia não mata todas as células da próstata, portanto, não se espera que o PSA diminua a um nível indetectável. As células normais da próstata restantes ainda produzirão algum PSA.

O padrão de queda do PSA após a radioterapia também é diferente do pós-operatório. Os níveis de PSA após a radiação tendem a cair lentamente e podem não atingir seu nível mais baixo até 2 anos ou mais após o tratamento.

Os médicos tendem a acompanhar os níveis de PSA em poucos meses para procurar tendências. Um pequeno aumento único no PSA pode causar um monitoramento mais próximo, mas pode não significar que o câncer ainda está lá (ou voltou), pois os níveis de PSA podem flutuar ligeiramente de tempos em tempos. No entanto, um PSA que está subindo em testes consecutivos após o tratamento pode indicar que o câncer ainda está lá. Alguns grupos médicos propuseram que, se o PSA subir mais de 2 ng/mL acima do nível mais baixo alcançado, um tratamento adicional deve ser considerado, mas alguns médicos podem aconselhar testes para procurar câncer no corpo, mesmo que o PSA ainda não tenha aumentado. M

Há também um fenômeno chamado ressalto de PSA que às vezes acontece após radiação de feixe externo e braquiterapia. O PSA aumenta ligeiramente por um curto período de tempo nos primeiros dois anos após o tratamento, mas depois diminui. Os médicos não sabem ao certo por que isso acontece, mas não parece afetar o prognóstico de um homem.

Durante o tratamento do câncer de próstata avançado
Quando tratamentos como terapia hormonal, quimioterapia ou imunoterapia são usados para câncer de próstata mais avançado, o nível de PSA pode ajudar a mostrar como o tratamento está funcionando ou quando pode ser hora de tentar um tratamento diferente.

Os tratamentos devem diminuir o nível de PSA (pelo menos no início), embora em alguns casos possam apenas ajudar a evitar que ele suba ainda mais, ou até mesmo retardar o aumento. Claro, outros fatores, como se você está tendo sintomas de seu câncer e se os exames de imagem mostram que ele está crescendo, também são importantes ao decidir se é hora de mudar de tratamento.

Se o câncer se espalhou para fora da próstata, o nível real de PSA geralmente não é tão importante quanto se ele muda e a rapidez com que muda. O nível de PSA em si não prevê se um homem terá ou não sintomas ou quanto tempo ele viverá. Muitos homens têm níveis de PSA muito altos e se sentem bem. Outros homens com níveis baixos de PSA podem apresentar sintomas.

Tratamento do câncer de próstata que não desaparece ou volta após o tratamento
Se o nível sanguíneo do antígeno específico da próstata (PSA) mostrar que o câncer de próstata não foi curado ou voltou (recorreu) após o tratamento inicial, o tratamento adicional muitas vezes ainda pode ser útil. O tratamento de acompanhamento dependerá de onde se acredita que o câncer esteja e de quais tratamentos você já fez. Testes de imagem, como tomografia computadorizada, ressonância magnética ou cintilografia óssea podem ser feitos para se ter uma ideia melhor sobre onde está o câncer.

Câncer que ainda esteja dentro ou ao redor da próstata
Se ainda se pensa que o câncer está apenas na área da próstata, uma segunda tentativa de curá-lo pode ser possível.

Após a cirurgia: Se você fez uma prostatectomia radical, a radioterapia pode ser uma opção, as vezes junto com a terapia hormonal.
Após a radioterapia: Se o seu primeiro tratamento foi à radiação, as opções de tratamento podem incluir crioterapia ou prostatectomia radical, mas quando esses tratamentos são feitos após a radiação, eles apresentam um risco maior de efeitos colaterais, como incontinência. Fazer radioterapia novamente geralmente não é uma opção devido ao aumento do potencial de efeitos colaterais graves, embora em alguns casos a braquiterapia possa ser uma opção como segundo tratamento após a radiação externa.

Às vezes, pode não estar claro exatamente onde o câncer restante está no corpo. Se o único sinal de recorrência do câncer é um aumento do nível de PSA (em oposição ao câncer ser visto em exames de imagem), outra opção para alguns homens pode ser a vigilância ativa em vez do tratamento ativo. O câncer de próstata geralmente cresce lentamente, portanto, mesmo que volte, pode não causar problemas por muitos anos, momento em que um tratamento adicional pode ser considerado.

Fatores como a rapidez com que o PSA está subindo e as pontuações originais de Gleason do câncer podem ajudar a prever quando o câncer pode aparecer em partes distantes do corpo e causar problemas. Se o PSA estiver subindo muito rapidamente, alguns médicos podem recomendar que você inicie o tratamento antes mesmo que o câncer possa ser visto em testes ou cause sintomas.

Se o PSA estiver subindo rápido o suficiente para justificar o tratamento, mas os tratamentos localizados (como cirurgia, radioterapia ou crioterapia) provavelmente não serão úteis, a terapia hormonal geralmente é a próxima opção. Se um tipo de terapia hormonal não for útil, outro tipo pode ser tentado.

Câncer que claramente se espalhou
Se o câncer se espalhou para fora da próstata, provavelmente irá primeiro para os linfonodos próximos e depois para os ossos. Muito menos frequentemente o câncer se espalhará para o fígado ou outros órgãos.

Quando o câncer de próstata se espalhou para outras partes do corpo (incluindo os ossos), a terapia hormonal é provavelmente o tratamento mais eficaz. Mas não é provável que cure o câncer e, em algum momento, pode parar de funcionar. Geralmente, o primeiro tratamento é um agonista do hormônio liberador do hormônio luteinizante (LHRH), antagonista do LHRH ou orquiectomia, às vezes junto com uma droga antiandrogênica ou abiraterona. Outra opção pode ser a quimioterapia junto com a terapia hormonal. Outros tratamentos destinados a metástases ósseas também podem ser usados.

Câncer de próstata resistente à castração e refratário a hormônios
A terapia hormonal costuma ser muito eficaz para diminuir ou retardar o crescimento do câncer de próstata que se espalhou, mas geralmente se torna menos eficaz com o tempo. Os médicos usam termos diferentes para descrever cânceres que não estão mais respondendo aos hormônios.

O câncer de próstata resistente à castração (CRPC) é um câncer que ainda está crescendo apesar do fato de que a terapia hormonal (uma orquiectomia ou um agonista ou antagonista de LHRH) está mantendo o nível de testosterona no corpo tão baixo quanto o que seria esperado se os testículos fossem removidos (chamados níveis de castração). O câncer ainda pode responder a outras formas de terapia hormonal.

O câncer de próstata refratário a hormônios (HRPC) é um câncer que não é mais ajudado por nenhuma forma de terapia hormonal.

Se um medicamento antiandrogênico não fazia parte da terapia hormonal inicial, geralmente é adicionado neste momento. Se um homem já está recebendo um anti-andrógeno, mas o câncer ainda está crescendo, interromper o anti-andrógeno (enquanto continua com outros tratamentos hormonais) parece ajudar às vezes.

Outras formas de terapia hormonal também podem ser úteis por um tempo, especialmente se o câncer estiver causando pouco ou nenhum sintoma. Estes incluem abiraterona (Zytiga®), enzalutamida (Xtandi®), apalutamida (Erleada®), darolutamida (Nubeqa®), cetoconazol, estrogênios (hormônios femininos) e corticosteroides.

A vacina contra o câncer de próstata sipuleucel-T (Provenge®) é outra opção para homens cujo câncer está causando pouco ou nenhum sintoma. Isso pode não diminuir os níveis de PSA, mas muitas vezes pode ajudar os homens a viver mais.

Para cânceres que não estão mais respondendo à terapia hormonal inicial e estão causando sintomas, várias opções podem estar disponíveis. A quimioterapia com o medicamento docetaxel (Taxotere®) costuma ser a primeira escolha porque demonstrou ajudar os homens a viver mais, bem como reduzir a dor. Se o docetaxel não funcionar ou parar de funcionar, outros medicamentos quimioterápicos, como cabazitaxel (Jevtana®), podem ajudar. A imunoterapia com pembrolizumabe também pode ser uma opção após a quimioterapia se o câncer for MSI-H ou dMMR. Outra opção pode ser um tipo diferente de terapia hormonal, como abiraterona, enzalutamida ou apalutamida (se ainda não foram tentadas).

O medicamento de terapia direcionada, rucaparib (Rubraca®), pode ser uma opção para homens com mutação BRCA cujo câncer de próstata resistente à castração já foi tratado com quimioterapia (que inclui um taxano) e antiandrogênios. O medicamento-alvo olaparibe (Lynparza®) é outra opção para tratar homens com mutação BRCA cujo câncer de próstata avançado resistente à castração cresceu após a tentativa de medicamentos de terapia hormonal, enzalutamida ou abiraterona.

Bisfosfonatos ou denosumabe geralmente podem ajudar se o câncer se espalhar para os ossos. Esses medicamentos podem reduzir a dor e até retardar o crescimento do câncer em muitos homens. Outros medicamentos e métodos também podem ajudar a manter a dor e outros sintomas sob controle. A radioterapia externa pode ajudar a tratar a dor óssea se for apenas em alguns pontos. Os medicamentos radiofarmacêuticos geralmente podem reduzir a dor se ela for mais generalizada e também retardar o crescimento do câncer.

Se você está com dor, não espere! Entre em contato imediatamente com seu médico e equipe de saúde.

Vários novos medicamentos promissores estão sendo testados contra o câncer de próstata, incluindo vacinas, anticorpos monoclonais e outros novos tipos de medicamentos. Como a capacidade de tratar o câncer de próstata refratário a hormônios ainda não é boa o suficiente, os homens são incentivados a explorar novas opções participando de estudos clínicos.

 

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Estadiamento

O Escore de Gleason (ou Classificação de Gleason)
Esta classificação é feita em função das características celulares e histológicas que constituem o tumor. Este escore varia entre  2 (menos agressivo) e 10 (mais agressivo). Quanto mais baixo o escore, menos agressivo é o tumor.

As células que, embora tumorais e malignas, são “mais parecidas” com as da próstata normal, mais diferenciadas e menos agressivas, são classificadas como grau “1”. Aquelas que apresentam características celulares já muito distintas das normais, por isso muito mais agressivas, são classificadas como de grau “5”. A classificação final (Escore de Gleason) é atribuída em função dos dois tipos celulares predominantes no tumor. O resultado final resulta da soma dos dois graus mais frequentes.

O predominante aparece em primeiro lugar. O segundo tipo histológico mais frequente aparece mencionado em segundo lugar. Assim , por exemplo, um Escore de Gleason 6 pode resultar da soma de dois graus 3 (adenocarcinoma da próstata, Gleason 6 (3+3)). O mesmo escore 6 pode resultar da soma de um 4 com um 2, embora estas diferenças não sejam tão frequentes. Um Escore de Gleason 7 pode resultar da soma 3+4 ou 4+3. Neste último caso o prognóstico é pior porque neste caso o padrão mais agressivo surge em primeiro, o que quer dizer que é o predominante.

Tumores com Gleason de 2 a 6 são de baixo risco. Os de Gleason 7 são de risco intermediário,. Já os de grau 8 a 10 são de maior risco.

O Escore da ISUP (International Society of Urological Pathology)
O Escore da ISUP foi estabelecido em 2014 através da revisão do escore de Gleason. Ele classifica os tumores em graus de 1 a 5. O Escore da ISUP provavelmente substituirá o Escore de Gleason ao longo do tempo, mas atualmente você pode ver um (ou ambos) em um relatório de patologia da biópsia.

  • Tumores grau ISUP 1 são os de Gleason ≤ 6,
  • Tumores grau ISUP 2 são os de Gleason 7 (3+4),
  • Tumores grau ISUP 3 são os de Gleason 7 (4+3),
  • Tumores grau ISUP 4 são os de Gleason 8
  • Tumores grau ISUP 5 são os de Gleason 9 ou 10.

Em alguns casos o laudo da biópsia apresenta como resultado apenas  lesão suspeita, pois não pode ser definido nem malignindade nem benignidade. Nesse caso podem estar:

  • PIN (Prostatic intraepithelial neoplasia, sigla em inglês)– Neoplasia prostática intraepitelial .Pode evoluir para cancer. É necessário acompanhamento de perto e podem ser realizadas novas biópsias.
  • ASAP (Atypical small acinar proliferation , sigla em inglês), que é a proliferação atípica de células acinares (ASAP é a sigla em inglês). Como cerca de 40% dos pacientes com ASAP terão câncer de próstata, eles devem ser acompanhados de perto.

Outros exames podem auxiliar no diagnóstico e na avaliação da extensão do câncer de próstata: ultrassonografia, tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética com bobina endorretal.

ESTADIAMENTO

ESTADIOS I E II :

  • O tumor está restrito à prostata e nao invadiu sua cápsula (ou seja, não é invasivo).
  • Tratamentos indicados:
    • Cirurgia
    • Radioterapia
    • Observação vigilante

ESTADIOS III E IVA:

  • O tumor ja infiltrou nos tecidos ao redor da próstata como:
    • vesícula seminal (estadio IIIA),
    • reto (estadio IIIB)
    • bexiga (estadio IIIC)
    • linfonodos pélvicos (estadio IVA),
  • Tratamentos indicados:
    • Radioterapia combinada com hormonioterapia.
    • Pode-se optar, em alguns casos,  pela cirurgia seguida pela radioterapia pós-operatória e, eventualmente, tratamento hormonal.
    • Nos casos mais avançados ou de maior risco se tem associado também novos agentes inibidores hormonais orais além da terapia anti-hormonal clássica injetável.

Estadio IVB:

  • O cancer atingiu os osso sou outros órgãos.
  • Tratamento indicadicado:
    • Hormonioterapia;
    • Quimioterapia quando o cancer se torna resistente ao tratamento hormonal

 

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/08/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Espaço de Vida.

Veja também: