Como é a sua relação com seu médico?

Como é a sua relação com seu médico?

Quem é que pode nos responder e nos garantir sobre os resultados que esperamos após um diagnóstico de câncer? Como aceitar que não é possível prever consequências dos tratamentos mediante tanta tecnologia? Ainda tenho tantas dúvidas sobre o quadro, quem poderá me responder?

Essas angústias são muito comuns após um diagnóstico de câncer.  E quanto mais há dúvidas, mais ansiedade o paciente e sua família sentem, e mais essa ansiedade pode impactar negativamente no tratamento e no prognóstico da doença, tendo em vista que um organismo estressado tende a ter menos energias para reagir aos fármacos a ele aplicados.

Qual é a única opção?

Recorrer ao seu médico é a melhor alternativa para reduzir sua ansiedade e obter o maior conhecimento possível sobre sua doença.

Mas alguns pacientes vão me perguntar: mas como posso fazer isso se minhas consultas são tão rápidas? Os médicos não me falam sobre meu prognóstico. Tenho receio de questionar o médico, será que ele não vai achar ruim?

Vamos então começar a resolver esses probleminhas:

1.   Caso o seu médico tenha um tempo mais restrito para a consulta, é importante que você organize as informações para que ele possa lhe prestar o máximo de esclarecimentos, no tempo que vocês terão juntos:

- Utilizar um caderno para anotar todas as dúvidas;

- Reuni-las por assuntos específicos como – nutrição; prevenção de dores; medicação, etc.;

- Organizar as dúvidas antes de chegar no médico.

 

2.  Se você tem dúvidas sobre qualquer parte do processo, é importante saber que o médico não toma a iniciativa de falar sobre o prognóstico ao paciente, por exemplo.  Caso você queira saber sobre detalhes da evolução e prognóstico da doença, é necessário que você pergunte.  O médico respeita o momento de cada paciente em querer ou não conhecer mais sobre sua doença.  Portanto se você não questionar, é provável que ele não fale.  Neste caso o caderninho de dúvidas também ajudará muito.

 

3.  Sobre os detalhes do tratamento: o que exatamente você deseja saber?  É importante ser específico para que seu médico e todos os outros profissionais que o acompanham possam lhe prestar informações.

- Vale lembrar que nenhum tratamento é igual a outro – há probabilidades de que X ou Y coisa aconteça, mas cada indivíduo reage aos medicamentos e à própria doença de maneira muito particular;

- Se para você, saber os detalhes do tratamento traz mais segurança e menos ansiedade, não deixe de perguntar.  O mais comum é que, quanto mais informações tenhamos, menos ansiedade nos gera.

 

4.  Não tenha medo de questionar seu médico - você deve perguntar TUDO.  Deve questionar os motivos pelos quais ele tomou a decisão por um tratamento e não por outro; deve participar ativamente das decisões sobre os procedimentos e entender o motivo pelo qual as opções são feitas.  Isso fará com que você deixe de ser passivo e se torne um agente no tratamento, favorecendo muito o prognóstico.  O maior objetivo dos profissionais da saúde é que o paciente se engaje no tratamento proposto e que os resultados esperados pelos procedimentos escolhidos sejam alcançados.  Com sua participação ativa tudo ficará mais fácil!

 

Erros que podem comprometer todo o tratamento!

  • Consulta com o Dr. Google

Atualmente temos uma facilidade incrível para obter informações sobre qualquer tipo de coisa.  Aí é onde entra o Dr. mais conhecido de qualquer paciente: o Dr. GOOGLE.

Já com os exames na mão o paciente pesquisa na internet sobre o que significa a queda de tal enzima, o aumento das células X, e por aí vai... entretanto é importante percebermos que, muitas vezes em vez de nos tranquilizarmos, estamos é nos estressando mais ainda.

Há inúmeras comunidades para compartilhar informações, sites especializados sobre patologias específicas, entretanto somente o seu médico poderá lhe prestar informações consistentes e concretas, pois sua doença é certamente particular.  

Toda essa rede de contatos é fundamental para que possamos trocar experiências, informações sobre possibilidades de tratamentos, mas não é adequado que utilizemos os outros casos como comparação, pois isso pode nos gerar uma expectativa irreal e só causará mais sofrimento.

Inclusive é importante ressaltar que quando nós, profissionais da saúde, escrevemos um texto explicativo sobre determinada patologia ou condição, elegemos um ou outro caso como exemplo para mostrar ao público leitor as possibilidades de tratamento e intervenção.  Isso não significa que aquela situação descrita poderá servir para todos afetados por determinada condição ou patologia.  Até mesmo os textos que tratam sobre experimentos científicos devem ser lidos com cautela.

Nosso objetivo será sempre levar o máximo de informações possíveis aos pacientes, familiares e cuidadores, porém não é adequado ler um texto e achar que ele poderá substituir uma análise profissional do seu caso.

 

  • Não me sinto à vontade com esse médico

Sabemos que, principalmente no SUS, é praticamente impossível você poder escolher um médico.  Mas é fundamental que você estabeleça um bom relacionamento, não somente com o médico, mas com qualquer profissional que vá lhe atender.  A confiança, a simpatia, a tranquilidade e liberdade em falar com o profissional é fundamental para que o tratamento tenha sucesso.

Caso não tenha gostado do profissional, é necessário que você busque outras alternativas.

 

  • Omissão de sintomas

E um último, mas talvez o mais importante, um erro que pode ser fatal para o paciente: omitir sintomas do médico.

As vezes por receio de que pode ter cometido algum erro ao longo das orientações passadas e ter medo de ser advertido; por ter muita expectativa de sair, aproveitar um momento, não dar importância ao que considera uma coisa simples, ter medo de que esse sintoma possa ser algo mais grave e querer evitar essa informação ...

São inúmeras as justificativas que os pacientes podem ter para omitir um sintoma do seu médico, entretanto é muito importante que você saiba que essa omissão pode ser muito mais prejudicial do que perder o churrasco que você está prestes a participar no final de semana, caso o médico te libere.

É claro que é angustiante ter que se privar do que gosta, fazer um tratamento sofrido e demorado, mas tudo isso é para que você tenha um futuro.  Não falar sobre um sintoma é deixar seu médico agir no escuro.

E aqui vale apenas um rápido lembrete que poderemos tratar em outros momentos, mas além do seu oncologista, é necessário saber se seu coração vai bem, se os olhos estão ok, se todo o restante do organismo está funcionando adequadamente.  Temer novos diagnósticos não resolverá o problema, pode apenas agravá-lo.  Então lembre-se que você não é um câncer, você pode ter um diagnóstico de câncer, mas tem diversos outros órgãos que precisam de cuidados também.

O grande resumo da nossa conversa de hoje é que você precisa deixar muito claro suas dúvidas, fazer com que o médico e todos os outros profissionais de saúde compreendam o que você sente, pensa e teme, pois só assim será possível lhe auxiliar da maneira mais adequada.

Erika Scandalo

Erika Scandalo

Especialista em Psicologia Clínica, escreve sobre a vida e diferentes formas de aproveitá-la.  Acredita que a felicidade é consequência de uma visão proativa sobre as dificuldades.  Ser feliz é mais um olhar sobre o que se tem, do que ter tudo o que se quer. Site: www.erikascandalo.com.br

  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!