Por que a imunidade baixa durante a quimioterapia?

Por que a imunidade baixa durante a quimioterapia?

Quimioterapia é o nome que damos a uma classe de medicamentos que tem por objetivo o tratamento do câncer. Existem diversos tipos de medicamento que agem combatendo as células cancerígenas e para cada doença vai haver um tipo que mais indicado. Nas últimas décadas entendemos que as os cânceres são doenças muito diferentes umas das outras. Mesmo duas pessoas que têm cânceres aparecendo do mesmo órgão, podem ter doenças completamente diferentes e que vão ser tratadas de com medicamentos distintos. Isto já é uma realidade para várias doenças com o câncer de mama, pulmão , melanoma, intestino, dentre outros.

Isto ocorre porque o câncer é causado por defeitos no DNA da célula que vão se acumulando ao longo da vida. Como nós todos temos diferenças entre nosso DNA, as doenças também vão ser diferentes. Outro motivo é que os erros podem acontecer em locais diferentes do DNA, dependendo do local da lesão do DNA, e do número de lesões, as doenças também podem ser diferentes.

Uma das principais características do câncer é o crescimento acelerado e descontrolado das células cancerígenas. As células doentes param de “perceber” que fazem parte do organismo e crescem empurrando as células ao redor delas e invadindo vasos sanguíneos e vasos linfáticos (por onde caminham as células de defesa), podendo levar a formação de metástases.

Os primeiros medicamentos, desenvolvidos a partir da década de 1950, exploravam justamente esta característica das células cancerígenas, sua capacidade de multiplicar rapidamente. Estes medicamentos, conhecidos hoje como quimioterapia, atacam o DNA das células em multiplicação de três maneiras principais; (1) causando lesão no DNA diretamente, (2) esgotando as substâncias usadas na fabricação do DNA e (3) atacando os microtúbulos (que ajudam a célula a dividir o DNA na hora da multiplicação). Veja a imagem abaixo.

Hoje existe uma série de novos medicamentos mais eficazes e com menos efeitos colaterais, mas ainda utilizamos quimioterapia em alguns casos.

No entanto, a multiplicação celular não acontece apenas nas células cancerígenas. Várias das células normais do nosso corpo estão em constante multiplicação. Os efeitos colaterais destes medicamentos vão acontecer justamente porque eles também vão atacar estas células normais. Por isso alguns destes medicamentos fazem cair os cabelos  danificam as unhas, podem ocorrer enjoo e aftas na boca (essa pele se multiplica rápido também) tudo isso pode causar cansaço.Algumas das células de multiplicação mais rápida do corpo humano são as células de defesa. Os neutrófilos, as células brancas que combatem as infecções, se multiplicam a cada 5 horas a 5 dias. Logo, são extremamente sensíveis ao efeito do tratamento. Dependendo do tipo do medicamento, e da dose administrada, pode haver queda importante do número de neutrófilos, o que chamamos de neutropenia. Para a maioria dos medicamentos essa queda acontece entre o dia 7 e 14 depois do tratamento, voltando a subir depois que o efeito do medicamento passa. Para esquemas de tratamento mais intensos, como os utilizados em doenças do sangue como leucemia ou linfomas, o tempo para recuperação dos neutrófilos pode ser mais longo.

Por isso é muito importante estar em contato com a equipe médica responsável pelo tratamento e sempre estar atento à febre durante este período . Com a baixa da imunidade o corpo pode ficar mais suscetível a infecções e seu tratamento pode necessitar de antibióticos com mais frequência.

Mais importante de tudo, nunca use informações da internet para o seu tratamento. Se algo te parece útil, imprima e leve para conversar com o seu médico. Siga todas as orientações médicas e conheça os sinais de gravidade e possíveis efeitos colaterais do seu tratamento.

Dr. Felipe Ades

Dr. Felipe Ades

Felipe Ades é médico formado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com especialidade em Oncologia Clinica pelo Instituto Nacional de Câncer (INCa). Passou 5 anos na Europa onde adquiriu os títulos de mestre no Institut Gustave Roussy em Paris e doutor (PhD) no Institut Jules Bordet em Bruxelas. Trabalhou em diversos aspectos da pesquisa em câncer, desde estudos em laboratório, testes de novos medicamentos com pacientes e políticas de saúde e saúde coletiva em câncer. Atualmente trabalha no Hospital Alemão Oswaldo Cruz e no Centro Paulista de Oncologia, em São Paulo. Nas horas vagas é mountain biker e guitarrista amador e aspirante a alpinista. Website: drfelipeades.com

  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!