Melhoras expressivas no tratamento do câncer de pulmão nos últimos anos - A descoberta das mutações

Melhoras expressivas no tratamento do câncer de pulmão nos últimos anos - A descoberta das mutações

Nos anos 1970 todas as pessoas com câncer de pulmão eram tratadas da mesma maneira. Isto acontecia porque ainda não se conhecia as diferentes mutações e alterações nas células tumorais. Além disso, naquela época, não havia muitos medicamentos disponíveis. Isto fazia com que o tratamento fosse muito pouco eficaz e as pessoas vinham a falecer em poucos meses, mesmo fazendo corretamente o tratamento.

Quando se usava apenas o microscópio o câncer de pulmão era dividido de acordo com sua aparência. A divisão ficava entre câncer de pulmão de pequenas células (10% dos casos) e câncer de pulmão não-pequenas células. Este segundo grupo ainda era divido em cânceres que vinham da via respiratória (escamoso) ou das glândulas do pulmão (adenocarcinoma).

Com o passar dos anos novas substâncias foram sendo desenvolvidas e, entre os anos 1980 e 2000, entramos numa nova fase de tratamento, onde dois medicamentos eram feitos em combinação. Isto aumentou bastante o tempo de controle da doença. Notou-se também que os tipos diferentes de cânceres, vistos ao microscópio, deveriam ser tratados com medicamentos diferentes. Nesta época havia três tipos de tratamento para câncer de pulmão (com dois medicamentos combinados), um para o câncer de pequenas células, uma para o câncer escamoso e um para o adenocarcinoma.

No entanto depois da descoberta das alterações moleculares do câncer de pulmão foi conseguido um grande avanço no controle desta doença. Um estudo internacional, conhecido com Lung Cancer Molecular Consortium, avaliou mais de 1000 pessoas com adenocarcinoma do pulmão. Ao microscópio, todas estas pessoas tinham uma doença que era parecida, no entanto quando se avaliou o perfil molecular os resultados foram muito diferentes. Em 64% das pessoas foi identificada alguma alteração genética conhecida, como nos genes EGFR, ALK, NRAS, etc. E a boa notícia é que para uma grande parte dessas alterações existem medicamentos que podem ser usado para bloquear o efeito delas, como o gefitinib, o erlotinib e o afatinib no câncer com mutação do EGFR; ou o crizotinib no câncer com translocação do ALK. Isto também deu um “mapa” para que os pesquisadores desenvolvam outros medicamentos para as outras mutações, onde ainda não existem remédios, como no caso do NRAS. Para os pacientes sem mutação ainda há muito trabalho de laboratório a ser feito, é bastante provável que existam mutações que a ciência ainda não conhece. Pesquisas estão sendo feitas para tentar identificá-las.

A descoberta dessas mutações melhorou dramaticamente o controle do câncer de pulmão, que passou de alguns meses da década de 1970, para anos, com os tratamentos atuais.

Somado a isso estão sendo desenvolvidos os medicamentos estimuladores do sistema imunológico, como o Pembrolizumab e o Nivolumab, que também aumentaram o tempo de controle da doença.

Estamos vivendo um momento de muitas descobertas e de desenvolvimento de novos medicamentos. A compreensão da diversidade do câncer associada aos novos medicamentos continuará a melhorar muito os tratamentos dos diversos tipos de câncer.

Dr. Felipe Ades

Dr. Felipe Ades

Felipe Ades é médico formado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com especialidade em Oncologia Clinica pelo Instituto Nacional de Câncer (INCa). Passou 5 anos na Europa onde adquiriu os títulos de mestre no Institut Gustave Roussy em Paris e doutor (PhD) no Institut Jules Bordet em Bruxelas. Trabalhou em diversos aspectos da pesquisa em câncer, desde estudos em laboratório, testes de novos medicamentos com pacientes e políticas de saúde e saúde coletiva em câncer. Atualmente trabalha no Hospital Alemão Oswaldo Cruz e no Centro Paulista de Oncologia, em São Paulo. Nas horas vagas é mountain biker e guitarrista amador e aspirante a alpinista. Website: drfelipeades.com

  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!