Entenda o exame PET/CT

Entenda o exame PET/CT

O PET/CT é um dos exames de imagem mais modernos usados em oncologia. Ele combina duas modalidades de exame, a tomografia computadorizada, e a emissão de pósitrons, capaz de detectar a atividade metabólica das células do corpo.

Entendendo um pouco melhor.

Neste exame a pessoa recebe uma aplicação de glicose (um tipo de açúcar) marcada com o FDG, na veia. O FDG é uma substância que contém uma dose baixíssima de radiação, no entanto a máquina do PET é capaz de detectar mesmo essas baixas quantidades.

Nós sabemos que o câncer tem uma atividade metabólica aumentada, ele consome mais nutrientes que o restante das células normais, por isso cresce e forma os tumores no corpo. Logo, quando a glicose com FDG é injetada na veia, rapidamente as células cancerígenas começam a consumi-lo. O aparelho então identifica onde está acontecendo este consumo de açúcar, gerando uma imagem destes locais do corpo.

No mesmo momento a máquina do PET/CT realiza uma tomografia computadorizada, um exame capaz de gerar imagens do corpo extremamente precisas. As imagens são feitas usando raios X, como os das radiografias. Porém a máquina de tomografia é capaz de produzir imagens como se estivéssemos cortando o corpo e olhando por dentro.

O exame de PET/CT junta essas duas imagens, a imagem precisa do corpo humano (da tomografia) e a imagem de onde está acontecendo o consumo de glicose (do PET). Isto mostra com precisão onde estão os tumores e pode ajudar o tratamento oncológico de várias maneiras.

Quem deve fazer este exame?

Este exame não funciona para avaliar se existe, ou não, câncer em pessoas saudáveis. Como o PET identifica áreas do corpo que consomem glicose ele pode identificar áreas de infecção, como um dente careado, áreas de inflamação, como pancadas, além de áreas normais como o coração e cérebro, que consomem muitos nutrientes. Logo se uma pessoa sem doença fizer esse exame e algo diferente aparecer, isto muito provavelmente isto não deve ser câncer.

Não são todas as pessoas que estão em tratamento contra o câncer que precisam realizar um exame de PET/CT. Na maioria dos casos a tomografia sem o PET é capaz de dar todas as informações que precisamos. O exame deve ser feito apenas em casos específicos.

Como o exame pode ajudar?

Reservamos este exame para pessoas que estão, por exemplo, na programação de uma cirurgia de cabeça e pescoço, ou pulmão, e queremos avaliar se há câncer nos gânglios de defesa.  Isto pode modificar o tipo da cirurgia ou até mesmo indicar que se faça um tratamento com medicamentos antes da cirurgia, com o objetivo de reduzir a doença e facilitar sua retirada no futuro.

Um outro uso é para selecionar o local do corpo para fazer a biópsia. Para se fazer um tratamento contra o câncer é necessário que se retire um fragmento do tumor para estudo no laboratório. O PET pode ajudar a selecionar o melhor local para se fazer a biópsia.

Uma outra situação em que o PET é útil é na avaliação do resultado de tratamento. Existem casos em que a doença está apenas nos ossos, logo não há muita alteração do tamanho do tumor caso o medicamento esteja funcionando ou, ao contrário, pare de funcionar. O PET pode ajudar a diferenciar. Existem medicamentos que não reduzem o tamanho do tumor, o efeito deles é paralisar a doença, como no caso do uso de imatinib no tumor GIST. Neste caso o PET mostra que o tumor não reduziu de tamanho mas parou de consumir glicose, indicando que o tratamento está funcionando.

Este é um exame caro, mas que em casos selecionados, pode ajudar na programação do tratamento e na avaliação de seu funcionamento.

Dr. Felipe Ades

Dr. Felipe Ades

Felipe Ades é médico formado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com especialidade em Oncologia Clinica pelo Instituto Nacional de Câncer (INCa). Passou 5 anos na Europa onde adquiriu os títulos de mestre no Institut Gustave Roussy em Paris e doutor (PhD) no Institut Jules Bordet em Bruxelas. Trabalhou em diversos aspectos da pesquisa em câncer, desde estudos em laboratório, testes de novos medicamentos com pacientes e políticas de saúde e saúde coletiva em câncer. Atualmente trabalha no Hospital Alemão Oswaldo Cruz e no Centro Paulista de Oncologia, em São Paulo. Nas horas vagas é mountain biker e guitarrista amador e aspirante a alpinista. Website: drfelipeades.com

  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!