Rim e Alimentação

Rim e Alimentação

Que os rins são extremamente importante todos nós já sabemos, mas será que sabemos realmente o que ele faz e como funciona? Porque surgem tantas dúvidas a cerca dele? Em pessoas saudáveis os rins conseguem se ajustar e adaptar rapidamente às demandas mas, pessoas com predisposição ou sobrecarga decorrentes de outras doenças e tratamentos como os pacientes renais ou portadores de câncer devem redobrar a atenção para garantir que a função dos rins transcorra adequadamente. Os rins são os órgãos responsáveis por filtrar e eliminar os metabólitos do corpo, ou seja, eliminar tudo aquilo que nos seria tóxico (como drogas) ou excessivo, na forma de urina. Isso acontece pela filtração do sangue pelos rins, vamos soltar a imaginação um pouco… vamos compará-lo como se fosse um filtro de café. O sangue passa pelas unidades funcionais dos rins e então tudo o que precisamos como a água, aminoácidos, eletrólitos e minerais são reabsorvidos e equilibrados, o que estiver em excesso ou o que for tóxico vai ser eliminado pela urina. Fazendo uma analogia ao preparo do café: começamos dissolvendo o pó na água (e isso seria o sangue) então vamos pensar que o filtro são os rins e sua função é permitir que somente a bebida passe através dele. Assim, o rim equilibra a quantidade adequada de água e pó, suficiente para formar um café cremoso, e o excesso, aquela borra que sobra no coador fica presa para ser eliminada.

 

Os rins filtram nosso sangue cerca de 12 vezes ao dia, passam por ele cerca de 180L de sangue em 24h, o que seria o equivalente em uma sonhadora analogia, à usar um filtro de café reutilizável (aqueles de nylon ou metálicos), diversas vezes ao dia. Mas mesmo podendo usá-lo tantas vezes, temos que conservá-lo adequadamente, caso contrário uma hora teremos que substituí-lo. Obviamente que não podemos nem sonhar em trocar nossos rins, então temos que aumentar nossa atenção no que se refere à preservação de seu funcionamento. Assim chegamos à uma das principais dúvidas referente à saúde dos rins: A ingestão excessiva de água causa danos renais? A resposta mais correta à esta questão seria: Não! Um rim saudável e em pleno funcionamento consegue dar conta de um volume aumentado de água, eventualmente. Evidentemente que até o excesso de água pode trazer problemas e complicações, mas estaríamos falando de uma ingestão muito acima da recomendada e normalmente tomada de forma concentrada, como por exemplo: beber 2L de água no período menor que de 1 hora ou beber mais de 5L de água no dia (sem a devida recomendação), praticados de forma continuada. Nós eliminamos por dia, cerca de 2,5L de água, através da respiração, transpiração, fezes, pele e urina, portanto, este é o volume médio que precisamos beber a fim de repor a água que sabemos que perdemos normalmente. Mas até beber água demanda conhecimento. Devemos beber água, não muito gelada e em porções fracionadas ao longo de todo o dia, em volumes não maiores que 300mL, para garantirmos que tudo o que está sendo ingerido seja absorvido e devemos ainda bochechar a água em toda a mucosa da boca, assim garantimos melhor absorção e controle térmico, além de saciar mais a sede. Mas lembre-se o volume indicado para cada pessoa varia bastante de acordo com sua idade, tamanho corporal, atividades praticadas, ambiente em que vive (temperatura do dia), etc…e, isso me fez lembrar que no mês de março, ainda estamos no  verão e dias muito quentes acabam aumentando a perda de água através da pele e transpiração, assim, o volume de água que devemos beber deve aumentar… uma simples questão de equilíbrio do que perdemos e do que devemos repor. Mas aí, você se lembra que quase não bebe água, então será que a falta de água pode causar comprometimento dos rins? SIM. Esta segunda dúvida é exatamente oposta à primeira. A falta de água leva a desidratação das células do corpo. As reações químicas começam a não funcionar muito bem e a pressão sanguínea do corpo aumenta.

Tudo isso porque, de uma forma bastante simplificada, falta água para diluir os sólidos do corpo. Quanto menos água temos, mais os componentes do sangue ficam concentrados, aumentando a viscosidade do sangue e portanto, a pressão e o trabalho dos rins para filtrá-lo, podendo levar a lesões e danos mais sérios (caso esta conduta persista).

 

Então quer dizer que quanto menos água, mais os sólidos se concentram então, será que esta é a razão de formarem-se as pedras, cálculos renais? Mais uma vez a resposta é SIM. Os cálculos são formados por minerais (principalmente cálcio) que não se dissolvem e acabam se concentrando, formando as pedras. As pedras podem obstruir os canais dos rins e, portanto, são responsáveis pelas lesões e prejuízo do funcionamento renal além de causar dor.

Vamos voltar à analogia com o café, para talvez esclarecer melhor, se não colocarmos água suficiente no pó, o líquido fica mais viscoso (passa menos bebida pelo filtro) e a borra que sobra, fica mais densa e endurecida. O mesmo acontece no nosso organismo.

E, já que estamos falando tanto do cafézinho surge mais uma dúvida, será que existem alimentos que melhoram ou pioram o trabalho renal? Sim, os alimentos estão intimamente relacionados à melhora ou piora do quadro de saúde, incluindo a saúde específica dos rins. A cafeína do café por exemplo é uma das grandes questões da saúde renal, na realidade não existem evidências científicas que indiquem que o consumo moderado (até 4 xic de café ou cerca de 80-100mg de cafeína) exerça ação prejudicial ao funcionamento dos rins. Mas então, porque o café está tão associado à formação de pedras nos rins?  Na verdade não é a cafeína a vilã do café. Neste caso o problema advém do ácido oxálico presente em alguns alimentos além do café, como chás, tomate, espinafre, agrião, brócolis entre outros. O ácido oxálico é um dos componentes que conferem sabor à alguns alimentos e quando em excesso pode se combinar com o cálcio (também em excesso) e formar o que conhecemos como cálculo renal (oxalato de cálcio). Importante notar que usei diversas vezes a palavra excesso, pois somente se formará uma pedra se tivermos uma dieta não equilibrada e não combinada adequadamente. Acho que seja fácil entender que se eu tiver um alimento fonte de cálcio e outro rico em ácido oxalico juntos numa mesma refeição, a chance do oxalato de cálcio se formar é muito maior que se eu consumir estes alimentos com horas de diferença. Então…tomar café com leite seria o maior problema deste ponto de vista, correto? Sim. Mas, se você tomar leite (alimento fonte de cálcio) pela manhã e sua dieta estiver bem equilibrada, absorverá este cálcio com tranquilidade e quando tomar o cafezinho lá no final da tarde, não haverá mais cálcio disponível para se ligar e formar o oxalato!

 

Então os alimentos fonte de oxalato é que são o maior risco à saúde dos rins? Mais uma vez correto, embora tenhamos que dizer que dependem da quantidade.

Estes alimentos quando consumidos em excesso e juntamente com alimentos fonte de cálcio aumentam o risco de formação de pedras.

Somente lembrando, isso só acontece com indivíduos que não se hidratam suficientemente, caso contrario a água promove diluição e evita que as pedras se formem.  Portanto não se assuste, você pode consumir estes alimentos, para tudo temos uma solução, basta, por exemplo que façamos o aquecimento dos alimentos, pois aumento da temperatura é capaz de inibir a formação do oxalato e distribua-os em porções adequadas ao longo da dieta. E já que ainda estamos no tema alimentação, mais uma dúvida que cerca os rins é: alimentos ricos em proteínas e ricos em sal, aumentam a chance de danos renais?  A resposta é: Sim.

Estes alimentos aumentam o trabalho dos rins, aumentam a pressão e acidez do sangue, dificultando o trabalho renal e aumentando a chance de formação de cálculos. Mas somente provocarão um dano maior quando o indivíduo já estiver com quadro de lesão renal instalada. Pessoas com rins saudáveis conseguem na maioria das vezes contornar a situação de aumento de demanda de trabalho. No entanto, é extremamente importante que esta conduta não seja uma prática contínua, como o uso exagerado de complementos, pois quanto mais se trabalha, maior a chance de erros e lesões acontecerem.

 

E, existe alimentos que melhoram a saúde dos rins?

Claro! Alimentos que controlam o ambiente básico do corpo como as frutas legumes e verduras, que forneçam antioxidantes, energia e água suficiente para o corpo, coordenam toda a resposta metabólica e de bom funcionamento dos órgãos, incluido os rins, pois evitam falha e acidez por deficit de energia, inibem o aumento de pressão e precipitação de pedras.

 

Alimentos cítricos como limão exercem um efeito extremamente benéfico, pois o citrato desta fruta se liga ao cálcio permitindo queseja eliminado ou absorvido não deixando que ele fique livre para se formarem as pedras. Além disso, o citrato é um excelente modulador do pH do corpo, permitindo que não se formem outros tipos de cálculos como os uratos (principalmente influenciados por pH ácido).

 

E agora, chegamos à uma das maiores questões: Refrigerantes, podem causar cálculo renal? A resposta é sim, claro, evidente e todos os demais sinônimos que existirem para que fique claro que os refrigerantes devem sem eliminados da dieta.  Os refrigerantes são agentes extremamente ácidos, causam um desequilibrio imenso de ajuste de alcalinidade do sangue. Este tipo de acidificação só aumenta a desidratação (pois a água disponível é usada como tentativa de retorno do pH sanguíneo) e precipitação dos sais, formando-se as pedras.

 

Mas ouvi dizer que a cerveja posso beber? NÃO!

Mais uma bebida que nada agrega à saúde e só faz agravar o quadro de desidratação. O álcool é um grande vilão, pois aumenta a diurese (já notaram que aumentamos a vontade de ir ao banheiro quando bebemos álcool, né?!) e, se aumentamos às visitas ao banheiro, aumentamos a eliminação de água.  E, muito provavelmente se você está com um copo de cervejinha na mão, não está, infelizmente, com a outra ocupada com um copo d’água.

 

Assim, a palavra de ordem para saúde renal é HIDRATACÃO. A boa conduta nutricional com alimentos bem combinados, com nutrientes equilibrados, evitando-se excessos, principalmente de sódio e proteínas, rica em frutas verduras e legumes e longe de bebidas como refrigerante e álcool garantem o bom funcionamento e saúde dos nossos rins!

Andrea Alterio

Andrea Alterio

Andrea Alterio é Nutricionista formada na Universidade São Camilo (SP) com especialidade em Oncologia Multiprofissional pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Mestre em Nutrigenética e possui outras 4 especializações em Nutrição Clínica, com ênfase em Metabologia e Bioquímica Médica, Nutrição Funcional, Obesidade e Esportes além de um Master em Nutrição Humana comportamental (coaching nutricional) em Roma, Itália.  Atualmente trabalha em consultório clínico, em São Paulo e Interior.

  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!