CÂNCER DE VULVA

  • O que é?
  • Fatores de Risco
  • Sintomas
  • Diagnóstico
  • Tratamento
  • Estadiamento

O câncer de vulva é um câncer raro, responsável por 0,5% de todos os cânceres nas mulheres e 5% dos tumores ginecológicos. O tipo mais comum deste câncer é o carcinoma espinocelular, um câncer de pele que surge como uma mancha ou ferida que não cicatriza e vai aumentando. 
O câncer de vulva aparece com mais frequente em mulheres após a menopausa, porém alguns fatores podem favorecer o surgimento da doença em idades mais jovens.

Os principais fatores de risco do câncer de vulva são:

  • Idade: mulheres com mais de 50 anos, sendo a incidência maior após os 70 anos;
  • Irritação/inflamação vulvar crônica;
  • Infecção pelo vírus HPV (Vírus do Papiloma Humano);
  • Infecção pelo vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana);
  • Tabagismo;
  • Neoplasia intraepitelial de Vulva (displasia vulvar): lesão pré-maligna formada por células anormais na camada mais superficial da pele da vulva;
  • Outros Cânceres Genitais como câncer de colo do útero;
  • Melanoma ou Pintas Atípicas.

Os sintomas mais frequentes do câncer de Vulva são:

  • Ferida que não cicatriza (sintoma mais frequente);
  • Ardência;
  • Coceira na região;
  • Mancha ou caroço (que pode se transformar em ferida ou descamar);
  • Mulheres infectadas com HPV;
  • Inflamação e Irritação na vagina;
  • Infecção na vagina;
  • Sangramento;
  • Nódulo ou ulceração;
  • Áreas de pele com cor e textura alteradas.

O diagnóstico do câncer de vulva é feito por histórico clínico e exame físico, confirmado por meio de biópsia. Habitualmente a biópsia da vulva é um procedimento ambulatorial, realizado pelo médico com uso de anestesia local. Outros exames utilizados no diagnóstico são: exames de imagem (Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada, Petscan (tomografia por emissão de pósitrons) e Radiografia de Tórax) e Cistoscopia(que examina a parte superior da bexiga), Proctoscopia (examina o reto) e exame pélvico.

Os tumores em estágio inicial são tratados por cirurgia, onde tumor e os gânglios linfáticos inguinais - primeiro local para onde o câncer da vulva pode espalhar- são removidos. Já os tumores avançados podem ser tratados com quimioterapia e radioterapia, antes ou após da cirurgia.

Os tratamentos utilizados são:

  • Cirurgias;
  • Terapia com laser: destruição das células anormais utilizando um feixe de luz concentrada (laser) pode ser utilizada no tratamento das lesões pré-malignas (Neoplasia Intra-Epitelial Vulvar ou NIV);
  • Vulvectomia simples: ressecção de toda a vulva;
  • Vulvectomia radical: remoção da vulva com tecido normal ao redor e inclui esvaziamento dos gânglios linfáticos inguinais;
  • Linfadenectomia: ressecção dos gânglios linfáticos;
  • Radioterapia: utiliza feixes de radiação para destruir as células tumorais.

É preciso que o médico e o paciente estejam sempre atentos ao  estadiamento da doença! Mas, o que é estadiamento? São os estágios que o câncer está no momento, ou seja, o tamanho, a localização e se espalhou para outros órgãos. O estádio de um tumor reflete não apenas a taxa de crescimento e a extensão da doença, mas também o tipo de tumor e sua relação com o hospedeiro. O sistema de estadiamento mais utilizado é o TNM da American Joint Committee on Cancer.

 

O que é TNM?

 É a abreviatura de tumor, linfonodo e metástase. Este sistema utiliza três critérios para avaliar o estágio do câncer:

  • O próprio tumor ( T + um número de 0 a 4 usa-se para descrever o tumor primário);
  • Os linfonodos regionais ao redor do tumor ( N + 0 a 3 usa-se para descrever se a doença disseminou para os gânglios linfáticos)
  • E se o tumor se espalhou para outras partes do corpo (M usa-se para descrever que a doença se espalhou para outros órgãos)  

 O estadiamento pode ser clínico e patológico. O estadiamento clínico é estabelecido a partir dos dados do exame físico e dos exames complementares. O estadiamento patológico baseia-se nos achados cirúrgicos e no exame anátomopatológico - é estabelecido após tratamento cirúrgico e determina a extensão da doença com maior precisão. Lembrando que o estadiamento patológico pode ou não coincidir com o estadiamento clínico e não é aplicável a todos os tumores.

 

 

E o estadiamento para Câncer de Vulva, como funciona?

 O Estadiamento da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO) adota como critérios o tamanho do tumor, invasão das estruturas perineais, comprometimento dos linfonodos e metástases à distância:

TNM

T - Tumor primário

TTis - Carcinoma pré-invasivo

T1 - Tumor confinado à vulva e/ou períneo com 2,0 cm ou menos na sua maior dimensão

T2 - Tumor confinado à vulva e/ou períneo com mais de 2,0 cm na sua maior dimensão

T3 - Tumor de qualquer tamanho com invasão da uretra e/ou ânus

T4 - Tumor de qualquer tamanho infiltrando a mucosa vesical e/ou retal, incluindo a porção superior da mucosa uretral e/ou ânus

 

N - Linfonodos regionais

N0 - Linfonodos não palpáveis

N1 - Linfonodos regionais unilaterais metastáticos

N2 - Linfonodos regionais bilaterais metastáticos

 

M - Metástase à distância

M0 - Ausência de metástases

 

Estadiamento cirúrgico do câncer vulvar: 

 

O Tis Carcinoma in situ (Carcinoma pré-invasivo)

I

T1N0M0: Tumor confinado à vulva e/ou períneo maior diâmetro menor que 2,0 cm e linfonodos inguinais negativos

T1a Invasão estromal inferior a 1,0 mm inclusive

T1b Invasão estromal superior a 1,0 mm

 

II

T2N0M0: Tumor confinado a vulva e/ou períneo com maior diâmetro superior a 2,0 cm e linfonodos inguinais negativos

 

III

T1N1M0 / T2N1M0:  Tumor de qualquer tamanho infiltrando a porção inferior da uretra e/ou vagina ou ânus e/ou metástase linfonodal regional unilateral

T3N0M0 / T3N1M0

IVA

T1N2M0: Tumor invade porção superior da uretra,mucosa vesical, mucosa retal, osso pélvico e/ou linfonodos regionais bilaterais

T2N2M0 / T3N2M0 / T4NqqM0

IVBT

qqNqqM1 : Metástases à distância, incluindo linfonodos pélvicos

 

Fonte: Associação Médica Brasileira e Agência Nacional de Saúde Suplementar

 

Páginas da vida Páginas da vida

ESTOU,COM CANCER NO COLO DO ULTERO, MAS ESTOU FAZENDO TRATAMENTO,TENHO CINCO FILHOS A MINHA FORÇA VEM DOS MEUS FILHOS!!!E EU SEI QUE VOU FICAR CURADA...

carla CRISTINA DE OLIVEIRA

Olá minha intensão é que meu caso seja fonte de perseverança para algumas pessoas que estejam passando por esse caso.Começou assim dei uma relaxado nos exames preventivos por 3 anos e quando acordei de que estava em falta com minha saúde fui fazer a mamografia em maio de 2009 e…

Josiete maria dos Santos

Meu nome é Andréa Ferraz Mesquita, tenho 39 anos e sou sobrevivente do câncer de mama por duas vezes. A primeira vez que tive a doença foi em 2003 e ela voltou em abril de 2008, quando eu estava fazendo exames de rotina. Meu tratamento da primeira vez foi uma quadrantectomia, retirada parcial…

Andrea Mesquita
  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!